Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal têm lucro recorde em 2012Bancos públicos emprestando dinheiro sem medo e a partir de “ordens” do governo. Esse acontecimento balançou o mercado durante 2012 e deixou os bancos privados em estado de alerta. Será que os calotes não subiriam demais? O efeito no lucro seria mesmo grande?

Algumas respostas já saíram e merecem destaque. O Banco do Brasil fechou o ano de 2012 com lucro líquido de R$ 12,2 bilhões. O valor representa o maior lucro da história do banco. Para se ter uma ideia, nos últimos três meses de 2012 o lucro líquido foi de R$ 4 bilhões, valor 45,5% maior do que os três meses anteriores.

O Banco do Brasil atribui o crescimento do lucro à expansão da carteira de crédito. Vale lembrar que os juros foram reduzidos no ano passado, o que tornou mais baratos os empréstimos – impulsionando a busca e contratação por parte dos clientes. A carteira de crédito do banco no Brasil fechou 2012 em R$ 534,367 bilhões, um crescimento de 24,2%.

Não parece que essa expansão nos financiamentos e empréstimos tenha afetado o total de calotes. O índice de pagamentos atrasados (mais de 90 dias) ficou em 2,05% da carteira de crédito. Este valor é menor do que o medido em dezembro de 2011, por exemplo, de 2,16%. No mesmo período, o sistema financeiro brasileiro registrou aumento no seu índice, de 3,60% em dezembro de 2011 para 3,64% em dezembro de 2012.

Caixa Econômica Federal também surpreendeu!

A Caixa Econômica Federal também obteve lucro líquido recorde em 2012. Seu valor foi de R$ 6,1 bilhões, um crescimento de 17,1% em relação ao ano de 2011. Só no ano passado, 6,7 milhões novos clientes foram conquistados, levando o total de correntistas a 65,2 milhões em dezembro de 2012.

Assim como aconteceu com o Banco do Brasil, o aumento do lucro foi atribuído ao forte crescimento da carteira de crédito, que cresceu 42%, passando para R$ 353,700 bilhões no final de 2012. Vale destacar o crescimento da carteira específica para aquisição de imóveis, que subiu 34,6%, passando para R$ 205,800 bilhões.

Um dos objetivos do banco era aumentar sua participação no mercado. O banco saltou de 12,3% de market share em 2011 para 15% em 2012.

Os calotes também não aumentaram. A taxa de inadimplência da Caixa se manteve praticamente inalterada e entre as mais baixas do país em 2012, com 2,08% de empréstimos não pagos com mais de 90 dias de vencimento.

Por que essas informações são importantes?

Havia (ainda há) muita desconfiança por parte do mercado e da população em relação ao modelo de negócios usado pelos bancos públicos em 2012. Diminuir os juros cobrados dos clientes afetaria o lucro destas instituições, é o que diziam na época. Não foi o que aconteceu.

Até agora, o modelo mostra-se sustentável. O aumento na oferta, que ficou mais barata, veio acompanhado de maior procura e ingresso de clientes. O volume compensou a arrecadação com as taxas. Para você, isso significa que melhores taxas podem ser encontradas e que logo os bancos privados deverão seguir estratégia semelhante. Tomara.

Fonte: R7.com. Foto de freedigitalphotos.net.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários