Dinheirama Entrevista: Mônica Saccarelli, Diretora do Home Broker Rico.com.vcDurante todos esses anos à frente do Dinheirama, sempre fiz questão de reconhecer como nosso país melhorou em relação às alternativas de investimentos disponíveis para a população. Uma das alternativas que me agrada muito são os títulos públicos, que hoje estão acessíveis via corretoras e Internet a partir de valores bem baixos.

Para falar mais sobre o Tesouro Direto, decidi conversar novamente com Mônica Saccarelli, Diretora do Rico.com.vc, home broker da Octo Investimentos, onde é responsável pelo relacionamento com o mercado e gerenciamento das áreas comercial, marketing, atendimento e tecnologia.

Mônica iniciou sua carreira na Bovespa e passou por empresas como AT&T Broadband (em São Francisco, EUA), Concórdia Corretora de Valores e Link Investimentos, onde ocupava o cargo de Gerente Geral de Varejo até a criação do Rico, quando assumiu o cargo de direção.

Com 13 anos de experiência no mercado financeiro, Mônica Saccarelli é graduada em Relações Públicas pela FAAP (Faculdade Armando Álvares Penteado), possui pós-graduação em Comunicação Empresarial pela ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing) e especialização em Marketing pela University of California, de Berkeley, EUA.

Acompanhe nossa conversa:

Mônica, uma dúvida bastante frequente de nossos leitores diz respeito à correta alocação de recursos em um plano de investimento focado em qualidade de vida. O brasileiro ainda poupa pouco, mas o faz de forma correta? Como deve ser a estratégia de investimentos do pequeno investidor?

Mônica Saccarelli: A melhor maneira de se juntar dinheiro para ter uma boa qualidade de vida é, em primeiro lugar, conhecer seu perfil de investidor. Em seguida, é imprescindível realizar um planejamento financeiro para, com ele, se programar para investir. Quando falo em programar, quero dizer: é importante que o comprometimento de investir todo mês seja o mesmo de pagar uma conta qualquer.

Ao optar pelo investimento, o investidor precisa entender suas características de risco, retorno, precificação e liquidação. Vocês promovem palestras, mantém artigos e muito material de educação financeira neste sentido. Quais são as principais dúvidas?

M. S.: A principal dúvida é em que e como investir. Para começar, é preciso entender e buscar informação tanto sobre o tipo do investimento como também conhecer a empresa em que pretende investir (no caso do mercado de ações).

No Rico.com.vc temos um programa educacional para todos os níveis de conhecimento e especialistas à disposição para ajudar a tomar a melhor decisão na hora de investir. Além disso, também oferecemos cursos e palestras gratuitas (presenciais e online), chats diários, fórum e o Trade ao Vivo, que são salas de operações virtuais sobre diversos temas, com especialistas que orientam o investidor durante todo o pregão.

Uma das modalidades que tem atraído muitos investidores é o Tesouro Direto. O home broker Rico.com.vc oferece essa possibilidade aos seus investidores? A possibilidade de investir em títulos públicos diretamente, sem interferência dos bancos de varejo, traduz-se em vantagem no retorno? O que muda em relação aos fundos de renda fixa tradicionais?

M. S.: Sim, o Tesouro Direto é uma boa opção em termos de rentabilidade e é possível comprar e vender títulos do tesouro no Home Broker de forma simples. O investidor tem a possibilidade de diversificar os investimentos obtendo variadas rentabilidades, com títulos pré e pós-fixados, considerados de baixo risco pelo mercado financeiro, pois são garantidos pelo Tesouro Nacional.

Muitos fundos de renda fixa investem grande parte do patrimônio em títulos públicos. A vantagem de investir no Tesouro Direto, além das já citadas, é que você escolhe o título que mais atende ao seu perfil e objetivo naquele momento, tem liberdade para definir o quanto quer investir e pode vender e comprar quando achar melhor. Além disso, a taxa administrativa geralmente é mais baixa – e é sempre importante calcular o custo administrativo, que impacta na rentabilidade.

Ainda sobre o Tesouro Direto, é comum recebermos dúvidas sobre os títulos disponíveis e como optar por aqueles que melhor se adéquam ao perfil do investidor. Você pode falar brevemente das opções e suas características principais?

M. S.: O site do Tesouro Direto oferece um teste gratuito para identificar qual é o título mais indicado para o investidor. Os títulos estão divididos em pré e pós-fixados. Os títulos pré-fixados possuem rentabilidade definida no momento da compra. A rentabilidade somente é garantida caso o investidor mantenha o papel até o vencimento. As duas modalidades são:

  • LTN – Letras do Tesouro Nacional: títulos com rentabilidade definida (taxa fixa) no momento da compra. Você sabe antes quanto vai ganhar e o pagamento é feito no vencimento;
  • NTN-F – Nota do Tesouro Nacional – série F: a rentabilidade é prefixada, definida no momento da compra e o pagamento dos juros é feito semestralmente. O principal é devolvido no vencimento.

Os títulos pós-fixados são aqueles cujo valor total da rentabilidade é definido no final da aplicação. Isso ocorre porque o rendimento é determinado pela variação de certos índices e da taxa de juros determinada no início. As modalidades são:

  • LFT – Letras Financeiras do Tesouro: títulos com rentabilidade diária vinculada à taxa de juros básica da economia (taxa média das operações diárias com títulos públicos registrados no sistema SELIC). O pagamento é no vencimento;
  • NTN-C – Notas do Tesouro Nacional – série C: títulos com rentabilidade vinculada à variação do IGP-M, acrescida de juros definidos no momento da compra. Forma de Pagamento: semestralmente (juros) e no vencimento (principal);
  • NTN-B – Nota do Tesouro Nacional – série B: título com rentabilidade vinculada à variação do IPCA, acrescida de juros definidos no momento da compra. Forma de Pagamento: semestralmente (juros) e no vencimento (principal). No caso da NTN-B Principal, não há pagamentos de cupom de juros semestralmente.

O que o investidor deve ter em mente em relação ao risco das aplicações no Tesouro Direto? Comprar títulos públicos diretamente é mais seguro que através de fundos ou produtos especializados?

M. S.: Em primeiro lugar, é preciso saber o que são títulos púbicos e entender que comprar títulos é emprestar dinheiro ao governo. O ideal é investir um dinheiro que não será usado em emergências, pois o resgate não é automático. Os títulos são investimentos de baixo risco, pois quem é o credor é o Governo.

Caso o investidor queira vender o título antes do vencimento, o valor resgatado estará sujeito ao valor de mercado naquele momento. Esse valor pode ser menor ou maior do que ele investiu. Comprar títulos públicos diretamente do Tesouro Direto é vantajoso porque o investidor escolhe o título de acordo com seu objetivo, equanto que ao comprar através de fundos ele não sabe em que títulos o gestor investe, além do que algumas vezes as taxas administrativas não são atrativas, podendo depender do valor aplicado.

O processo de negociação dos títulos públicos envolve custos e tarifas menores que aqueles encontrados em fundos de investimento tradicionais? Você poderia descrever os gastos que envolverão o investidor ao optar pelo Tesouro Direto? Como fica a questão do Imposto de Renda?

M. S.: Sim, visto que o investidor pagará somente as taxas da CBLC e comissão da corretora. Para investir em Tesouro Direto no Rico, os custos são: 0,10% de emolumentos (no ato da operação), 0,3% ao ano de taxa de custódia (CBLC) e 0,2% ao ano de comissão da corretora. Temos uma página que detalha e tira as principais dúvidas sobre Tesouro Direto.

Qual seria a maneira mais adequada de criar uma carteira composta de títulos públicos (papéis de baixo risco) e ações (ativos de alto risco)? Quanto investir, como gerenciar e definir prazos para o retorno?

M. S.: Para estruturar uma carteira de investimentos, devem-se considerar sempre os objetivos, as necessidades no curto e longo prazo e a tolerância ao risco de cada investidor. Diversificar os investimentos diminui os riscos de perdas: se uma aplicação não vai bem, outra pode compensar.

A forma como cada investidor aplica seu dinheiro em diferentes modalidades de investimento varia com o perfil de cada um e a corretora ajuda a identificar esse perfil – que é fundamental ser conhecido.

A partir daí, o investidor pode traçar objetivos e criar sua estratégia de investimentos observando os prazos desejados (curto, médio e longo prazo). Reforço que as decisões de investimento precisam levar em conta o perfil do investidor, sua aversão ao risco e suas metas.

Por fim, é importante que a carteira seja composta por investimentos que ofereçam boa liquidez e baixo risco, como é o caso do Tesouro Direto. Portanto, títulos federais também podem ter papel fundamental em seu portfólio.

Mônica, obrigado pela disponibilidade em nos atender. Por favor, deixe um recado final para o leitor interessado em investir mais e melhor.

M. S.: Obrigado a vocês pelo espaço. Para o leitor interessado em nos conhecer, basta acessar www.rico.com.vc. Para finalizar, vou deixar cinco dicas para quem quer começar a investir:

  1. Não tenha medo;
  2. Invista em conhecimento: busque informações em fontes diversas para tomar decisões com embasamento. Acesse o site da correta e confira o que dizem seus analistas, acesse canais específicos sobre finanças e investimentos, leia jornais, dedique algum tempo para freqüentar cursos e palestras sobre o tema e procure conhecer a empresa que você investe, caso queira investir em ações;
  3. Tenha um objetivo: saiba onde quer chegar e em quanto tempo;
  4. Conheça seu perfil, sua tolerância ao risco e respeite seus limites;
  5. Invista.

Crédito da foto: divulgação.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários