A terça-feira (22) amanheceu com a triste e preocupante notícia do atentado no aeroporto e sistema de metrô da cidade de Bruxelas na Bélgica. As informações iniciais dão conta que ao menos 34 pessoas morreram e mais de 100 foram feridas, após o ataque, que causou o fechamento da cidade e o aumento do alerta de segurança em toda a Europa. Ao menos um dos ataques teria sido realizado por homem bomba.

O premiê belga, Charles Michel, afirmou que a Bélgica foi atingida por um “ataque cego” e afirmou: “Aconteceu o que mais temíamos”.

O premiê orientou a população a manter a calma e a solidariedade neste “momento negro”. “Precisamos enfrentar esse desafio em solidariedade, unidos, juntos.”

Aconteceram três explosões por volta das 8h15 (4h15 de Brasília), sendo duas no aeroporto internacional da capital, perto dos balcões de check-in no terminal de embarque, e outra na estação de metrô de Maelbeek, localizada próxima aos edifícios da União Europeia.

O grupo terrorista Estado Islâmico reivindicou a autoria dos ataques.

Operação Lava Jato

A nova fase da operação Lava Jato descobriu informações de que a Odebrecht mantinha pagamentos ao esquema de corrupção até novembro de 2015, mesmo com seu presidente Marcelo Odebrecht preso.

A  26ª fase deflagrada nesta terça-feira da operação Lava Jato é chamada de Xepa, e cumpriu 110 mandados em oito estados, sendo 15 de prisões.

“Apurou-se que as tratativas acerca dos pagamentos de vantagens indevidas se estenderam até, pelo menos, novembro de 2015, conforme comprovado por troca de e-mails entre os investigados”, informa a força-tarefa da Lava Jato.

Petrobras registra prejuízo

A Petrobras fechou o ano de 2015 registrando prejuízo de R$ 34,9 bilhões. De acordo com a empresa, a explicação para o resultado foi de que os números refletiram uma série de eventos não recorrentes, além do forte efeito da despesa financeira devido à desvalorização do real ante o dólar e da queda no preço do petróleo no mercado internacional. Em 2014, a Petrobras teve prejuízo de R$ 21,6 bilhões, refletindo a baixa contábil de ativos de e também por conta dos acertos da corrupção.

Industria brasileira amarga maus resultados

De acordo com o jornal O Estado de São Paulo a indústria brasileira encerrou o ano de 2015 com o pior desempenho entre as principais economias. No quarto trimestre do ano passado, a produção brasileira recuou 12,4% na comparação com o mesmo período do ano anterior. O Estadão refletiu os números a partir do levantamento do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) que mostrou resultado abaixo da produção mundial, que cresceu 1,9% no período.

Mercado financeiro

O mercado financeiro aguarda os próximos passos da crise jurídica travada entre governo e oposição em relação à posse do ex-presidente Lula como ministro-chefe da Casa Civil.  O atentado em Bruxelas aumentou no investidor a aversão ao risco, principalmente por que mostra o potencial de destruição que os grupos terroristas ainda possuem.

O Ibovespa opera as 11h56 em queda de -0,34% e o dólar registra alta de +0,1% sendo negociado a R$ 3,61.

Foto CRM / Shutterstock.com

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários