Importância do Planejamento FuturoEm recente conversa com um conhecido, surgiu uma insossa discussão acerca do cheque especial. Ouvi, no calor de debate, que cheque especial e cartão de crédito não são como um empréstimo “normal”. Normal, como assim normal? Empréstimo significa pegar dinheiro dos outros e devolver com juros, certo? Quanto mais fácil o dinheiro[bb] chega, mais caro fica o prêmio. Simples assim.

O coro ganhou força e a conversa finalmente terminou em algo que deveria ser óbvio e, por isso, totalmente evitado: a facilidade oferecida pelo cheque especial ou pelo rotativo do cartão de crédito é o grande “diferencial” dessas modalidades, o que torna tais alternativas caríssimas. Até aqui, nenhuma novidade.

Advinhe qual é o primeiro recurso usado pelos endividados? Pois é, um dos mais caros, o cheque especial. Ora, dinheiro do cheque especial é empréstimo sim senhor. Mais, usar crédito fácil implica disposição (mais dinheiro ainda) para pagar caro pela “facilidade”. Admira que para uma parcela da população a coisa se transforme em uma bola de neve e termine quase sempre em enorme desespero?

Confesso estar me sentindo, mais uma vez, repetitivo. Mas o alerta é importante e algumas estatísticas comprovam que minha chatice e insistência ainda são necessárias. Antes dos números, a regrinha básica do uso consciente do crédito: dinheiro fácil é dinheiro caro. No final das contas, dinheiro caro custa muito mais do que só a dívida financeira[bb]. Quem vive a realidade de pessoas endividadas sabe do que estou falando.

Que tal alguns fatos recentes?
O financiamento caro (leia-se cheque especial e cartão de crédito) está com tendência de alta, conforme registra matéria recente do jornal Valor Econômico:

  • O saldo do cheque especial subiu 20% nos primeiros cinco meses do ano, chegando a R$ 15,6 bilhões;
  • No mesmo período, o uso do rotativo do cartão de crédito cresce a uma taxa de R$ 16%, para R$ 19,9 bilhões.

Como fica a inadimplência?
Os atrasos para pessoas físicas passaram de 7% em dezembro, para 7,3% em maio. No cheque especial, houve queda de 10,6% para 8,9% no período. Será que a queda representa mudança de consciência nos brasileiros? Tomara que sim. São boas notícias, sem dúvida, mas que tal falarmos do cartão de crédito? Nossa, a inadimplência no rotativo se aproxima dos 25%. É muita gente devendo!

Fuja do dinheiro fácil!
As dicas para evitar as armadilhas do crédito caro são simples, como você já deve imaginar. Aliás, a grande maioria delas (todas) você já conhece. Que tal colocá-las em prática ou fazê-las chegar a quem precisa de uma mão amiga?

1. Evite os estabelecimentos com fachadas muito coloridas e insinuantes, que normalmente trazem cartazes ou anúncios do tipo “Dinheiro fácil, entre aqui”. Este tipo de dinheiro é tão perigoso (leia-se caro) quanto o cheque especial e o rotativo do cartão de crédito. Costumo dizer que o templo do dinheiro não são os bancos ou financeiras, mas o trabalho e a disciplina;

2. Investigue alternativas mais baratas de crédito e use-as para cobrir eventuais dívidas muito caras que estejam em andamento. Se você deve no cartão, então paga cerca de 10% ao mês de juros. Não sabia? Ora, busque um empréstimo tipo CDC, por exemplo, e troque a dívida muito cara por outra mais barata. Evite ao máximo usar o limite do cheque especial;

3. Ah, sim, prefira poupar e comprar à vista. A dica clássica, mas essencial. Dê um tempo para o consumismo e para as expectativas da sociedade. Pense mais em você e em seu futuro financeiro, coisa que a sociedade, seja lá o que ela represente, não faz – e não fará – por você.

Consumo consciente significa mais do que apenas comprar o necessário. Significa comprar o necessário em condições comerciais favoráveis, inteligentes para o seu bolso e que não prejudiquem seu fluxo de caixa futuro e seus investimentos[bb]. Você pode!

bb_shop = “submarinoid”;
bb_aff = “247523”;
bb_name = “fixedlist”;
bb_keywords = “gustavo cerbasi,investir,dinheiro,Bolsa de Valores”;
bb_width = “500px”;
bb_limit = “5”;

Crédito da foto para stock.xchng

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários