Rentabilidade do Tesouro Direto: IMA - Índice de Mercado AnbimaNo recente artigo elaborado por Conrado Navarro, “Tesouro Direto: como investir, rentabilidade, vantagens e características”, foi abordado o investimento em títulos públicos. Através de sua leitura aprendemos sobre o funcionamento deste tipo de investimento, os diferentes títulos ofertados, suas características, riscos e custos. O investidor[bb] iniciante pode, com esse material, começar a investir e compreender melhor os benefícios do Tesouro Direto em relação a outras aplicações de renda fixa.

No artigo de hoje pretendo dar um passo além na explicação dos títulos públicos, tendo como principal objetivo apresentar os índices utilizados para categorizar estes títulos e para averiguar suas rentabilidades. O objetivo é complementar a informação trazida pelo Navarro e contribuir para aumentar o conhecimento do leitor que nos acompanha.

O que é o IMA?
Para facilitar o trabalho de nós investidores, a Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) criou um índice que define e acompanha as diversas categorias de títulos, assim como suas respectivas rentabilidades: o chamado IMA (índice de Mercado ANBIMA).

Segundo própria definição da Anbima, o IMA é uma família de índices que representa a evolução, a preços de mercado, da carteira de títulos públicos e serve como referência (benchmark) para o segmento. O IMA possui índices e subíndices que visam englobar todo o perfil da dívida pública brasileira, incluindo títulos pré-fixados (LTN e NTN-F), pós-fixados (LFT), indexados ao IPCA (NTN-B) e indexados ao IGPM (NTN-C). Você pode ler mais sobre o IMA na página de perguntas frequentes da Anbima e na seção de metodologia.

Além destes principais índices, é possível ainda ter acesso aos subíndices de cada índice, como por exemplo, os títulos pré-fixados com prazo de até um ano (IRF-M 1) e os pré-fixados com prazo maior que 1 ano (IRF-M 1+). O fluxograma abaixo ajuda a ilustrar de forma clara esta divisão entre índices e subíndices do IMA:

Composição Fundos IMA - Anbima

Portanto, o índice geral captura a rentabilidade de todo este conjunto de títulos, permitindo que o investidor tenha um rápido acesso à rentabilidade de diversos índices e subíndices do IMA, podendo criar, inclusive, seu próprio benchmark para sua carteira de títulos.

Exemplo: um fundo de investimentos[bb] que realiza apenas operações com títulos pré-fixados com prazo maior de 1 ano poderia utilizar o subíndice IRF-M 1+ como benchmark para seus resultados, já que este se enquadra melhor no perfil de operações do fundo.

IMA-Geral ex-C
Além dos índices e subíndices listados no fluxograma, foi criado ainda mais um tipo de índice para capturar a rentabilidade geral, excluindo os títulos indexados ao IGP-M. Estes títulos foram retirados do mercado secundário devido a uma decisão explícita do Tesouro Nacional, além da baixa liquidez verificada neste segmento. Portanto, o IMA-Geral ex-C exclui o IMA-C de sua composição para calcular a rentabilidade geral.

Análise das rentabilidades nos últimos três anos
Agora que já compreendemos a categorização feita pela Anbima, podemos analisar a rentabilidade de cada índice e subíndice nos últimos três anos.

Rentabilidade em 2008

Rentabilidade - IMA - Ano de 2008

Alta de 2,50% na Selic. O ano de 2008 ficou marcado pelo agravamento da crise financeira. O Índice Bovespa teve variação de -41,22% no ano. A Meta Selic pulou de 11,25% para 13,75%, sendo um fator negativo para os títulos de longo prazo e prefixados. Entretanto, ao contrário do que era esperado para um cenário tão pessimista, os índices mantiveram-se firmes no ano. O IMA-Geral, que representa a composição de todos os outros índices, registrou uma rentabilidade de 12,69% em 2008.

IMA-C 5 na liderança. O destaque positivo no ano foram os índices indexados ao IGP-M, tendo como índice mais rentável o IMA-C 5 com retorno de 16,35% no ano. O IGP-M neste ano teve variação de 9,81%, colaborando para a rentabilidade destes títulos.

IMA-B 5+ na lanterna. A menor rentabilidade no ano pôde ser observada no IMA-B 5+, índice que engloba os títulos indexados ao IPCA com prazo superior a 5 anos, apresentando uma variação de 7,50%. O IPCA no ano teve variação de 5,90%, o que ajudou os títulos indexados a este índice a apresentarem retornos consideráveis no ano.

Rentabilidade em 2009

Rentabilidade - IMA - Ano de 2009

Queda de 5,0% na Selic. O ano de 2009 refletiu a recuperação econômica. A Meta Selic, que estava em 13,75% em dezembro de 2008, sofreu diversas reduções ao longo do ano, terminando em 8,75% ao final de dezembro daquele ano. Este fator foi decisivo para que os títulos de longo prazo apresentassem altos retornos em relação aos títulos mais curtos. O IMA-Geral registrou alta de 13,12% no ano de 2009.

IMA-B 5+ na liderança. O destaque positivo no ano foram os índices indexados ao IPCA, tendo como subíndice mais rentável o IMA-B 5+ com retorno de 23,52% no ano. O IPCA neste ano teve variação de 4,31%, colaborando para a rentabilidade dos títulos a ele indexados.

IMA-C 5 na lanterna. A menor rentabilidade no ano pôde ser observada no IMA-C 5, apresentando variação de 8,37%. O IGP-M no ano teve variação de -1,71%, o que atrapalhou o desempenho dos títulos atrelados ao IGPM.

Rentabilidade em 2010

Rentabilidade - IMA - Ano de 2010

Alta de 2,0% na Selic. Em 2010, os mercados andaram devagar, não apresentando muita volatilidade. A Meta Selic aumentou 2,0%, saindo de 8,75% para 10,75% no final do ano. Entretanto, a queda na Selic não foi capaz de tirar o brilho dos títulos de longo prazo. O IMA-Geral registrou alta de 12,99% no ano de 2010.

IMA-C 5+ na liderança. O destaque positivo no ano foram os índices indexados ao IGP-M, tendo como índice mais rentável o IMA-C 5+, com retorno de 23,91% no ano. O IGP-M neste ano teve variação de 11,32%, fator decisivo na rentabilidade do índice no ano. Os títulos indexados ao IPCA, com destaque para o IMA-B 5+, tiveram bom desempenho no ano, já que o IPCA registrou variação anual de 5,91%.

IMA-S na lanterna. A menor rentabilidade no ano pôde ser observada no IMA-S, índice atrelado à Selic, com uma variação de 9,78%.

O que esperar de 2011?

Alta na Selic? Tudo indica que teremos um ano com aumento na Meta Selic. O primeiro aumento na taxa, de 0,5%, elevou a Meta Selic de 10,75% para o patamar atual de 11,25%. E tudo indica que não iremos parar por aí. Ao verificar o site do Tesouro Direto já é possível encontrar títulos prefixados (LTNs, por exemplo) com taxas próximas de 13% ao ano. Nos títulos indexados ao IPCA (NTN-Bs), encontramos taxas próximas de 6,5% ao ano mais IPCA.

Governo cumprirá meta de inflação? Estes valores podem sinalizar uma possível alta na inflação e, consequentemente, uma elevação na Meta Selic para buscar frear a velocidade do crescimento econômico, já que este pode levar a inflação[bb] a níveis além do desejado pelo governo. A meta do governo para o IPCA neste ano é de 4,5%, com variação de 2,0% para ambos os lados. Portanto, o limite inferior seria de 2,5% e o limite superior de 6,5%.

Quanto alocar em cada categoria dos títulos públicos? O percentual sempre dependerá do nível de retorno e risco desejado do investidor, do seu prazo de investimento, capital disponível, entre outros. Entretanto, o importante é lembrar de diversificar entre todas as categorias, alocando tanto em posfixados (LFTs), prefixados (LTNs ou NTN-Fs), como nos indexados ao IPCA (NTN-Bs).

Com este material, completamos os detalhes relacionados ao Tesouro Direto. Espero ter colaborado. Até a próxima.

Fórum Dinheirama Social
Se você quiser tirar dúvidas específicas sobre o investimento em títulos públicos, finanças pessoais e investimentos em geral, acesse www.dinheirama.com/social e faça parte de nosso fórum de discussões. O cadastro é gratuito, leva pouco tempo e permite que você faça perguntas, colabore nas discussões e conheça pessoas com interesses semelhantes aos seus. Participe!

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários