Estou escrevendo este texto logo após a informação de que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu reduzir a taxa básica de juros da economia, a Selic, de 13,75% para 13% ao ano.

Isso chamou a atenção de boa parte do mercado financeiro, que ficou alvoroçada. Afinal, havia um consenso na expectativa de uma redução menor, para 13,25%.

Nós do Dinheirama recebemos diversas mensagens parecidas, em que os leitores nos perguntam sobre como ficarão os investimentos de Renda Fixa; em especial os títulos do Tesouro Direto, que tanto gostamos como principal ponto de entrada nos investimentos mais inteligentes e que indicamos como uma ótima escolha.

Hoje quero analisar algumas coisas importantes sobre isso. Antes, porém, preciso dizer:

1) Se você quer entender melhor o que é a Selic, recomendo a leitura destes dois textos:

2) Apesar deste texto ser temporal, os conceitos podem ser aplicados em diversas interpretações da economia, afinal, ela é dinâmica e precisamos compreender isso para cuidarmos bem do nosso dinheiro.

A Selic e os investimentos em Renda Fixa

Os investimentos em Renda Fixa são divididos em três grupos, com diferentes características:

  • Pré-fixados: rentabilidade fixa, independente da variação dos juros;
  • Pós-fixados: rentabilidade varia, acompanhando a variação dos juros;
  • Mistos: possuem uma parcela pré e outra pós-fixada.

Dessa forma, como estamos dando ênfase para os títulos públicos, é importante reforçar que esse movimento de queda de juros gera variações na rentabilidade de todos eles (ela cai).

No entanto, essa variação de rentabilidade é diferente para quem está comprando um título agora e para quem já estava de posse de um título antes de os juros iniciarem a trajetória de queda. Vamos analisar caso a caso.

Tesouro Selic

Como ele é um título 100% pós-fixado, se você já tinha esse título na sua carteira ou pretende comprar de hoje em diante, a rentabilidade irá acompanhar a taxa Selic. Simples assim.

Ebook gratuito recomendado: Invista sem medo em títulos públicos

Tesouro Pré-fixado

Como ele é um título 100% pré-fixado, se você já tinha comprado um título desses bem antes da queda dos juros, você conseguiu garantir uma rentabilidade que provavelmente ficará maior que a própria Selic em algum momento (talvez isso já esteja acontecendo).

Houve momentos no ano de 2015, no ápice da crise e dos juros altos, que foi possível comprar Tesouro Pré-fixado pagando próximo de 17% ao ano de juros. Excelente! No momento em que escrevo, eles estão pagando algo próximo de 11% ao ano.

Na medida em que continue o movimento de queda da taxa de juros, a rentabilidade desse título, para quem ainda for comprar, deverá ser menor. Para quem já o tem em mãos, nada muda. Vale a rentabilidade que você garantiu quando comprou.

Tesouro IPCA

Como ele é um título misto, que contém um componente pré-fixado (juros fixos ao ano) e um componente pós-fixado (variação da inflação medida pelo IPCA), ele também vai sofrer variações em sua rentabilidade em função da taxa de juros.

Em termos bem simples e didáticos, o Copom decide alterar a taxa de juros na medida em que vai observando o comportamento da economia, a expectativa dos investidores e quando percebe que a inflação também está se movimentando.

Com a inflação em alta, os juros são elevados para conter a atividade econômica e “segurar” os preços. À medida em que a inflação diminui, como é o caso dos últimos meses, o Copom reduz os juros para reativar a economia. A isto se chama instrumento de política monetária, o que por consequência afeta a rentabilidade do Tesouro IPCA.

Daqui em diante, o raciocínio é similar ao dos títulos pré-fixados, que descrevi do item anterior. Já tivemos também em 2015 títulos Tesouro IPCA pagando cerca de 7% + IPCA. No momento em que escrevo, estão pagando algo próximo de 5,6% + IPCA.

Vídeo recomendadoTesouro Direto – dúvidas práticas e respostas objetivas sobre como investir

Rentabilidade real é o que importa

Aqui temos o conceito mais importante para você compreender. Quando investimos, buscamos dois objetivos principais:

  • Proteger o poder de compra do dinheiro;
  • Obter lucros reais para aumentar nosso patrimônio.

Dessa forma, qualquer investimento com rentabilidade acima da inflação terá cumprido com nosso primeiro objetivo. Aquilo que ultrapassar esse ponto será o lucro real para fazer nosso patrimônio crescer.

Assim, você não deve ficar preocupado pelo fato de a taxa de juros estar caindo. O que merece sua atenção e cuidados é a decisão de manter rentabilidade real positiva nos seus investimentos.

Veja só que interessante: conversando com meu amigo e analista de investimentos Roberto Indech, ele me disse que em 2016 a rentabilidade real do Tesouro Selic foi de 4,73% no ano (Selic menos inflação).

Para 2017, se considerarmos uma taxa Selic média de 12% e a inflação na casa dos 5%, teremos uma rentabilidade real de 6,67% no ano. Veja que apesar da queda nos juros, a rentabilidade real poderá ser maior, pois a inflação também está caindo, e num ritmo provavelmente maior que a própria Selic.

Podcast recomendado: Especial Fim de Ano, com Roberto Indech

Conclusão

Não há motivos para você se preocupar com a queda de juros, desde que você compreenda estes mecanismos e principalmente o conceito de juros reais.

Ainda que a rentabilidade real de seus investimentos em Renda Fixa venha a diminuir, existem várias outras formas de você multiplicar seu patrimônio, como a bolsa de valores, os investimentos-anjo, os negócios próprios e assim por diante.

Importante também é você sempre investir no melhor ativo de todos: o seu conhecimento. Só assim você será livre para tomar decisões acertadas, sem depender dos outros ou de informações duvidosas. Deixo um forte abraço e desejo ótimos investimentos!

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários