Bancarização e uso de cartões de pagamento crescem no paísA crescente bancarização no Brasil e o número de cartões de crédito entre as classes sociais são parte de um estudo realizado pela Febraban (Federação Brasileira dos Bancos), em parceria com a Booz & Company.

Segundo a pesquisa, a crescente bancarização do país ainda não é suficiente para atingir níveis de países europeus, como a Inglaterra e a Espanha, onde os níveis chegam a 97%. O estudo ainda aponta que apenas em 2023 o Brasil alcançará os mesmos níveis de lá.

No ano passado, o número de contas correntes ativas aumentou 6%, uma vez que o número de contas do tipo poupança teve alta de 4%. A atual situação brasileira indica que o nível de bancarização do país é de 55% – índice que pode crescer a cada ano.

Segundo a Federação, a alta tem sido alavancada pela expansão da economia do Brasil, além do acesso facilitado aos meios digitais, como internet banking e mobile banking.

O aumento do número de cartões de crédito, débito e lojas entre as classes A e B também pode estar relacionado a este fator.

De acordo com o estudo realizado pela Febraban essas duas classes ainda estão na frente da classe C, visto que tais meios de pagamento têm abrangência de 88% nas classes A e B, enquanto na C, 68%.

O número destes cartões cresceu 10% entre 2008 e 2012, sendo que o crescimento das transações feitas pelos cartões está acima do aumento do número de cartões, o que mostra uma grande um crescimento do uso do meio.

A Federação aponta que os cartões de débito são mais numerosos que os de crédito e os de redes de loja, com respectivamente 38%, 26% e 36%.

Outro fator que certamente influenciou a intensificação do uso de cartões de pagamento, segundo a Federação, foi a queda dos custos de transações, que baixaram 17,4% em quatro anos. A maior utilização dos meios eletrônicos ajuda a diminuir os custos unitários por transação.

“Entretanto, a grande facilidade aos serviços aumento o número de transações, o que causa uma alta dos gastos totais dos bancos nos últimos anos”, ressalta a divulgação da Febraban.

Regiões

O estudo realizado também mostra que as regiões Norte e Nordeste do país são as que mais registram crescimentos no número de agências, com alta de 8,5% e 6,8% desde 2008, respectivamente.

Fato curioso é que nessas regiões a penetração dos serviços é menor. As regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste tiveram níveis em patamares semelhantes, em torno de 20 agências para cada 10 mil pessoas economicamente ativas.

Fonte: InfoMoney | InfoMoney. Foto de freedigitalphotos.net.

Willian Binder
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários