Seu dinheiro - Sua responsabilidadeRicardo comenta: “Navarro, recentemente passei por um probleminha. Tive um cheque devolvido por duas vezes. A empresa e o banco ficam me ligando e não sei ao certo como fazer para ajeitar minha situação. Pode me ajudar? Passei por um problema semelhante há alguns meses, uma dívida vencida, mas que foi mais fácil de resolver pois recebi uma carta com os contatos da empresa. É sempre assim ou, ainda que devendo, dei sorte de receber um comunicado? Estou melhorando minha vida financeira através das leituras diárias do Dinheirama, vou sair dessa, pode acreditar”.

Ricardo, obrigado pela visita. Tenho certeza de que vai sair dessa e espero poder receber seu novo testemunho depois que todas as contas estiverem pagas e sua vida financeira, confortável. Sua situação não é única e o momento no Brasil merece atenção. O Indicador Serasa de Inadimplência Pessoa Física teve queda de 1,1% no primeiro semestre deste ano, se comparado ao mesmo período do ano passado. A inadimplência vem caindo, é fato, mas são muitas as pessoas que ainda devem.

A consulta de crédito
Recentemente, um amigo foi negociar um carro e uma das exigências ao tratar da negociação de crédito foi a consulta ao SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Imagino que todos já devam ter passado por isso. Roseli Garcia, superintendente de Marketing de Produtos e Serviços da ACSP (Associação Comercial de São Paulo) comentou a prática em recente reportagem do jornal Estado de S. Paulo:

“Um registro de carnê em atraso ou cheque sem fundo é fator seletivo, porque é indicação de que a pessoa deve e não pôde pagar e de que a possibilidade de não vir a honrar a nova dívida que quer contrair é alta também”

É assim! Ninguém empresta dinheiro sem saber se você pode pagá-lo de volta. Você faria diferente?

O cheque voltou duas vezes?
Está ai uma situação desagradável, não é mesmo? Acontece. Sabendo da importância de manter limpo seu nome e sua credibilidade em dia junto ao comércio e aos bancos, veja o que você precisa fazer:

  • Procure a agência bancária que registrou a ocorrência e peça pelas informações do caso (número do cheque, valor e data);
  • Procure a pessoa ou loja para quem deu o cheque, pague o que deve e recupere o cheque;
  • Com o cheque em mãos, vá ao seu banco e converse com o responsável, solicitando-lhe que o ajude na confecção de uma carta de regularização. Anexe o cheque original, pague as taxas cobradas e peça ao banco que encaminhe o protocolo ao Banco do Brasil, responsável pela atualização do arquivo do CCF (Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundos).

A dívida venceu?
Quando não há protesto do título em cartório, a coisa fica mais fácil. Você certamente receberá uma notificação da empresa, via correio, bastando apenas seguir as instruções da carta.

O título foi protestado?
Isso significa que seu débito agora está registrado em cartório. Você precisa ir até esse cartório onde o protesto foi solicitado e obter mais informações sobre o responsável pelo registro. Então, entre em contato com a pessoa/empresa e acerte o débito. Para cancelar o protesto você precisa de uma carta, com firma reconhecida do credor, atestando que a dívida foi paga corretamente.

Outras dicas
A ACSP (Associação Comercial de São Paulo) disponibiliza um guia para sair do vermelho e limpar seu nome. Leia, mesmo que você não tenha problemas financeiros, é uma cartilha e tanto. Além disso, o Serasa apresenta uma página com dicas mais aprofundadas sobre como limpar seu nome. O telefone da central de atendimento do Serasa é (11) 3373-7272.

Crédito da foto para Marcio Eugenio.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários