Home Empresas Batalha entre Arm e Qualcomm ameaça PCs com IA

Batalha entre Arm e Qualcomm ameaça PCs com IA

Uma vitória da Arm no litígio poderia forçar a Qualcomm e seus cerca de 20 parceiros, incluindo a Microsoft, a interromper o envio dos novos laptops

por Reuters
0 comentário

Uma batalha judicial de dois anos entre dois titãs da tecnologia ameaça interromper uma onda emergente de novos computadores pessoais (PCs) alimentados por inteligência artificial, disseram executivos e especialistas da indústria tecnológica.

Uma série de executivos da Microsoft, Asus, Acer e outros se juntaram ao presidente-executivo da Qualcomm, Cristiano Amon, no palco da feira anual Computex em Taipé, na semana passada, para apresentar uma nova geração de PCs com IA.

No entanto, a principal conversa entre os participantes da conferência foi sobre como uma disputa contratual entre a Arm e a Qualcomm, que trabalham juntas para fabricar os chips que alimentam esses novos laptops, poderia interromper abruptamente o envio de novos PCs que, segundo líderes do setor, deve gerar bilhões de dólares à Microsoft e aos seus parceiros.

Projeções aproximadas sugerem que a Microsoft prevê conquistar cerca de 5% do mercado com os laptops com tecnologia da Arm até o fim do ano, vendendo cerca de 1 milhão a 2 milhões de unidades.

Quase duas dúzias de modelos da Microsoft, Dell e Samsung devem ser entregues aos consumidores em 18 de junho.

Uma vitória da Arm no litígio poderia forçar a Qualcomm e seus cerca de 20 parceiros, incluindo a Microsoft, a interromper o envio dos novos laptops.

“Definitivamente é um risco real”, disse Doug O’Laughlin, fundador da empresa de análise financeira de chips Fabricated Knowledge. “Quanto mais sucesso (os laptops tiverem), mais taxas a Arm pode eventualmente receber.”

A empresa britânica, majoritariamente controlada pelo grupo japonês SoftBank, processou a Qualcomm em 2022 por não negociar uma nova licença após adquirir uma nova empresa.

O processo gira em torno da tecnologia que a Qualcomm, uma fabricante de chips móveis, adquiriu de uma empresa chamada Nuvia, fundada por engenheiros de chips da Apple e comprada por 1,4 bilhão de dólares em 2021.

(Imagem: Reprodução/REUTERS/Mike Blake/Arquivo)
(Imagem: Reprodução/REUTERS/Mike Blake/Arquivo)

A Arm constrói a propriedade intelectual e os designs que vende para empresas como Apple e Qualcomm, que os utilizam para fabricar chips.

A Nuvia tinha planos de projetar chips para servidores com base em licenças da Arm, mas após a aquisição, a Qualcomm realocou sua equipe restante para desenvolver um processador para laptops, que agora está sendo usado no mais recente PC com IA da Microsoft, chamado Copilot+.

A Arm disse que o design atual planejado para os laptops Copilot+ da Microsoft é um descendente técnico direto do chip da Nuvia. A Arm afirmou que cancelou a licença para esses chips.

“A reivindicação da Arm contra a Qualcomm e a Nuvia é sobre proteger o ecossistema Arm e os parceiros que dependem de nossa propriedade intelectual e designs inovadores e, portanto, fazer cumprir a obrigação contratual da Qualcomm de destruir e parar de usar os designs da Nuvia que derivaram da tecnologia Arm”, disse um porta-voz da Arm.

A Qualcomm afirmou que sua ampla licença para a tecnologia Arm já cobre seus chips para PCs, e um porta-voz da Qualcomm disse que sua posição não mudou desde que a Arm entrou com o processo em 2022.

“A reclamação da Arm ignora o fato de que a Qualcomm tem direitos de licença amplos e bem estabelecidos que cobrem suas CPUs personalizadas, e estamos confiantes de que esses direitos serão afirmados”, disse Ann Chaplin, conselheira geral da Qualcomm, em uma declaração de 2022.

Além dessa disputa judicial, há outro nível de complexidade, pois o acordo exclusivo para fornecer chips aos fabricantes de laptops expira este ano, abrindo o mercado para os concorrentes da Qualcomm.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.