AGEN11: uma estratégia de sucesso ou fracasso?Olá leitores do Dinheirama. A saga de Mr. Gekko e Bud em Wall Street[bb] continua… Quem leu o artigo “Ações: A busca da informação que vale lucro” sabe do que estou falando. Vamos conversar sobre um papel que está “dando o que falar” nos últimos dias: AGEN11 (AGRENCO Limited – Grupo Agrenco Brasil). Para esclarecer a situação, irei usufruir de um diálogo imaginário entre nossos personagens já apresentados, Mr. Gekko e Bud. A partir daí, tirem suas próprias conclusões.

SETEMBRO DE 2009

Mr. Gekko: Atrás de alguma nova informação Bud? O que você tem de novo?
Bud: AGEN11, Mr. Gekko.
Mr. Gekko: Sim, continue. Me dê uma visão geral da situação.
Bud: Agrenco Limited, código AGEN11 na Bovespa. É uma companhia de serviços integrados que atua nos setores de agronegócio e biocombustível em âmbito mundial, atuando desde a produção, armazenamento, transporte até o consumo, sendo o carro chefe a soja e derivados. Em 2007, ela fez um IPO levantando R$ 666,2 milhões de reais e faturou US$ 1,5 bilhão com exportação de grãos e farelo do Brasil, Argentina e Paraguai. A previsão era de aumento do faturamento em US$ 1,1 bilhão com o início da operação de mais 3 complexos agroindustriais: Marialva-PR, Alto do Araguaia-MS e Caarapó-MS. Em junho de 2008, a Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação Influenza e prendeu os principais acionistas da empresa – acusados de remessa ilegal de dinheiro[bb] ao exterior, formação de quadrilha, sonegação fiscal, corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.
Mr. Gekko: Owww Owww Bud, como eu já te disse… Eu não jogo no escuro.
Bud: Eu sei, eu sei Mr. Gekko. O interessante é o que aconteceu após a intervenção na empresa. As ações, que já estavam começando a ser afetadas pela crise mundial, após a operação da PF praticamente viraram pó. Saíram de um patamar de R$ 10,00 para um patamar de R$ 0,10, seguidas por vários rumores de falência e por aí vai.
Mr. Gekko: Você não colocou algum dinheiro meu lá, não é Bud?
Bud: Não, não, mas teve muita gente que colocou. Confesso que eles foram “muy machos” de colocarem dinheiro nesta época. O caso continuava muito critico: 3 fábricas incompletas e paradas; o último balanço apresentado de março de 2008 apontava dívida de R$ 1,2 bilhão, com 80% do vencimento no curto prazo e apenas R$ 52 milhões em caixa; os ativos estimados em U$$ 200 milhões. Ou seja, com um grande passivo descoberto. No auge da crise financeira de 2008 chegaram a haver propostas de compra dos ativos. Ofereceram cerca de R$ 1,60 por ação, mas as negociações não evoluíram.
Mr. Gekko: Continue…
Bud: Bom, em março de 2009 um Plano de Recuperação Judicial (PRJ) foi aprovado e o preço da ação deu uma melhorada, subindo para o patamar de R$ 0,60. No PRJ, estava previsto a contratação de um Operador Estratégico que injetaria dinheiro na empresa e teria a preferência de compra dos ativos em caso de venda. O grupo francês Louis Dreyfus, o asiático Noble e a suiça Glencore entraram na disputa. No final das contas, a Glencore foi escolhida, injetando US$ 30 milhões como empréstimo e terá preferência em uma eventual aquisição da companhia. De lá pra cá, a empresa andou sempre movimentada por boatos. O PRJ estava aprovado, tentando andar, mas as fabricas continuavam incompletas e inoperantes. A cotação do papel atualmente está em R$ 0,70.
Mr. Gekko: Certo. Me conte mais sobre a Glencore.
Bud: A Glencore é uma gigante multinacional suíça que atua no comércio internacional de commodities minerais e agrícolas, sendo a maior acionista individual da mineradora Xstrata (uma das maiores do mundo). Ela pretende voltar a atuar na indústria brasileira de soja, mercado que atuou no Brasil até 1997, quando vendeu as suas operações para a americana ADM. A venda incluiu 33 silos de armazenagem, um escritório em São Paulo e uma fábrica de processamento de fertilizantes. A Agrenco seria uma oportunidade de entrar no mercado brasileiro novamente. Em agosto de 2009, a Glencore acertou a compra da unidade de esmagamento de soja da empresa Sperafico em Ponta Porã (MS). A multinacional suíça faturou US$ 152,2 bilhões no mundo em 2008.
Mr. Gekko: Ta, continue com o desenrolar da situação…
Bud: A partir de agosto de 2009, o PRJ começou a andar de uma maneira mais robusta. Os processos com credores na justiça começaram a se desenrolar, as assembléias com credores e acionistas começaram a dar resultados. A fabrica de Marialva foi vendida para conclusão das fábricas de Alto do Araguaia e Caarapó. Aliás, começaram as contratações de funcionários através de agências de emprego. A previsão das fábricas voltarem a operar é o primeiro trimestre de 2010.
Mr. Gekko: Bom, então vamos ver o que temos:

  • Uma empresa do setor de agronegócio que em 2008 fez um IPO enorme, com ações lançadas a R$ 10,40;
  • Em seguida sofreu uma operação da PF e seus principais acionistas foram acusados de fraudar os balanços;
  • As ações praticamente viraram pó, em torno de R$ 0,10;
  • Após a aprovação do PRJ, com uma empresa “de peso” como Operador Estratégico, que emprestou US$ 30 milhões e que tem a preferência de compra no caso de venda dos ativos, as ações voltaram a se movimentar, mas sempre devido a boatos;
  • Atualmente a empresa possui 2 fábricas incompletas e inoperantes, que provavelmente voltarão a operar no primeiro trimestre de 2010, com o dinheiro obtido da venda da terceira fábrica;
  • Empresa contratando funcionários;
  • Possui um passivo descoberto enorme, ativos de US$200 milhões e passivo de US$ 1,2 bilhão.

Bud: O que você acha Mr. Gekko? Estaríamos arriscando demais em apostar neste papel?
Mr. Gekko: Arriscado é Bud, mas irei pagar pra ver. Entre aos poucos no papel e me mantenha informado de alguma novidade.

JANEIRO DE 2010

Mr. Gekko: Bud, agulma novidade sobre AGEN11?
Bud: Sim, Mr. Gekko. Aliás ótimas notícias, tanto por parte da AGEN11 como por parte da Glencore. A fábrica de Alto do Araguaia encontra-se em fase de testes e a de Caarapó em fase final de conclusão. Na ultima reunião com credores ficou acertado que a venda da Unidade Argentina (que no PRJ iria ser vendida) não acontecerá. Além disso, os credores aprovaram a venda de dois armazéns da Fertilogs para o pagamento de uma dívida com o Banco do Brasil (BB), sendo que outros dois armazéns que estavam em garantia para o BB, uma vez liberados pelo Banco do Brasil devido ao pagamento da dívida, poderão ser utilizados na troca de garantias junto a outros credores que venham a aderir ao Plano de Recuperação Judicial.
Mr. Gekko: Hum… Interessante…
Bud: Tem mais. Também está marcada uma assembléia para entrega dos balanços atrasados de 2008 e 2009 para 31/04. Nesta data, a Glencore poderá exercer a possível compra dos ativos. A empresa está soltando Comunicados ao Mercado (CM) confirmando estas informações. E cada vez mais vagas de emprego para a Unidade de Alto do Araguaia e Caarapó são abertas. O papel chegou a bater em R$ 4,00!!! Do lado da Glencore, ela vendeu o equivalente a US$ 2,2 bilhões de títulos para investidores, incluindo venda para o Fundo BlackRock, o maior do mundo. Ou seja, dinheiro em caixa para aquisições eles têm. A Glencore adquiriu uma empresa australiana de minério mais ou menos nos mesmos moldes do acordo da AGEN11. Além disso, ela fez uma Join-Venture com a Companhia Blackthorn Resources, entrou com capital e foi o Parceiro Estratégico de um projeto de uma mina de Zinco, ficando com 50,1% do projeto. A diferença com o nosso caso é que a parceria foi para um projeto específico e não para toda a empresa e também é no ramo de minério e não do agronegócio.
Mr. Gekko: Muito bom Bud. Inclua mais dessas ações em minha carteira, agora com mais força.

FEVEREIRO DE 2010

Bud: Mr. Gekko, tenho algumas notícias sobre AGEN11. E não são boas.
Mr. Gekko: Ahn, o que é? O que houve?
Bud: As negociações do papel AGEN11 foram congeladas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).
Mr. Gekko: Mas que DROGA é essa?!
Bud: A CVM mudou as regras sobre apresentação de balanços. Ate dezembro de 2009 as empresas poderiam ficar até 3 anos em atraso na entrega dos balanços. A partir de janeiro de 2010 os balanços têm que serem entregues com até 12 meses de atraso. Como a AGEN11 está devendo os balanços desde 2008, suas negociações foram suspensas.
Mr. Gekko: Mas que droga Bud! E você não sabia disso?
Bud: A CVM divulga uma lista de empresas com pendências na documentação e a AGEN11 não está nesta lista. Então procurei saber porquê, mesmo assim, ela foi suspensa. Descobri que esta lista é somente para empresas sediadas no Brasil. A AGEN11 é sediada nas Bermudas, pois isso seus papéis são BDRs e a CVM não está obrigada a listar informações pendentes de empresas com sede no exterior. Por isso a AGEN11 foi suspensa sem nenhum comunicado de alerta.
Mr. Gekko: Meu Deus!! Isso é o Inferno para nós!! Agora estamos aqui, com o nosso dinheiro congelado em uma empresa que não está operando!! Eles emitiram algum Comunicado ao Mercado?
Bud: Sim. Basicamente disseram que estão trabalhando para adiantar a data de entrega dos balanços que era 31/04 acertado na ultima assembléia. Após a entrega dos balanços, a CVM tem 15 dias para liberar ou não o papel.
Mr. Gekko: O que você acha Bud? Será que estes caras não estão de sacanagem com os acionistas? Será que a empresa está falindo e eles estão escondendo informações e por isso não soltaram estes balanços ainda? Ficar devendo balanços desde 2008 é muito suspeito. O que você sabe sobre isso??
Bud: No CM dizem que não soltaram estes balanços antes devido à diversas dificuldades relacionadas ao cumprimento do plano de recuperação judicial de sua subsidiária mais relevante (Agrenco do Brasil) e de algumas subsidiárias no exterior e também devido à atual situação econômico-financeira da Companhia.
Mr. Gekko: Não sei não, isto não está me cheirando bem.
Bud: Mr. Gekko, até 31/04 provavelmente, repito, provavelmente teremos as duas usinas já operantes, a apresentação de balanços e talvez uma proposta de compra por parte da Glencore já estipulada. Se o papel voltar nestas condições, será ótimo. A tendência será de alta. Se o papel voltar antes disso, sem algum fato novo, a tendência será de realização. Agora, se a empresa não apresentar estes balanços até o dia 31/04, sinceramente, começarei a ficar muito preocupado com a situação. Enquanto isso, não temos muito o que fazer: agora é assistir o papel congelado e, conseqüentemente, nosso dinheiro preso. Podemos pressionar o setor de Relações com Investidores (RI) da empresa para eles soltarem mais informações.
Mr. Gekko: Em quanto o papel foi congelado?
Bud: O último negócio fechou em R$ 2,89, Mr. Gekko.
Mr. Gekko: E se o papel deixar de ser negociado na bolsa?
Bud: A Agrenco tem até 12 meses a partir da data de congelamento dos negócios[bb] para regularizar a situação. Depois disso, o papel perde o registro. Se isso acontecer, daí sim estaremos realmente muito encrencados.
Mr. Gekko: %@#&^!!!

Retorno ao título do texto: AGEN11, uma estratégia de sucesso ou fracasso? Façam suas análises, apostas e vamos aguardar os próximos episódios. Como diz meu tio Vardão, “Quem viver, verá!”.

Crédito da foto para stock.xchng.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários