Marinho comenta: “Navarro, depois de ler o didático artigo ‘Entendendo Dólar Comercial, Turismo e Paralelo’ captei a diferença nos tipos de cotações, mas ainda fiquei com uma dúvida: qual o dólar utilizado pelas instituições financeiras nas faturas de cartão de crédito? Recentemente utilizei dois cartões diferentes no exterior, no mesmo período, e o dólar de cada fatura veio bem diferente. Obrigado”.

Você fica de olho na cotação do dólar comercial, nos comentários dos especialistas em noticiários e sites especializados e percebe que a moeda americana está se desvalorizando. Então faz uso do dólar em compras no exterior com o cartão de crédito e é pego de surpresa quando a fatura chega: “ué, mas esse dólar usado aqui está mais caro que o encontrado nas cotações”. Pois é.

Não existe regra para o dólar das faturas
Como já sabemos, o mercado de câmbio é livre em nosso país, o que significa que as cotações (formação de preço da moeda) são alteradas de acordo com a oferta e a demanda pela moeda. Para resumir, quando há dólar demais na praça, ele passa a valer menos; quando a moeda estrangeira está em falta, seu preço sobre.

Importante salientar que a referência para as empresas de comércio exterior , bancos e varejo é o dólar comercial. No caso específico dos cartões de crédito e suas faturas, o valor utilizado pelos bancos e administradoras costuma ser a cotação do dólar comercial somada a uma margem de ganho (spread).

Infelizmente, as instituições financeiras não são obrigadas a detalhar este cálculo e, por isso, optam por não divulgar a fórmula usada para o cálculo da cotação utilizada na fatura do cartão. Em geral, os valores da moeda utilizados para conversão nas faturas se situam entre o dólar comercial e o dólar turismo, tendendo quase sempre para este último.

Como agem nossos bancos?
Em uma pesquisa, encontrei uma reportagem da Folha de S. Paulo de 25/04/2011 que mostra estas diferenças e divulga o cálculo do valor pelo Banco do Brasil (BB). De acordo com Denílson Molina, diretor de cartões do BB, a regra no banco é pegar a taxa Ptax (média do Banco Central) do dia anterior e cobrar mais 2%.

A matéria da Folha ainda averiguou as taxas cobradas pelas principais instituições financeiras brasileiras. Bradesco e American Express cobram valores bem próximos à cotação do dólar turismo. Santander e Banco do Brasil apresentam taxas intermediárias, quase na média entre as cotações comercial e turismo. Já a Caixa e o Itaú tinham as taxas mais próximas do valor cobrado pelo dólar comercial no dia anterior ao fechamento da fatura.

O que podemos fazer?
O texto esclareceu parte da dúvida sobre a cotação utilizada nas faturas, mas podemos (devemos) ir além: observe atentamente os valores de sua fatura para cada cartão de crédito e faça contato com a administradora e banco emissor para questionar os valores utilizados na cobrança. Assim você saberá que cartão é melhor para gastos no exterior e porquê.

Dinheirama Shop
Aproveite nossa promoção de lançamento, compre o meu livro “Vamos Falar De Dinheiro?” (Ed. Novatec) por R$ 34,90 e receba também um DVD com provocações sobre finanças pessoais, investimentos e educação financeira, um brinde e a possibilidade de ser sorteado para participar do curso on-line “Mercado à Vista de Ações”. O kit custa apenas R$ 34,90, o frete é grátis e você receberá o livro autografado em sua casa. Você pode pagar com boleto, cartão de crédito ou transferência usando PagSeguro, Pagamento Digital ou MoIP. Clique aqui para comprar!

Foto “Credit card and dollar”, Shutterstock.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários