CDB - Boa alternativa de investimento para 2008Renato comenta: “Navarro, andei pesquisando algumas alternativas de investimento em renda fixa e encontrei boas rentabilidades em alguns títulos privados de bancos (CDBs). A hora é boa para investir nesse tipo de produto? Alguns gerentes já me assediaram e confesso estar inclinado a entrar nessa, especialmente por alguns oferecem ganhos que vão além do CDI. O que me diz? Obrigado.”

Renato, fico muito satisfeito quando percebo que muitos de nossos leitores estão atentos e de olho nas alternativas de investimento[bb]. O Certificados de Depósito Bancário (CDB), título emitido pelos bancos com a intenção de captar dinheiro, está mesmo em evidência. O ano de 2008, contabilizados os primeiros quatro meses, já mostra captação de mais de R$ 65 bilhões a partir de CDBs, valor mais de duas vezes maior que toda a captação do ano passado.

O valor de 2008 também já é maior que o antigo recorde – de R$ 56,2 bilhões – ocorrido em 2005. Quer mais números? Segundo dados do Banco Central, março deste ano foi responsável por R$ 19 bilhões de captação. Abril contabiliza mais de R$ 22 bilhões e o mês ainda nem acabou. Investidores de todos os “cacifes” estão atrás de rentabilidades que vão de 105% a 112% do CDI, o que representa rentabilidade anual de 12% a 13% (antes do imposto).

Por que a oferta dos CDBs está tão interessante?
A alta dos juros (Selic) e a dificuldade dos bancos em captar dinheiro barato no exterior (reflexos da crise do Subprime iniciada nos Estados Unidos) são dois dos principais fatores para as rentabilidades mais altas encontradas nestes produtos. Existem ainda alguns aspectos técnicos mais complexos, impostos pelo governo, como o acordo Basiléia II, que elevam o capital necessário para operação dos bancos.

Assim, diante de bancos precisando captar, a forte concorrência oferece boas alternativas, com retornos mais altos também nos grandes bancos. Recente reportagem do jornal Valor Econômico alerta para as boas opções nos bancos nacionais, cujas rentabilidades chegam próximas de 100% do CDI com valores de até R$ 10 mil. Antes, tais produtos ofereciam no máximo de 85% a 90% do CDI.

Para retornos maiores (mais de 100% do CDI), as opções são os investimentos de altas somas (casa dos milhões), as aplicações com carência – onde o dinheiro[bb] deve permanecer investido por um tempo mínimo determinado – ou os bancos de médio porte, que chegam a pagar de 3 a 4 pontos percentuais mais que seus rivais maiores. Vale lembrar que os bancos, independentemente do seu tamanho, não cobram taxa de administração na venda dos titulos (CDB).

Existem efeitos colaterais? Que cuidados devemos tomar?
A preocupação do investidor deve voltar-se para as alíquotas de Imposto de Renda e para a inflação, de modo a sempre garantir retorno real ao longo do tempo. Além disso, parece que a alta na captação e nos retornos dos CDBs terão validade curta. Parece.

Alguns especialistas afirmarm que, caso a economia internacional se recupere de forma consistente no segundo semestre, novas operações agressivas de captação internacional, especialmente dos grandes bancos, voltarão a acontecer, diminuindo os retornos dos títulos emitidos por aqui. Aliás, não se assuste se o seu banco não oferecer CDB com taxas tão interessantes. O jornal Valor alerta que:

“Com o custo do dinheiro mais alto, muitas instituições estão optando por deixar de captar. É o caso de alguns bancos que lançaram ações no ano passado. Uma parte desse dinheiro, evidentemente, já foi utilizada, mas muitos também vinham captando o suficiente para se manter”

Validade curta? Será?
A explosão do crédito ocorrida no Brasil nos últimos anos traz aos bancos o enorme desafio de aumentar seu capital. Para emprestar, é preciso antes captar. Dessa forma, a emissão de títulos (CDB) passa a cumprir essencial função, trazendo ao banco dinheiro dentro de suas divisas. Sob essa ótica, sempre observando a expectativa de alta nos juros e crendo no ritmo acelerado de consumo e crédito, pode ser possível observar o CDB como boa opção durante todo o ano.

A lição importante é: corra atrás de boas alternativas de investimento[bb] e mantenha-se sempre atualizado em relação às taxas de retorno, impostos e particularidades de cada uma delas. Eu já corri ao banco e negociei junto ao gerente uma boa taxa em um CDB. E você?

Crédito da foto para Marcio Eugenio.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários