Contas a pagar!David escreveu: “Navarro, a situação aqui está crítica. Antes de enviar esse e-mail tomei por atitude levantar o quanto eu realmente devo e cheguei à uma conclusão assustadora: devo praticamente metade da minha renda mensal. Não disse que a coisa era feia? E agora? Estou desesperado e não sei o que fazer. Resolvi falar porque tenho certeza de que muitos brasileiros passam por fase semelhante e não têm coragem de se expôr. Coragem é o primeiro passo, aprendi com você. Devo e não nego, mas só a coragem não basta para pagar os muitos boletos e contas que recebo. Socorro”.

David, deixe-me respirar um pouco. Meu, como foi que você deixou a situação ficar assim tão crítica? Você tem razão, muitos brasileiros vivem esse drama, mas poucos têm sua coragem. O primeiro passo realmente está dado, agora vamos entender o que deve ser levado em consideração para que possa sair dessa o mais rápido possível. Com tamanha renda comprometida, a saída será reavaliar seu estilo de vida e alinhar seu padrão de gastos/receitas à realidade que o cerca. Está preparado para isso?

Definindo prioridades
O mais importante ao decidir atacar seus débitos é aprender a priorizar. Tomar atitudes inteligentes pode ser a diferença entre pagar mais ou menos juros. E você quer pagar nenhum ou pouco juro, certo? Suponho que, a esta altura, você tenha problemas com o cheque especial e muitas dívidas no cartão de crédito. Isso acontece com 70% das pessoas em situação semelhante. Vejamos o que se pode fazer:

  • Cheque especial: você precisa eliminá-lo. Hoje, agora. Tendo renda comprovada, sugiro que faça um empréstimo consignado e use o dinheiro para para quitar toda a dívida do cheque especial. Fazendo isso, você passará a dever juros cinco vezes menores que os do cheque especial. Pois é, de especial ele não tem nada.
  • Cartão de crédito: O mesmo raciocínio acima vale para dívidas enroladas no cartão. Mas pagar a dívida atual e continuar fazendo uso do cartão pode ser perigoso. Recomendo que aposente imediatamente seu cartão de crédito e passe a comprar usando apenas dinheiro vivo. Pague sua dívida e faça o exercício por pelo menos 6 meses. O maior problema do cartão não é a falta de informação, mas a distorcida imagem de seu objetivo. Se você não sabe usá-lo, será usado por ele, podendo inclusive adoecer.

Estas devem ser suas prioridades imediatas. Resolvidos os problemas acima, perceberá que sua situação sofrerá significativas melhoras. Agora é hora de mexer no que você gosta, no seu jeito de ser e estar, no seu dia-a-dia. É hora de “operar” o ego. Dói, chateia e no começo é frustrante. Mas a satisfação depois da “cirurgia” não tem preço, se me permite a metáfora (sem graça) alimentada por um slogan de uma bandeira de cartão de crédito.

O carro, a TV a cabo, a Playboy…
Pare com tudo isso. Você deve e precisa entender que dever e prazer não combinam. Quando se trata de dinheiro então, forget it! É hora de reavaliar seu estilo de vida. Cancele a TV por assinatura e contente-se com a programação aberta (cá entre nós, é melhor ficar longe da TV). Assinaturas de revistas e jornais? Cancele tudo. Sim, estou falando de uma medida drástica. Some quanto gasta com isso no ano e vai me dar toda a razão.

Você pode estar confuso, pensando que o carro deveria ser uma das prioridades listadas lá no começo do artigo. Nem sempre. Se você está em uma situação realmente complicada, com mais de 50% da renda comprometida, venda-o. Fora isso, evite usá-lo desnecessariamente ou troque-o por outro modelo mais simples e barato. Fuja de financiamento, especialmente daqueles ditos mágicos. O combustível está caro e a manutenção também.

Se a coisa ainda estiver pior…
Se tudo isso que eu falei fizer pouca diferença, passe a considerar um novo lugar para morar, bem mais barato que o atual, venda o carro, cancele o curso de inglês, pare de fazer academia. Mas faça tudo isso de cabeça erguida, com a mesma auto-estima que o trouxe até o fundo do poço. Difícil né?

Não se iluda ou pense que isso é castigo. Não se esconda nas desculpas e não pense que alguém vá aparecer com uma corda para puxá-lo. Acredite, para a maioria das pessoas você vale mais ai embaixo. Pesada a frase, eu sei. Quisera eu estar mentindo.

Atenção
São dicas bastante óbvias certo? Certo. Muitas vezes a(o) esposa(o) ou a família as fazem de forma insistente, mas você teima em não ouvi-los. Aprenda a falar mais sobre dinheiro, faz bem. Passe a prestar mais atenção ao que você vem ouvindo e(ou) fazendo. Lembre-se de que foram as coisas que você quis ouvir (ou deixou de ouvir) que o colocaram nessa situação. Você tem razão David, só a coragem não faz o dinheiro aparecer. Que tal começar a agir?

Foto: “Empty wallet”, Shutterstock.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários