Todos nós sabemos que a saúde financeira da grande maioria dos brasileiros é problemática. Se em tempos de crescimento econômico, muitos ainda sofrem para cuidar do seu dinheiro, em tempos de crise a situação se agrava bastante.

Não é por menos que o Dinheirama e várias outras empresas e canais de comunicação estão sempre promovendo a educação financeira como um estilo de vida.

Essa expressão “estilo de vida” tem a ver com nossos hábitos diários, e ter uma boa relação com o dinheiro faz parte da rotina de quem quer enriquecer.

A educação financeira envolve uma grande quantidade de informações, que passam desde questões técnicas (os tipos de investimento, por exemplo) até questões comportamentais (hábitos de consumo, por exemplo).

Por outro lado, independente de quão sofisticado possa ser um investimento, a essência da educação financeira é muito simples: devemos gastar menos do que ganhamos e usar o restante para investir, com o objetivo de multiplicar o dinheiro e criar um bom patrimônio financeiro.

O problema é que muita gente tem uma enorme dificuldade em fazer sobrar dinheiro no fim do mês. Embora muitos digam que é porque ganham pouco, sabemos por experiência que não é bem este o problema, mas sim a falta de disciplina para poupar.

Pensando nisso, o Banco Bradesco teve uma ideia interessante (e inédita no Brasil) para ajudar as pessoas a poupar. É um método também simples, voltado não apenas para quem precisa aprender a poupar, mas que pode ser utilizado por qualquer pessoa.

Quem de nós já não recebeu numa padaria, lanchonete ou mercado, uma “balinha” para facilitar o troco? Prática muito comum nestes estabelecimentos, a “bala” ajuda a arredondar o valor de uma compra para cima, sem a necessidade de devolver o troco em moedas.

Alguns se incomodam com isso, outros saboreiam felizes a sua balinha, mas o fato é que o estabelecimento é quem ganha, afinal, ficou com o seu troco e vendeu um produto que você não tinha a intenção de comprar.

Agora imagine o Bradesco fazendo a mesma coisa em todos os seus débitos da sua conta bancária, só que em vez de te dar uma “balinha”, ele deposita este valor em centavos na sua conta poupança. Dessa forma, nada de balinhas, e o dinheiro ainda fica com você.

Com o tempo, esses centavos vão se transformando em reais, em dezenas de reais, e você poderá utilizá-los de uma forma mais inteligente no futuro.

Vemos um conceito parecido também nas brincadeiras que fazemos com nossos filhos, estimulando-os a depositar moedas no famoso cofrinho. Prática tão comum que várias pessoas a mantém mesmo depois de adultos, e muitos de nós conhecemos histórias de pessoas que já compraram coisas muito relevantes apenas juntando essas moedinhas.

O nome deste produto inovador é Poupa Troco Bradesco, e apenas para não haver dúvidas, um exemplo prático: se você pagar uma conta de R$ 26,30 no Bradesco e tiver aderido ao Poupa Troco, o banco irá cobrar R$ 27,00 e irá depositar os R$ 0,70 centavos restantes na sua conta poupança.

Segundo Altair Antônio de Souza, diretor executivo do Banco, este “é um jeito simples de poupar sem perceber. Acreditamos que num curto espaço de tempo teremos a adesão de pelo menos 300 mil clientes ao Poupa Troco Bradesco”.

Você também poderá escolher se quer aumentar este arredondamento para poupar mais, de forma automática. Confira mais informações no site do Bradesco (clique aqui).

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários