Por que não consigo ficar rico?A pergunta é dramática, mas não há quem não acorde pensando nela, certo? Todos gostaríamos que alguém aparecesse com um bom discurso capaz de nos explicar o que fazemos de errado, onde costumamos errar e porque não alcançamos a riqueza plena, o milhão, ou o que seja. Na verdade, somos tolos. Preferimos que alguém apresente a solução, quando já sabemos onde estão os problemas e quem é o único responsável por seu surgimento.

Livros, artigos, teses, pesquisas e textos estão por todo lado, repletos de excelentes dicas, testemunhos e instruções para facilitar o planejamento financeiro das pessoas. Quem quer ler tudo isso, com atenção, dedicar parte de seu tempo para aplicar os conceitos, discuti-los com a família e compartilhá-los? Quem quer se sentar com calma para fazer uma planilha de orçamento[bb], comparar tarifas bancárias ou estudar uma nova modalidade de investimento?

Eu quero! Eu faço tudo isso! Meus objetivos financeiros estão se concretizando e, com eles, muitos outros sonhos poderão se realizar sem comprometer meu futuro. Enquanto isso, vejo amigos torrando suas economias em um novo carro, em viagens demais, em bebidas e produtos eletrônicos. Para eles, sou “certinho”, sou sovina. Mas, no fundo, também sou um exemplo. Então, pergunto, como nos vemos diante do próprio dinheiro?

Os erros e desafios
Algumas atitudes (ou a falta delas) são as causas para os erros mais comuns cometidos por aqueles que buscam sua independência financeira[bb]: preguiça, comodidade e hipocrisia. Pode soar um pouco intenso demais, mas alguns erros demonstram como e porque somos tão responsáveis pelas nossas riquezas, como somos também pela nossa pobreza.

Erro 1: Ser ganancioso
Quem começa querendo bater o mercado é, invariavelmente, massacrado por ele. Não é uma afirmação minha ou de alguns poucos especialistas, é a realidade nada cruel da vida financeira. É real, é a vida como ela é, é o choque de realidade vivido por quem acha que sabe como chegar lá sem humildade. Ah, sim, ter dinheiro requer muita humildade.

A cautela, caracterizada pela condução consciente dos investimentos[bb] e pela paciência, é tão importante quanto o grau de aversão ao risco de cada investidor. Cuidado com a vontade de ganhar sempre. Aprender a perder de vez em quando garante que você também aprenda a valorizar cada pequena vitória.

Erro 2: Não lidar bem com a opinião dos outros
São dois os problemas relacionados com a opinião das pessoas próximas e daqueles desconhecidos que resolvem escrever exatamente sobre o tema que queremos compreender melhor:

  1. Não ouvir o que os outros dizem. Achar que sabe tudo e que, por conta própria, é capaz de tomar sempre as melhores decisões é um defeito comumente encontrado naqueles que não sabem gerir suas finanças. A decisão é sempre sua, nossa, mas os subsídios devem surgir de experiências, da leitura e do relacionamento com as pessoas.
  2. Confiar em tudo que ouve e lê. O extremo do item mencionado anteriormente também é perigoso. É preciso que, a partir do conhecimento, nasça opinião e ponto de vista. Ler, conversar e informar-se através de periódicos especializados só são atitudes válidas quando aprendemos a equilibrar a opinião dos outros, os fatos do mercado e nossas próprias crenças e objetivos. Portanto, equilíbrio é a palavra de ordem.

Erro 3: Demora na aquisição de conhecimento e prática em investimentos
Falta tempo! Ah, o tempo. Engraçado como não temos tempo para coisas importantes, como o dinheiro, mas temos tempo para viagens fora de propósito, chope com os amigos que aparecem de última hora e para assistir a novelas e filmes no cinema. Não, não estou pedindo que você deixe de fazer nada disso, só não quero ouvir a desculpa da falta de tempo.

Será que é possível se divertir e ao mesmo tempo separar algum tempo para estudar as alternativas de investimento e dedicar alguns dias às regras que podem fazer de suas aplicações um verdadeiro plano financeiro[bb] para o futuro? Tem que ser possível. Não adie mais a decisão de ler uma revista especializada e procurar informações sobre aquele investimento que você ouviu falar.

Erro 4: Não dedicar tempo suficiente para as finanças da casa
Tempo? De novo? Se você não cuidar do seu dinheiro e da capacidade de criar um futuro melhor para você e sua família, quem o fará? Não, eu não. Pois é, todos concordam que são responsáveis pelas dívidas e problemas financeiros que têm, mas poucos se mexem. Quer saber? Não é falta de tempo, é preguiça! Que tal arregaçar as mangas, convidar a família e detalhar o orçamento doméstico e os objetivos financeiros para o futuro? Não, amanhã não! Agora!

Erro 5: Confiar e agir de acordo com o senso comum, sem questioná-lo
Efeito manada, conhece? O problema não é apenas seguir milhões de investidores ou amigos neste ou naquele negócio, mas desconhecer completamente os riscos e fatores de sucesso ligados à decisão. Pode ser bom, pode ser ruim, mas você sabe por que? Você conhece as características do investimento[bb] ou aplicação em que a “galera” está embarcando? Se algo der errado, você é capaz de explicar as razões para o fracasso?

Use a informação fornecida pela massa como mais uma variável de sua estratégia e coloque-a à prova diante de suas expectativas e atuais objetivos. Por exemplo, pergunte-se sempre:

  • A alternativa tão falada melhoraria minha carteira de investimentos? Em que? Por que?
  • Eu estou disposto a conhecê-la profundamente e investigar casos de sucesso e fracasso a ela relacionados?
  • Que riscos estarei correndo? Vale a pena?

O artigo de hoje ficou um pouco longo, mas seus objetivos permanecem simples e claros: informar-se melhor é parte do crescimento enquanto investidor; aprender a tomar conta do futuro é tarefa essencial de quem pretende enriquecer; e dinheiro é assunto sério, que exige cuidado, disciplina e muita dedicação. Alguém duvida que estes ingredientes fazem diferença? Na dúvida, decidi reforçar.

bb_bid = “74”;
bb_lang = “pt-BR”;
bb_name = “fixedlist”;
bb_keywords = “cerbasi,ficar rico,pai rico,bolsa de valores,investir dinheiro”;
bb_width = “500px”;
bb_limit = “5”;

Crédito da foto para stock.xchng.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários