Hoje iremos realizar algo não muito comum no mercado de investimentos. Neste texto abordaremos, dentro do contexto atual do país, as análises técnica e fundamentalista no mercado de ações para falar sobre o momento atual da bolsa de valores.

O Rally da Bolsa sob a ótica fundamentalista

Do ponto de vista fundamentalista, o que vimos na primeira semana de março foi uma alta de 18% em reação ao cenário político atual, com a imprensa divulgando a delação premiada do senador e ex-líder do Governo no Senado, Delcidio do Amaral, e da condução coercitiva do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva. Este foi um movimento altamente atípico, o que aliás não víamos há meses na bolsa.

O mais curioso desse avanço no mercado de ações foi a procura por informações de “novos investidores”, especialmente após a crise de 2008, em que muitos brasileiros deixaram de acompanhar este segmento.

Sinal semelhante de forte avanço e muita euforia vimos na Argentina recentemente, antecipando a vitória de Mauricio Macri como presidente do país e deixando de lado o Kirchnerismo após anos no governo. Apenas como comparativo, em menos de 2 meses de negociação (setembro a novembro), tempo este que antecedeu a conquista do opositor, a bolsa argentina, cujo índice principal é o Merval, subiu 48%.

Estes movimentos reforçam cada vez mais que a retomada da confiança e da credibilidade de um governo passam por um processo de euforia no mercado financeiro e, mais especificamente, repercute na bolsa de valores.

Voltando ao Brasil, os acordos de delação premiada e os passos que já trazem a operação Lava Jato para sua 24ª fase (com expectativa de continuidade) fazem aumentar a probabilidade de saída da presidente Dilma Rousseff, seja através de uma eventual renúncia, impeachment ou via cassação da chapa reeleita, em 2014, pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Desta forma e diante dos acontecimentos das últimas semanas, enxergamos a presidente cada vez mais isolada de seu partido, que inclusive lhe faz oposição ao “bombardear” o “novo” ministro da Fazenda diante das reformas necessárias de ajuste fiscal.

Portanto, com um cenário desolador do ponto de vista econômico e com a perspectiva de que a crise ainda possa atingir seu pico em 2016 pela perspectiva do aumento da taxa de desemprego e do forte crescimento negativo para o país, pelo segundo ano consecutivo, sendo o pior resultado em décadas, o mercado financeiro não torce para o quanto pior, melhor…

A torcida ocorre no sentido de um resgate e fortalecimento da confiança, o que traria o investidor de volta ao país e, consequentemente, um melhor posicionamento para os brasileiros em geral.

Por fim, do ponto de vista dos fundamentos, ainda não enxergamos razões para o principal índice da bolsa brasileira, o Ibovespa, permanecer acima dos 50 mil e nem para a continuidade do dólar abaixo dos R$ 4,00.

No entanto, enquanto o movimento de saída da presidente continuar em pauta, deveremos seguir na tendência de alta do mercado, também se aproveitando de um cenário altista para as commodities no mercado internacional.

E-book recomendado: 5 Dicas para ter Sucesso na Bolsa

O Rally da bolsa sob a ótica da Análise Técnica

Agora passamos a discutir o atual momento do mercado de ações a partir do ponto de vista dos preços. Nosso mercado, refletido pelo Ibovespa, vem performando em um canal de baixa que, quando se aproxima da paralela, reverte forte rumo à Linha de Tendência de Baixa (LTB), fato que aconteceu nas últimas semanas. A imagem abaixo mostra o que estamos dizendo:

Bem-vindo ao Rally da Bolsa de Valores: o que fazer neste momento?

Para quebrarmos esse canal de baixa que se arrasta desde 2010, devemos ficar atentos às resistências em 50 e 55 mil pontos, que se superadas darão ótima sinalização da retomada da tendência altista, que ficou distante da nossa memória, pois ocorreu quase 10 anos atrás. A imagem abaixo mostra esta referência dos 50 mil pontos:

Bem-vindo ao Rally da Bolsa de Valores: o que fazer neste momento?

Um ótimo sinal de possível fundo nós já tivemos. Como já comentamos, na semana passada nosso Ibovespa apresentou alta de 18%, performance antes obtida só em 2008, no final da crise subprime que marcou fundo para a forte recuperação de 2009.

Foram 2 semanas com altas respectivas de 18,34%, no final de outubro de 2008, e de 17,10%, no final de dezembro de 2008, ambas na mesma região de fundo do Ibovespa. De 2009 até a semana passada não tivemos nenhuma semana com alta dessa magnitude.

Seguem abaixo os 2 gráficos comentados:

Bem-vindo ao Rally da Bolsa de Valores: o que fazer neste momento?

Bem-vindo ao Rally da Bolsa de Valores: o que fazer neste momento?

A máxima desses 7 anos tinha sido alta semanal do Ibovespa de apenas 7,7%, em outubro de 2011. Ou seja, graficamente estamos com alta probabilidade de termos feito fundo na nossa bolsa. Agora vamos ficar atentos a futuras oportunidades.

Programas recomendados:

Acompanhe diariamente o trabalho de análise técnica (gráficos) do Leandro Martins no Ponto a Ponto (clique aqui).

Acompanhe diariamente o trabalho de análise fundamentalista do Roberto Indech no call de fechamento (clique aqui).

Foto: Stuart Monk / Shutterstock.com

Roberto Indech e Leandro Martins
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários