Orçamento, apontamento e o uso do cartão de créditoDiscutir o uso do dinheiro de plástico envolve muita polêmica. Eu, por exemplo, vejo os cartões de crédito como simples ferramentas de apoio, enquanto muitos vêem neles “simplesmente a melhor forma de comprar algum produto”. Gasto pouquíssimo no cartão de crédito, já que prefiro pagar tudo à vista, na hora (com dinheiro[bb] ou cartão de débito) e com desconto. No entanto, como não sou assalariado, o cartão de crédito é sempre útil quando desejo programar a aquisição de algo e pagar por isso em uma data mais conveniente – quando do vencimento da fatura.

Logo, usar o cartão de crédito como instrumento de compra é algo interessante e inteligente, mas a atitude traz um perigo clássico e pouco levado a sério no orçamento e planejamento familiar: é comum notar a conta única “Cartão de crédito” em muitos orçamentos, onde são lançados apenas os valores das faturas pagas mensalmente. O que está errado? Ora, sabe-se que determinado valor foi gasto no cartão de crédito, mas o que foi comprado? Roupa, comida ou combustível? Não raro, sem saber ao certo o que vai vir na fatura, inúmeras pessoas ficam sem recursos para o pagamento integral da fatura, entrando no extorsivo rotativo (pagamento mínimo).

A questão-chave diz respeito ao uso do cartão como meio de pagamento e do apontamento de seus valores como uma simples conta-macro no orçamento. E isso acontece bastante, especialmente quando se compra algo dividido em muitas parcelas. Simplesmente lançar o valor da fatura e não preocupar-se em detalhá-la é mais fácil e rápido – a preguiça institucionaliza-se e o hábito perigoso se torna parte da rotina. Perigoso? Sim, porque apesar de haver controle financeiro, ele é realizado de forma parcial é falha.

A solução para o problema é óbvia e muito simples: apontar a real utilização do dinheiro destinado ao cartão de crédito dentro das contas específicas, como “Alimentação”, “Transporte”, “Carro”, “Lazer”, “Roupas e Acessórios” e etc. E, claro, ao mesmo tempo manter o controle do total gasto no cartão para que se possa comparar a evolução de seu uso e fazer um orçamento[bb] que capaz de controlar, de verdade, a utilização do dinheiro de plástico. Neste sentido, algumas dicas podem ajudá-lo:

1. Tenha, no máximo, três cartões de crédito. A dica do terapeuta financeiro Reinaldo Domingos (Presidente do Instituto DiSOP e autor do livro “Terapia Financeira”) é mais clara: “se você recebe salário e seus ganhos chegam uma vez por mês, tenha apenas um cartão (uma data de vencimento). Se você é autonômo e recebe em datas diferentes dentro do mesmo mês, opte por três cartões e tenha datas de vencimento intervaladas, como por exemplo, dias 10, 20 e 30. Não mais do que isso”. Programe-se para estes pagamentos e dê um fim aos demais cartões.

2. Ao realizar uma compra no cartão, anote imediatamente os gastos e classifique-os dentro de seu orçamento. Ao chegar em casa, lance em sua planilha ou sistema o gasto com aquela conta (“Alimentação”, por exemplo), colocando-o com a data da fatura. Já que o pagamento ainda não ocorreu, a conta ficará como uma despesa futura. Tudo bem, afinal sssim você sabe quanto precisará ter para quitar o débito com a administradora do cartão e também onde gastou aquele dinheiro, além de enxergar no controle[bb] quanto do seu dinheiro já está comprometido.

3. Ao parcelar a compra, tenha a disciplina necessária para também apontar os gastos futuros e classificá-los. Trata-se de realizar os mesmos passos do item anterior, mesmo que as parcelas sejam para os próximos 12 meses. Deixe a preguiça de lado, acesse o registro de cada um desses meses, lance e classifique as despesas do cartão. Ora, se você terá um gasto mínimo mensal nos próximos meses, precisa conhecê-lo e enxergá-lo com facilidade.

Se a mudança de hábito proposta não funcionar, experimente usar menos o cartão de crédito. É importante aceitar que um orçamento detalhado permite que você encontre com facilidade onde estão os abusos e deslizes. Muitas vezes, uma conta “Cartão de Crédito” genérica esconde hábitos consumistas perigosos – e nós precisamos combatê-los. Se não conseguir fazer isso com disciplina, evite usar o dinheiro de plástico e faça disso um hábito. Se você já utiliza o dinheiro de plástico e mantém registros detalhados e muito bem classificados de suas compras, ótimo! Parabéns.

bb_bid = “74”;
bb_lang = “pt-BR”;
bb_name = “fixedlist”;
bb_keywords = “mercado de ações,cerbasi,terapia financeira,ipod,TV LCD,notebook”;
bb_width = “600px”;
bb_limit = “6”;

Crédito da foto para stock.xchng.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários