Por Gustavo Chierighini, fundador da Plataforma Brasil Editorial.

Caro leitor, começo o texto de hoje com um relato pessoal. Nesta semana, enquanto me preparava para o texto que iria escrever e me dando conta da escassez de ideias e de um certo bloqueio criativo, eis que sou salvo por uma singela parada na banca de jornal.

Lá, lendo desinteressadamente a capa de uma revista de negócios de grande circulação, me deparo com o rufar de tambores anunciando a mais recente modinha corporativa: “a empresa sem chefe”. Bingo, minha criatividade voltou na hora.

Como já afirmei em artigos anteriores, se há dois setores absolutamente sem limites na nossa vida produtiva cotidiana, estes são o governo (com a sua sanha arrecadatória e a sua tara por carimbos e confirmações cartoriais) e o setor corporativo (com suas invenções cosméticas em sua eterna busca pelo “Mundo de Alice”).

Fico aqui imaginando a cena. O jovem (ou velho) recém-contratado, adentrando no ambiente moderninho (de uma empresa que afirma gloriosamente não ter chefes) repleto de almofadas coloridas pelo chão e mesinhas de jogos. Ao redor, panfletos com afirmações politicamente corretas e fichas de adesão para trabalhos voluntários.

No primeiro encontro com um dos sócios (ah, que não é chefe de ninguém ali, deixemos bem claro), escuta dele “Eu não mando em ninguém aqui, sou apenas um amigo e mentor”, seguido de “a propósito, você tem duas semanas para largar esse visual careta e saiba que se não bater a meta do trimestre estará fora. Ah, não gostei muito dos seus últimos posts nas redes sociais, me pereceram muito reacionários, reveja seus conceitos”. Mas o ambiente é de absoluta liberdade – e sem chefes – é claro.

Estereótipos e ironias a parte (afinal de contas, estamos no campo das anedotas), o fato é que a piada anda saindo caro demais. Essa narrativa cosmética que tomou conta de grande parcela do ambiente de negócios, envergonhada em viver o capitalismo da forma como ele é, vem alienando gerações e gerações.

Falo de gente capaz, competente e bem formada, que acaba desperdiçando a energia e o empenho necessários para edificar e viver o mínimo de um capitalismo moderno. Pior, pouco a pouco a nossa comunidade produtiva vem sendo cada vez menos levada a sério, a não ser na hora da arrecadação de campanha, naturalmente. E quando falo do capitalismo, não estou afirmando que o dito cujo não necessite passar por ajustes e reformas.

A prova de como somos desconsiderados pode ser constatada nas propostas dos principais candidatos à disputa presidencial. Notem que nada ali aborda de forma concreta, crível ou convincente o universo produtivo das pequenas e médias empresas e nem mesmo das grandes (o alto empresariado anda bastante decepcionado com o que vem escutando).

Para exemplificar, nenhuma letra, além das platitudes de sempre sobre a massacrante burocracia que vivenciamos no dia-dia ou sobre a insegurança jurídica (sobre reformas na lei trabalhista então, nem pensar), três bastiões essenciais para a manutenção do nosso atraso microeconômico com reflexos diretos na conjuntura macroeconômica.

Contudo, ataques velados ou diretos não faltam, como no caso das críticas obsessivas ao agronegócio, sem o qual provavelmente nenhum “Pibinho” existiria.

É isso meu amigo, enquanto perdemos tempo com a estética corporativa, reforçamos o estigma de subservientes contentes que já paira sobre nossas cabeças, mantendo enjaulado o mitológico “espírito animal do empresariado”. E com isso deixamos de ser e de construir tudo aquilo que poderíamos.

E não há no mundo experiência de maior transformação social e proliferação de oportunidades do que aquela experimentada em uma dinâmica econômica arejada, livre, descomplicada, contudo ordenada por regras claras e rígidas, focadas nos resultados.

Essas conquistas não são fruto de ilusionismos infantis ou de modelos de negócio românticos, mas de uma classe produtiva exigente, incomodada, engajada e ativa. Toda essa reflexão surgiu porque alguém falou em “empresa sem chefe”, veja você. Qual será a próxima moda? Enquanto isso, trabalhemos. Muito. Até o próximo.

Foto “Business associates”, Shutterstock.

Plataforma Brasil
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários