Dinheirama - Planejamento Financeiro e OrçamentoDe acordo com o IBGE, a partir de 2006 a expectativa de vida do brasileiro ao nascer aumentou cerca de 32% em relação à década de 60, chegando a 72,3 anos. Pois é, o brasileiro está vivendo mais, muito mais. Ótimo por um lado, perigoso por outro. Calma, posso explicar.

Se a expectativa de vida aumenta ano após ano, a chance de manter um padrão digno de vida e sobrevivência, apenas com a previdência social, diminui na mesma proporção. Vivendo mais, as pessoas acabam participando de um grave problema no chamado mundo econômico-social real do país: o famoso déficit na previdência.

Déficit da Previdência
Você, provavelmente, já ouviu falar nesse termo, certo? No entanto, poucos são os veículos e profissionais que costumam mencionar os principais motivos que alimentam o problema. Esse é, sem dúvidas, um dos principais problemas econômicos[bb] e sociais que, mais cedo ou mais tarde, teremos que enfrentar. Basicamente, o problema se resume na questão da longevidade da população e a grande quantidade de indivíduos na economia informal.

No Brasil, a contribuição à Previdência Social é feita pelos trabalhadores ativos. Isto é, as pessoas que ainda trabalham na formalidade contribuem para cobrir os gastos com os pagamentos de benefícios dos aposentados. Esse sistema de custeio é conhecido como repartição simples, sendo utilizado também em países como Estados Unidos, França, Alemanha e Espanha.

Ao longo dos anos, no entanto, a massa de contribuintes ativos, aqueles que bancam o sistema de previdência, sofreu uma queda drástica. Somando esse fato ao maior tempo de vida dos aposentados, o ponto de estrangulamento do sistema fica mais óbvio:

Quadro da Aposentadoria - Contribuintes no Brasil

Os números são claros. Podemos afirmar, em uma análise simplista, que existe um empate entre trabalhadores ativos (que mantém o sistema) e aposentados. Sem entrar na questão matemático-econômica da questão, já é possível perceber que o sistema não será capaz de sustentar-se dessa forma.

E agora? O que fazer?
A receita parece simples: aumentar a receita, a arrecadação da Previdência e diminuir certos benefícios e facilidades dos aposentados. Simples não é sinônimo de fácil, principalmente quando temos componentes financeiros e humanos envolvidos.  Fábio Giambiagi, economista de grande prestígio, lançou um livro chamado “Reforma da Previdência: o Encontro Marcado”, onde defende mudanças até mais profundas e urgentes.

No entanto, há também há uma enorme corrente, apoiada nos direitos garantidos pela Constituição e nos direitos adquiridos pelos trabalhadores, que é contra as mudanças na Previdência. De uma forma ou outra, o governo terá que enfrentar o problema, trazendo mais participantes para o sistema (incentivando o trabalho formal) ou aumentando a contribuição daqueles que já participam de alguma forma, inclusive exigindo a participação dos já inativos.

Atualmente, o brasileiro precisa ter no mínimo 51,5 anos para se aposentar. Nos Estados Unidos, a idade mínima é de 67,5 anos. Por aqui, os números e a expectativa de vida não me deixam mentir, as pessoas tem aposentado cedo, permanecendo como beneficiários por muito tempo. Certo ou errado, a saída parece estar na conscientização e educação financeira[bb] das novas gerações.

Programe seu futuro
O artigo visa apenas dimensionar, de uma maneira bem objetiva, o tamanho do problema. O colapso no sistema, ao que tudo indica, é uma questão de tempo. Pouco tempo.

Quero chamar sua atenção e tentar fazer com que pense no assunto. Hoje existem muitas oportunidades de investimentos que, levadas a sério, podem suprir a necessidade e bater os benefícios oferecidos pelo INSS. Isso significa, dentre outras coisas, que você precisa assumir que sua aposentadoria é problema seu, não do governo ou do país.

Quanto mais rápido você acreditar que disciplina financeira, aliada a um bom tempo de investimento, pode fazer a diferença, menor será seu esforço para garantir sua segurança financeira no futuro.

O Navarro, no artigo “A Aposentadoria no Brasil”, citou um estudo, realizado por diversos consultores e especialistas, que afirma que, para ter 70% do seu salário na aposentadoria, você precisará:

  • Poupar, por mês, 10% de sua renda, se começar a investir aos 30 anos;
  • Poupar, por mês, 20% de sua renda, se começar a investir aos 40 anos;
  • Poupar, por mês, 50% de sua renda, se começar a investir aos 50 anos;
  • Poupar, por mês, 85% de sua renda, se começar a investir aos 55 anos.

Os números impressionam. Tanto pela facilidade de garantir o futuro, quando se começa cedo, quanto pela dificuldade quando procrastinamos e demoramos a começar. A mentalidade de poupar e investir[bb] é algo que devemos valorizar e praticar. Sempre.

Lidar com o futuro, garantindo uma “melhor idade” feliz e produtiva, é obrigação de todos nós. Será que você já faz sua parte? Pense na melhor maneira de construir sua aposentadoria e até sexta-feira.

——
Ricardo Pereira é Analista Financeiro Sênior da ABET Corretora de Seguros, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para Marcio Eugenio.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários