Dinheirama - Finanças PessoaisVimos as taxas de juros para as pessoas físicas subirem, na média, de 43,9% em dezembro de 2007 para 48,8% em janeiro deste ano. A pergunta que se faz é: quem são os vilões?

Vamos começar com quem todo mundo coloca a culpa quando se fala de juros bancários: os bancos. Sim, eles têm sua dose de culpa na subida. Mas é uma dose justificável, porque há uma boa “janela de oportunidades” (traduzindo: a hora é boa) de ganhar um dinheirinho a mais e jogar a responsabilidade nas costas dos outros. Eles podem começar colocando a culpa no segundo na lista que é o Governo.

Agora, por que eles têm culpa? Dentre outras razões, porque a estrutura de negócios é pouco competitiva. Os consumidores desconhecem os produtos bancários e o significado econômico dos juros (eles sabem que o bicho é feio, e só). Desse modo, vamos dar uma subidinha porque ninguém, como diz um amigo meu, vai perder a oportunidade de faturar um dinheiro[bb] a mais sem muito esforço.

O segundo culpado é sim o Governo, que mais que dobrou o IOF, fazendo com que fosse agregado pelo menos mais 1,88% na taxa anual (ué, mas não subiu quase 5%?). Sobre ele fico por aqui.

Os bancos americanos também tiveram seu naco nesta alta. Primeiro, porque geraram uma instabilidade louca no mercado do mundo todo (o tal do globalizado) e fizeram com que o caminho das taxas de juros para o futuro ficasse indefinido. Com esta indefinição, o risco de emprestar por um período mais longo com uma taxa fixa aumenta e, para se garantir, o banco local tasca uns jurinhos a mais (farinha pouca, meu pirão primeiro).

O segundo efeito foi o seguinte: como a crise afetou a capacidade dos bancos de emprestar dinheiro (é mais ou menos assim: cada 1 dólar de prejuízo, são 10 dólares a menos que o banco pode emprestar), reduziu a concorrência que os bancos estrangeiros poderiam fazer aqui no Brasil (eis que surgem os primeiros culpados de novo em ação).

Vamos dizer que o quarto que vou citar, não é bem um culpado, mas um “incrementador” da transparência. É o seguinte: as operações de crédito que os bancos fazem para as pessoas físicas são sempre recheadas de tarifas bancárias (TAC, cadastro, etc.) e a nova regulamentação da cobrança destas tarifas está acabando com os artifícios de ganhar dinheiro[bb] com o desvio da atenção e colocando as receitas das operações de crédito nos devidos lugares.

Receitas de operação de crédito devem se dar pela taxa de juros, que deve ser comparável e não pelas tarifas, que “embananariam” qualquer comparação (a menos que nosso consumidor fosse um expert em cálculo de taxa interna de retorno).

Por fim, vem o quinto vilão que é ele, o próprio consumidor. Só neste mês de janeiro os empréstimos para as pessoas físicas cresceram em seis bilhões de reais. E daí? Daí que aumento na demanda tende a significar aumento no preço. Para ter uma idéia, esse montante é quase a metade do que as Casas Bahia venderam no ano passado inteiro. Muito desse empréstimo destina-se a cobrir as despesas que, apesar de defrontar-se com elas todos os anos, o quinto vilão não planejou a forma de tratá-las.

Como sobrou culpa para todo mundo, deixa a conta para o último da lista.

——-
Humberto Veiga é doutor em economia pela Universidade de Brasília. Autor do livro “O que as mulheres querem saber sobre Finanças Pessoais”, iniciou sua carreira no mercado financeiro em 1989 e ministra palestras e treinamentos aqui e no exterior. Beto mantém um blog onde publica comentários sobre o sistema financeiro e o universo das finanças pessoais: http://www.betoveiga.com/

Crédito da foto para Marcio Eugenio.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários