Benchmark nos investimentos: a importância de compararConversando com o Ricardo e o Conrado esses dias, foi comentado que muitos investidores têm dúvidas sobre o que é benchmark e já tendo percebido que o assunto não é claro também nos e-mails que recebo de clientes, vou aproveitar e tratar do tema neste texto de hoje.

Benchmark é uma referência de mercado para que o investidor possa acompanhar o desempenho do seu investimento. Funciona como uma régua, a partir da qual se avalia se o resultado da aplicação está conforme o esperado.

Por exemplo, a maioria dos CDBs, LCIs, fundos de investimento renda fixa e multimercado têm o CDI como seu benchmark. A propósito, em se tratando de fundos de investimento, devemos lembrar que existem os de gestão ativa e os de gestão passiva.

No primeiro tipo, o objetivo do gestor é superar um determinado benchmark, isto é, render mais do que o indicador. Já no segundo caso, o objetivo é apenas seguir sua variação.

No Brasil, os benchmarks mais utilizados são o CDI e o Ibovespa. O CDI é o indicador que melhor representa o mercado de renda fixa, pois sua variação é muito próxima da Selic, a nossa taxa básica de juro.

Quando o investidor tem uma carteira de investimentos diversificada, o resultado geral obtido também deve ser comparado ao CDI, pois este é tido como o custo de oportunidade do investimento.

Já o Ibovespa é o mais representativo do mercado de renda variável, portanto frequentemente usado para avaliar o desempenho de ações e fundos de ações. Um bom fundo de ações sobe mais do que o Ibovespa.

Apesar da popularidade deste benchmark, muitos investidores profissionais preferem utilizar outros índices do mercado de ações como referência, como, por exemplo, o IBR-X e o IVBX. Há também fundos de ações que utilizam o IPCA como benchmark e buscam entregar um ganho real ao investidor – como IPCA + 4%, por exemplo.

O Ibovespa é muito criticado, pois apresenta problemas em sua metodologia, mas recentemente foi divulgada uma “reforma” que vai alterar a forma de cálculo do Ibovespa.

É importante colocar que o mercado financeiro engloba vários mercados, de diversos países. Assim sendo, há outros benchmarks além do CDI e do Ibovespa. Como exemplo, o mais representativo no mercado acionário americano é o S&P 500; no mercado japonês, o Nikkei 225.

No caso de investimentos em renda fixa fora do país, é comumente utilizado como referência os juros dos títulos americanos de 10 anos (UST 10Y). Nos mercados de moedas e commodities, as referências são os preços dos ativos.

O investidor que aplica em fundo cambial que compra dólares, por exemplo, deve comparar o resultado obtido pelo fundo com a variação do preço da moeda americana, lembrando que fundos cambiais também podem ser de gestão ativa ou passiva.

Por fim, o investidor não deve deixar de avaliar a performance de seus investimentos. Contudo, deve estar atento para utilizar o benchmark correto, lembrando que cada investimento tem um índice de referência correspondente e por isso devemos ter cuidado para não compararmos laranjas com bananas.

Importante também não esquecer que é mais correto avaliar a carteira como um todo e definir um benchmark para ela, pois assim evita-se mudar de investimento quando ocorrem variações de curto prazo. Investimento não é conta remunerada e só ganha quem tem horizontes de investimentos mais longos.

Consegui esclarecer todas as dúvidas sobre benchmark? Se não, envie uma mensagem para mim através do canal “Fale com a Sandra”, no site da Órama. Até a próxima.

Foto business chart, Shutterstock.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários