O impacto da aprendizagem nas finanças da empresaAs organizações buscam continuamente aprimorar o desempenho de suas operações em virtude do avanço tecnológico, mercado[bb] competitivo e economia globalizada. Para atender a essas exigências a aprendizagem no trabalho vem sendo cada vez mais relevante. Para entender melhor como a aprendizagem organizacional tornou-se importante estratégia dentro das empresas é preciso mencionar as principais transformações ocorridas no mundo a partir do final do século XX.

O avanço tecnológico e científico proporcionou o aumento da velocidade das informações, demandando por parte dos indivíduos domínio das novas tecnologias e constante atualização. A economia globalizada impõe um ritmo diferente aos negócios, onde é preciso foco na competitividade e inovação. Nesse contexto, as pessoas precisam deixar de serem vistas como problema e sim como solução e vantagem competitiva. Peter Senge alerta que conceber o homem como mais um recurso de produção constitui um obstáculo ao desenvolvimento da organização.

A aprendizagem, segundo ele, se tornou mais importante que o controle dos processos. Para atender às novas exigências impostas nas últimas décadas e trazer um olhar diferenciado sobre os saberes que permeiam as estruturas organizacionais, surge a Pedagogia Empresarial, um ramo da Pedagogia que tem como foco o desenvolvimento dos profissionais e a melhoria dos processos produtivos através da aprendizagem empresarial em suas várias dimensões.

Na minha atuação como pedagoga empresarial percebo claramente que o financeiro das organizações fica muitas vezes comprometido pela falta de atenção devida aos funcionários. Não existe “empresa 100%” com “funcionário 50%” e é nessa diferença que está o perigo! Empresários costumam investir muito em hardware[bb], software, infra-estrutura e acabam descuidando do “humanware”!

A empresa precisa aprender a aprender!
Muitas vezes esquecemos que a aprendizagem faz parte da nossa essência. A educação não se limita à escola; deve se estender à empresa. Os empresários precisam ser educadores organizacionais, líderes que influenciam pessoas e não apenas chefes que controlam funcionários e cumprem tarefas. Os funcionários precisam ter a disposição de buscar o conhecimento, de sentirem-se donos de seu futuro e capazes de construir um ambiente de trabalho positivo.

Fácil? Nem tanto. É preciso decisão e comprometimento para adotar esse novo paradigma organizacional. As diretrizes são: aprender a ser, aprender a partilhar e aprender a construir coletivamente. É preciso dedicação aos programas de treinamento, ao repasse da cultura da empresa, à padronização dos procedimentos, aos canais de comunicação e ao desenvolvimento pessoal dentre outros.

O modelo Kaizen[bb] de gestão é um exemplo de sucesso nas empresas pois é um processo de pequenas e contínuas melhorias, do qual o empregado participa com sugestões constantes. É uma filosofia de aperfeiçoamento constante no trabalho e na vida pessoal. Trazendo para a prática, citarei alguns exemplos de desvios que tinham um impacto no financeiro de empresas com que trabalhei.

A realidade nas empresas
Uma atitude quase óbvia que, quando não tomada, onera muito as despesas mensais é o uso do telefone fixo para fazer ligações para celular. Após a adoção de um plano empresa de uma operadora de celular conseguiu-se reduzir significativamente a conta de telefone. Já vi empresas que faziam ligações a cobrar para seus clientes para economizarem! Atitude que compromete muito a função marketing.

Outro caso interessante foi a campanha sobre o desperdício de alimentos realizada junto aos funcionários de uma outra empresa, onde primeiramente foi feita uma sensibilização acerca da nova proposta, trazendo os números desse desperdício e a importância da ação coletiva em prol da melhora dos processos.

A campanha foi um sucesso pois a aprendizagem foi eficaz! Os funcionários responderam bem às propostas e o gerente financeiro gostou muito da nova planilha de custos mensais! Um olhar diferenciado da gerente de RH após um curso de condução de equipes teve como resultado a diminuição dos gastos na papelaria, já que acabaram-se as impressões sem necessidade e as fotocópias de trabalhos escolares dos filhos de funcionários.

A estatística[bb] também é uma grande aliada dos processos de gestão: ela mostra claramente a situação real da empresa e as melhores oportunidades de crescimento. Pequenos e importantes detalhes que não são levados em conta no dia a dia podem sobrecar os custos de produção.

É preciso saber também que a empresa é um organismo vivo e seus resultados dependem muito da qualidade de seu clima organizacional, da atitude e motivação dos seus funcionários. Enfim, das conexões existentes. Além de cuidar dos tangíveis, do concreto e quantificável, é preciso atenção aos aspectos invisíveis, como alerta Oscar Motomura seus artigos.

——
Bernadette Vilhena é pedagoga empresarial, consultora em diversas instâncias da prática educativa nas empresas. Especialista em Gestão de Pessoas e estudos nas áreas de Ergologia, Gestão do Conhecimento e Educação no trabalho.

Crédito da foto para stock.xchng.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários