Viajar para a terra do Tango ficou mais barato e não se trata de uma promoção por tempo limitado. No dia 27 de setembro, o presidente da Argentina, Mauricio Macri, assinou um decreto que isenta turistas de pagarem o imposto IVA nas tarifas em hotéis.

O imposto é semelhante ao nosso ICMS e a isenção tornará a hospedagem 21% mais barata! Ótima notícia, não é mesmo?

Essa medida visa estimular o turismo na região, que está em queda nos últimos meses. Um dos motivos é que nós brasileiros estamos mais cautelosos com os custos e quando é preciso cortar alguma despesa, o lazer é um dos primeiros itens.

Se essa notícia já te deixou animado, saiba que a capital argentina, Buenos Aires, vale a visita. Além de ser uma cidade bonita, animada, com muitos pontos turísticos e únicos para conhecer, é também uma perdição para quem gosta de comer… Doce de leite, alfajor, bife de Chorizo, empanadas, sorvete, doce de leite (de novo, ou melhor, dulce de leche) e por aí vai… Humm!

Aplicativo gratuito recomendadoDinheirama Organizze, o seu aplicativo de controle financeiro

Outra boa notícia é que você não precisa de visto para entrar no país. Basta apresentar um RG em bom estado e de fácil de identificação – não é recomendável apresentar aquele documento com sua foto de quando tinha 5 anos, ok?

E como pesquisar as melhores barganhas de passagem aérea?

A grande dica é utilizar sites que fazem comparação de tarifas. O Kayak, por exemplo, pesquisa em diversas cias aéreas e o mais bacana é que você recebe um aviso se é o momento de comprar ou não (uma alerta de menor preço).

No exemplo abaixo, o Kayak recomenda fazer a compra, pois a tendência é aumentar cerca de R$65,00 nos próximos 7 dias. Você também pode criar um alerta de preço e ser avisado quando houver uma tarifa no valor que você definiu.

Está mais barato viajar para a Argentina. Entenda e aproveite!

Leitura recomendada: 12 Dicas para fazer da classe econômica a sua primeira classe

Dicas para pesquisar hotéis

Para a pesquisa de hotéis, é preciso levar algumas coisas em consideração para ter o melhor custo-benefício:

  • Desconsidere hotéis que não oferecem café da manhã e custam quase a mesma coisa daqueles que oferecem (economizar com essa refeição é uma boa);
  • Veja se a localização é ideal para os passeios que deseja fazer. Você perceberá que quanto mais distante dos pontos turísticos, mais em conta fica. Porém, não adianta ficar longe, gastar muito com transporte e, muito importante, perder tempo;
  • Se você não tem problema em se hospedar em um lugar com menos luxo, considere ficar em um hostel (você pode se surpreender, no sentido positivo, claro!). São também conhecidos como albergues – os mais procurados por mochileiros;
  • Outra opção é pesquisar no Airbnb, um portal de aluguel de quartos, casas e apartamentos diretamente com os proprietários.

Antes de começar o planejamento da viagem

É importante que você defina um valor que pode ser gasto com a viagem no total. Com isso, a sua pesquisa vai ser bem mais simples e realista. Clique e dê uma olhada em todas as nossas dicas para planejar a viagem dos sonhos com economia.

Malas prontas? Boa viagem! Até a próxima.

Daniella Gomes
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários