Há quase 2 anos começaram os problemas envolvendo a Petrobrás (operação Lava jato). Depois disso, a empresa demorou 5 meses para publicar seus resultados do terceiro trimestre de 2014. A tão esperada “baixa” causada pela corrupção ficou estimada em R$ 6,15 bilhões.

Esse não é nem de longe o número definitivo que o esquema drenou dos cofres da estatal. Os resultados vieram para reafirmar o que falamos faz tempo: o problema da Petrobras não se resume a questões contábeis.

O caso abrange o impacto da corrupção e o tamanho da baixa contábil em 2014. E mais: há grandes chances disso se repetir nos números referentes a 2015. Portanto, se trata de um problema de estrangulamento da estrutura de capital, o que é mais sério.

Esse estrangulamento não passa necessariamente pelo prejuízo de R$ 21 bilhões em 2014, o primeiro da empresa desde 1991. Tampouco pelos R$ 6,15 bilhões de baixa da corrupção, ou ainda pelo ajuste no valor dos ativos de R$ 44 bilhões, que não indica que a empresa tem credibilidade, mas sim que projetos que valiam uma coisa com petróleo a US$ 110, valiam outra com petróleo abaixo de US$ 60 e valem outra no patamar de US$30.

As reservas do Pré-sal podem salvar a empresa?

Se a cotação do petróleo no mercado internacional continuar nos preços atuais, dificilmente salvará.

E vale a pena comprar as ações de Petrobras agora?

É justamente esta pergunta que respondemos de forma mais ampla em nosso Relatório Especial gratuito, contendo ainda mais dados sobre a situação atual da empresa.

Clique aqui para ser direcionado para nossa página exclusiva com as instruções para acessar o relatório.

Nota: Esta coluna é mantida pela Empiricus, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Foto: Arnaldo Jr / Shutterstock.com

Empiricus Research
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários