Janderson escreveu: “Olá Navarro! Obrigado pela agilidade na resposta anterior. Desta vez gostaria de saber qual a diferença entre as cotações do dólar. Poderia explicar melhor esse negócio de Dólar Comercial, Dólar Turismo e Dólar Paralelo? Fico um pouco confuso com isso. Que coisa maluca é essa? Desculpe se foi uma pergunta idiota. Muito obrigado e parabéns pelo Dinheirama, cada vez melhor e mais completo”.

Oi Janderson, obrigado pelas freqüentes visitas e pelas palavras de reconhecimento e apreço. Deixe de besteira, não existe pergunta idiota. Seu interesse pelo tema é interessante e tenho certeza de que muitos leitores também não conhecem bem a diferença entre cada cotação e o funcionamento do mercado de compra e venda de dólar. Sua dúvida veio em um excelente momento.

Dólar Comercial
De uma forma simples, este é o valor de mercado usado para transações de comércio exterior e movimentações (entrada e saída) de recursos realizadas por empresas de exportação e(ou) importação. Quando o governo realiza movimentações financeiras no exterior, a cotação usada também remete ao Dólar Comercial. Ah, e se você é um brasileiro que mora no exterior e toma empréstimos registrados no Banco Central, a conversão de moeda também passa por este modelo de precificação.

As cotações para o Dólar Comercial são registradas e disponibilizadas pelo Sisbacen. A taxa de conversão (R$ por US$) é definida segundo a demanda e a oferta da moeda no mercado. De vez em quando o Banco Central compra ou vende dólar para estabilizar ou manipular o preço da moeda. Mas essa é uma discussão calorosa que vou deixar para uma outra hora.

Dólar Turismo
Essa é a cotação usada para emissão de passagens, transações de turismo no exterior e débitos em moeda estrangeira ocorridos no cartão de crédito. Algumas pessoas chamam o Dólar Turismo de câmbio flutuante. Nossa legislação não permite a utilização de moeda como forma de poupança. Mas como não há limite para transações com o Dólar Turismo, muitas pessoas e instituições acabam usando-o para o pagamento de serviços, mesmo no Brasil. Os valores para a conversão também estão disponíveis via Sisbacen.

Dólar Paralelo
É o dólar que circula fora dos meios oficiais. Como o próprio nome diz, ele normalmente é utilizado por quem quer realizar transações ilícitas ou fora da supervisão do Banco Central. Os exemplos são vários: lavagem de dinheiro, sonegação, tráfico etc. Aqui entram em cena os famosos doleiros. Este mercado existe pois há muita gente incapacitada de operar no mercado tradicional (por problemas na justiça, falta de registro etc) que, ainda assim, movimentam consideráveis quantias de dinheiro.

Comprando e vendendo
Tudo é muito simples. Independente do dólar que escolher, o preço a ser pago para comprá-lo do mercado será mais alto que aquele valor oferecido pelo mercado para comprá-lo de você. Confuso? Se você fosse a instituição que vende o dólar, venderia mais caro que o valor pago para comprá-lo, certo? É o spread. É assim que funciona. Então se for vender, procure as maiores taxas possíveis (venda caro). Se for comprar, procure as menores (compre barato).

Atualizado em 08/07: acabei não deixando claro um detalhe básico. Os preços de compra que você vê no BC e nas cotações do Dólar Comercial são para as instituições. O valor de compra é a média paga pelos bancos e outras instituições para comprar o dólar. O preço que você e eu pagamos é o preço de venda destes quadros de cotação. Em resumo, compramos pelo preço de venda e vendemos pelo preço de compra. Você tem que olhar as tabelas de conversão como se fosse o banco.

Foto “Dollar exchange”, Shutterstock.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários