dinheirama-post-black-fridayNessa semana o Procon-SP acrescentou mais três sites em sua “lista negra” de sites de comércio eletrônico e aumentou para 325 o número de sites não recomendados para compra na famosa sexta-feira de ofertas, ou “Black Friday”.

O órgão diz ter recebido reclamações sobre esses novos sites, que foram notificados e não responderam ou não foram encontrados. Assim, foi impossível “qualquer tentativa de intermediação entre as partes”, explicou o Procon-SP. Melhor evitar dores de cabeça, certo?

Entre as principais queixas estão a não entrega dos produtos adquiridos. “Esses fornecedores não são localizados […]no banco de dados de órgãos como Junta Comercial, Receita Federal e Registro BR, responsável pelo registro de domínios no Brasil. Por isso, antes de comprar, o consumidor deve buscar mais informações a respeito do fornecedor para não cair em armadilhas”, detalhou o Procon-SP.

O Procon-SP orienta os consumidores a:

  • Procurar no site a identificação da loja (Razão Social, CNPJ, telefone e outras formas de contato além do e-mail);
  • Optar por fornecedores recomendados por conhecidos;
  • Desconfiar de ofertas vantajosas demais;
  • Não comprar em lojas que só aceitem boleto bancário e/ou depósito em conta;
  • Imprimir todos os documentos referentes à transação (comprovante de pagamento, contrato, anúncios, etc.).

Depois de muitas reclamações em 2012, foram aplicadas punições a empresas que participaram da “Black Friday” (ou “Black Fraude” conforme apelido dado pelos internautas no ano passado). Agora, o comércio eletrônico e o varejo tradicional informam que vão adotar medidas para atender melhor e garantir descontos (reais) ao consumidor.

Os principais problemas verificados na edição passada foram as falsas promoções e a falta de estrutura para atender a demanda de pedidos (congestionamento de sites, compras não sinalizadas, mau atendimento e risco de vazamento de informações).

Parcerias foram firmadas neste ano com órgãos de defesa do consumidor, como o Procon-SP, com sites de reclamação, como o Reclame Aqui, e o site oficial do evento (blackfriday.com.br), do portal Busca Descontos, além da câmara que representa o comércio eletrônico.

Devem participar neste ano 120 lojas e a expectativa é atingir R$ 340 milhões em vendas, com 850 mil pedidos. Em 2012, foram 77 participantes, 500 mil pedidos e R$ 217 milhões faturados.

Renan Ferraciolli, assessor-chefe do Procon-SP, diz que o órgão vai reforçar o atendimento eletrônico em seu site, além do monitoramento de reclamações nas redes sociais. Sete empresas foram autuadas em 2012, e as multas estão em processo de discussão administrativa.

“Esperamos que, de fato, o comércio eletrônico tenha aprendido com os erros, porque a vigilância é grande”, disse Renan. Ele recomenda guardar informações com comparações de preços (antes e depois das promoções), além de checar as credenciais e informações disponíveis nos site e na compra. “Desconfie de quem se esconde”, ele reforça.

Uma das dicas que o Dinheirama sempre reforça é simples e eficiente: faça pesquisas no site ReclameAqui para saber o histórico da loja, como ela trata seus eventuais problemas com clientes e a quantidade de reclamações associadas ao seu nome. Além do mais, pesquise bastante o preço do produto desejado, pois pode-se economizar um bom dinheiro gastando minutos a mais na pesquisa de um item.

Você pretende aproveitar as ofertas da “Black Friday”? Já passou por algum problema comprando nas edições passadas? Compartilhe a sua experiência conosco no espaço de comentários abaixo. Até a próxima.

Fontes: Folha e Uol Tecnologia. Foto “Black Friday Collage”, Shutterstock.

Igor Oliveira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários