Mesada: hábitos financeiros saudáveis ensinados desde cedoA mesada é um instrumento eficaz na educação financeira infantil. Através dela são ensinados à criança princípios de limite, responsabilidade e planejamento. A mesada oferece oportunidade de vivenciar situações econômicas e certa dose de “independência financeira”, proporcionando o desenvolvimento das habilidades de consumidor[bb].

A instituição da mesada varia de acordo com a idade, com o perfil da criança e principalmente com a situação financeira familiar. Por essas variáveis eu prefiro não falar em valores ideais para cada idade, cabendo a cada família decidir sobre eles, tendo como referência as variáveis citadas.

O ideal é que se comece a dar mesada a partir do momento em que a criança tenha noções de números, por volta dos seis anos de idade. Veja como trabalhar a mesada de acordo com as etapas do desenvolvimento infantil:

  • 4/5 anos: as crianças já podem começar a ganhar suas moedas e para isso nada melhor que ganhar um cofrinho. Ele é um ótimo recurso para as primeiras noções de economia, como o caro e o barato e o poupar para comprar algo que deseja;
  • 6/7 anos: a opção melhor nessa idade é a “semanada” para que a criança controle melhor o dinheiro, já que ainda não possui a noção de tempo consolidada;
  • 9 anos: introduzir a “quinzenada” e posteriormente a mesada. Momento para os pais conversarem sobre planejamento das despesas para que o dinheiro não acabe na primeira semana;
  • Adolescência: algumas importantes habilidades financeiras provavelmente já foram desenvolvidas e com isso pode-se orientar investimentos com foco no futuro. A caderneta de poupança é um bom começo para passar noções de investimento[bb].

Atenção! Instituir a mesada não é simplesmente o ato de entregar uma quantia de dinheiro para a criança. É preciso educar financeiramente através dessa atitude, explicando a elas sobre a importância de administrar bem esse recurso. Não se esqueça de que o dinheiro deve ser acompanhado de diálogo e, principalmente, exemplo. Algumas atitudes dos pais são bem vindas nesse momento:

  • Estabelecer um dia certo para dar a mesada/semanada: com isso a criança desenvolverá a postura de espera e paciência. Começará também a dar os primeiros passos em relação ao planejamento financeiro;
  • Destino da mesada: é importante uma orientação em relação ao uso da mesada, como estabelecer prioridades de consumo e economizar para compras maiores. Nada muito rigoroso para não tornar esse momento chato e castrador. Recomendo que a criança guarde uma parte do que recebe, pois isso contribui para a formação do hábito de poupar e cuidar do futuro. A outra parte deve ser utilizada como elas desejarem, afinal é muito bom poder completar o álbum de figurinhas ou comprar aquele esmalte super badalado;
  • Doação: com o passar do tempo e com a maturidade da criança é interessante separar uma quantia destinada à doação para entidades filantrópicas ou para alguém que necessite. Estimular a solidariedade é algo que não pode ser adiado.

A mesada deve ser uma ferramenta na aprendizagem financeira e não deve, jamais, ser usada como objeto de troca. Perde-se todo o sentido, por exemplo, quando a vinculamos ao desempenho escolar, como punição a comportamentos ruins ou recompensa a trabalhos domésticos. Algumas coisas são deveres do cidadão que você está ajudando a formar.

Valores são transmitidos constantemente à criança, sendo a família a responsável pela formação de um consumidor consciente. Para isso, o dinheiro precisa deixar de ser tabu em muitas famílias, como sempre diz o Navarro. Alerto sempre que o comportamento financeiro da criança é um reflexo da sua vivência familiar, já que ela aprende primeiramente por imitação. Exemplo, caro leitor, valorize o exemplo.

Ensinar, através da mesada, que a liberdade proporcionada pelo dinheiro deve estar associada à responsabilidade é uma tarefa constante. Através da mesada[bb] os pais podem ensinar valores financeiros positivos aos filhos, contribuindo para a construção de uma visão mais saudável em relação ao dinheiro e seus desdobramentos.

E você? Compartilhe conosco o que pensa sobre esse tema e que lembranças possui do tempo em que recebia sua mesada. Um abraço e até mais!

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários