A compra do carro e as desculpas esfarrapadasHoje vamos falar de um assunto que causa bastante polêmica entre as famílias brasileiras, especialmente aquelas dominadas por pessoas com certo imediatismo e que adoram aproveitar sua “liberdade” financeira para participar do consumismo presente no dia-a-dia do país: será que um segundo carro, ou a troca imediata de um novo por outro modelo, são atitudes inteligentes? Isso pode ser considerado investimento[bb]?

Tratar da compra de um automóvel é assunto que sempre me traz muitos problemas. Por que? Ora, a matemática aplicada aos recursos disponíveis pelas famílias comprova, em muitos casos, que a compra do carro não é uma atitude saudável. Em alguns casos, tal gasto não é sequer necessário. Mal termino de demonstrar os efeitos da compra e os ruídos começam.

A fala ensaiada “Mas o crédito hoje em dia facilita a compra do carro. Afinal, agora podemos parcelar usando juros mais baixos e através de prestações também mais em conta” é uma das preferidas dos jovens loucos para ter um carro. O apelo “Usar o transporte público e andar de bicicleta são atos que envergonham meus filhos e acho que as prestações cabem em nosso orçamento” também é comum. Certo, mas o que fazer? Como encarar a situação?

É possível deixar as emoções de lado?
Sofro muito mais com o aspecto emocional, com a repercussão e expectativa, que com as contas e cálculos financeiros. Você, ser humano como eu, vive do mesmo jeito. Assim, é sempre muito fácil refutar as hipóteses e modelos de orçamento propostos por aqueles que optam por adiar a realização de um sonho. É fácil falar que poupar é bom, especialmente quando não vivemos na pele o desejo de consumir.

Então isso significa que quaisquer provas matemáticas que usarmos para ilustrar a potencial evolução patrimonial existente nas famílias que aceitam deixar de lado o consumismo serão meramente um exercício? Tomara que não. Aliás, ainda bem que não. A discussão sobre a aquisição ou não do carro atingiu em cheio o leitor Valdemar Engroff.

Primeiro carro? Segundo carro? Como assim?
Permita-me contextualizar os exemplos e o raciocínio. Você tem um carro novo e decidiu comprar outro carro logo em seguida? Mesmo que use o seu carro como entrada, está incutindo na compra de um segundo veículo. Segundo porque você já se esforçou para ter outro, já teve gastos e depreciação. Segundo porque fica a dúvida: será que vale a pena fazer a troca?

Ah, sim, você pode querer aumentar a frota e estacionar mais um automóvel em sua garagem. Deixando as emoções e as razões sociais e subjetivas que o fizeram entrar no novo negócio, este texto pretende alertá-lo no sentido de analisar a questão sob a ótica do planejamento financeiro[bb] futuro, do investimento para o futuro.

A história do leitor
Valdemar comprou um carro em 2003 e logo em 2004 já o trocou por outro modelo zero-quilômetro. Naquela época, decidiu anotar parte dos gastos que o automóvel começou a lhe trazer, criando uma extensa planilha com informações de abastecimento e manutenções. Hoje, quatro anos depois, ele se questiona sobre a real necessidade da troca. Hoje, ele tem objetivos.

A conclusão é que ele gastou uma bela grana nestes quatro anos (mais de R$ 20 mil se contabilizadas despesas gerais, combustível, impostos e manutenção), além da depreciação do primeiro carro (que ainda era novo) e do esforço em poupar para completar a diferença para o novo modelo adquirido um ano depois. Será que valeu a pena? Com a palavra, Valdemar:

“Confesso que estou ficando desanimado, pois, desde outubro de 2004 até o dia 29 de agosto deste ano (última abastecida), adquiri exatos 5.825 litros de gasolina (cerca de R$ 15 mil). Fico imaginando: se este valor tivesse sido aplicado com foco, em um produto financeiro, como renda fixa, previdência privada ou ações, quanto teria hoje?”

A consciência financeira
O depoimento de nosso caro leitor é importante por duas questões fundamentais, por ele vividas e compreendidas:

  1. A questão da compra ou troca de um carro deve levar em conta os planos e objetivos da família, o que pode mudar drasticamente a decisão;
  2. Por consequência, as atitudes de analisar a situação, simular e buscar conhecimento permitem que tomemos decisões mais inteligentes e com efeitos mais duradouros.

Portanto, para o cidadão comum, carro não é investimento, não é ativo. Carro é passivo, é sinônimo de despesas e gastos extraordinários capazes de furar qualquer orçamento. Ah, e sem drama por favor. Isso é um alerta, não uma mensagem apocalíptica pregando a caminhada diária para o trabalho e dias de aperto no transporte público.

Se preferir, dou o recado de forma mais direta: há aqueles que, independente da oferta de crédito e do “chorôrô” da família, não podem ter um carro. Nem do mais simples e barato. Simples assim, muito embora muitas pessoas adorem vir até aqui e insistir nas patéticas desculpas que envolvem sociedade, cobrança, vergonha e orgulho. Interessante, humildade na compra do carro pouca gente gosta de discutir. Por que será?

Ainda hoje conversávamos, eu e o Valdemar, sobre a necessidade de alimentarmos constantemente nossa consciência financeira[bb]. Ele, agora por dentro de importantes conceitos e alternativas de planejamento financeiro, percebeu que sua atitude foi puramente baseada em impulsos emocionais e sociais, hoje nada relevantes diante de seus planos para a família. O carro novo (de 2004), neste caso, não teria feito tanta diferença. As coisas poderiam ter sido diferentes. E hoje são, não é mesmo Valdemar?

bb_bid = “74”;
bb_lang = “pt-BR”;
bb_name = “fixedlist”;
bb_keywords = “investir dinheiro,cerbasi,ficar rico,pai rico,bolsa de valores,dinheiro”;
bb_width = “600px”;
bb_limit = “6”;

Crédito da foto para stock.xchng.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários