dinheirama-post-alta-jurosOntem (26) o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central elevou a taxa básica de juros (Selic) de 10,5% para 10,75% ao ano, reduzindo o ritmo de alta. A decisão veio dentro do esperado pela maioria dos analistas.

Segundo o Copom, a decisão unânime “dá prosseguimento ao processo de ajuste da taxa básica de juros, iniciado em abril de 2013”. A única alteração no comunicado foi a retirada da expressão “neste momento” utilizada na reunião passada.

Com isso, a Selic volta ao mesmo patamar em que estava quando Dilma Rousseff assumiu o governo, quando a taxa de dezembro de 2010 era de 10,75%.

No primeiro mês dela (janeiro de 2011), a Selic subiu para 11,25% e foi sendo elevada, até bater em 12,50%, em julho de 2011. Depois, passou a cair continuamente, até a mínima de 7,25%, mantida de outubro de 2012 a março de 2013.

A partir de abril de 2013, os membros do Copom passaram a subir a taxa de juros, e foi assim nas oito reuniões que aconteceram desde então. Em abril de 2013, a alta foi de 0,25 em ponto percentual; nas seis reuniões seguintes, acelerou para 0,5 ponto percentual. Agora, o BC volta a reduzir o ritmo da alta para 0,25 ponto.

Rendimento da Poupança

A poupança continua rendendo com seu potencial máximo. Uma nova regra de 2012 estabelece que ela renda menos quando a Selic estiver igual ou inferior a 8,5% ao ano. Nesse caso, a caderneta daria 70% da Selic mais a TR. Como está acima disso, o rendimento é o tradicional: 6,17% ao ano mais a TR.

Taxa de juros é ferramenta para tentar combater inflação

A Selic é usada pelo BC para tentar controlar o consumo e a inflação, ou estimular a economia. Analistas já esperavam uma alta da taxa de juros para combater a alta de preços, que tem preocupado o governo. A inflação oficial subiu 0,55% em janeiro.

Quando os juros sobem, as pessoas tendem a gastar menos e isso faz o preço das mercadorias cair, controlando a inflação, em tese. Por outro lado, juros altos seguram a economia e fazem o PIB (Produto Interno Bruto) ficar baixo.

Se os juros estão elevados, as empresas investem menos, porque fica caro tomar empréstimos para produção, e as pessoas também reduzem seus gastos, porque o crediário fica mais alto. Essa situação deixa a economia com menos força. O lado bom é que investimentos baseados em juros são beneficiados e rendem mais para o aplicador.

Por outro lado, com juros mais baixos, há mais consumo e mais risco de inflação, porque as pessoas compram mais e nem sempre a indústria consegue produzir o suficiente. Quando há falta de produtos, a tendência é que eles fiquem mais caros.

A taxa básica de juros orienta o restante da economia, mas há pouco impacto na vida prática de quem precisa usar o cheque especial ou cartão de crédito. Analistas dizem que essas taxas são tão altas que pequenas variações na Selic são incapazes de aliviar ou pesar no bolso no dia a dia.

Fonte: UOL Economia. Foto Shutterstock: abstract skyline and Brazil flag illustration

Igor Oliveira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários