O Copom (Comitê de Política Monetária), decidiu manter a taxa básica de juros (Selic) inalterada. De acordo com o comunicado publicado após o fim da reunião, o BC (Banco Central) indica que a Selic permanecerá no patamar de 14,25% nas próximas reuniões.

“Tomados em conjunto, o cenário básico e o atual balanço de riscos indicam não haver espaço para flexibilização da política monetária.” A decisão foi unânime.

A decisão anunciada nesta quarta-feira (20), já era esperada pela maior parte do mercado financeiro, mas pressões do lado político contribuíram para que alguns analistas avaliassem a possibilidade de um corte. A expectativa maior era pelo comunicado da decisão.

Os juros estão em 14,25% ao ano desde julho do ano passado. A próxima reunião do Copom está marcada para os dias 30 e 31 de agosto, mas a previsão do mercado é de um corte de juros apenas na reunião de 18 e 19 de outubro.

Alimentos fazem prévia da inflação subir

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), registrou alta de 0,54% em julho, após subir 0,40% em junho. Com o resultado, o IPCA-15 acumula aumento de 5,19% no ano. Já a taxa acumulada em 12 meses até julho foi de 8,93%, a mais baixa desde junho de 2015, quando estava em 8,80%.

Os preços dos alimentos saltaram 1,45% em julho. O resultado foi o mais elevado para meses de julho desde 2008, quando a alta no grupo Alimentação e bebidas chegou a 1,75%. Em junho, os alimentos tinham aumentado 0,35%.

Para FMI Brasil pode precisar aumentar impostos

As condições no Brasil estão começando a melhorar e o crescimento econômico deve voltar em 2017, mas o governo precisa avançar com as reformas, afirmam os economistas do Fundo Monetário Internacional (FMI) em documento para a reunião ministerial do G-20, o grupo dos países mais ricos do mundo, que começa dia 23 na China.

O FMI vê espaço limitado para o Banco Central cortar juros agora e recomenda que o governo do presidente em exercício Michel Temer avance com o ajuste fiscal, incluindo com “medidas tributárias”, forma usada pela instituição para sugerir aumento de impostos, e reforma na previdência.

“O novo governo deve complementar a proposta de um teto para os gastos com medidas tributárias e resolver a rigidez das despesas e mandatos insustentáveis, incluindo na previdência”, afirma o documento do FMI. No Brasil, mais de 90% do Orçamento federal é de gastos atrelados a leis e, por isso, difíceis de serem cortados.

Mercado financeiro

A manutenção dos juros em 14,25% foi um sinal de força da equipe econômica que sofre pressões da área política do governo. A mensagem interpretada pelo mercado é de que possíveis cortes nos juros acontecerão apenas em outubro, sinalizando que os juros irão efetivamente baixar mais lentamente do que o esperado.

O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, opera as 12h010 em alta de +0,27%, com 56.731 pontos, enquanto o dólar tem valorização de +0,26%, negociado a R$ 3,257.

Foto: Agência Brasil

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários