Agora você confere as principais notícias de 14/04/2018, sábado.

França chama Doria de mimado e diz que ele parecia possuído em entrevista

Um dia depois de ser chamado por João Doria (PSDB) de “Márcio Cuba” e revidar críticas com um pedido de investigação do tucano, o governador Márcio França (PSB) disse que o ex-prefeito da capital parecia possuído e desequilibrado ao fazer os ataques.

Doria afirmou, em entrevista à rádio Jovem Pan nesta quinta-feira (12), que o socialista usa a estrutura pública para “fazer política partidária o dia inteiro” e que alicia prefeitos e deputados, com promessas de verbas e cargos, em busca de apoio para sua campanha à reeleição.

Nesta sexta (13), França falou à mesma rádio: “É lamentável que o ex-prefeito, que abandonou sua função, venha em público falar isso como falou ontem. Desequilibrado, parece possuído, uma coisa esquisita”.

Os dois devem ser concorrentes na disputa pelo Palácio dos Bandeirantes, em outubro. O ex-vice-governador assumiu o cargo com a saída de Geraldo Alckmin (PSDB) para tentar a Presidência.

“Eu tenho que continuar trabalhando, eu sou governador de São Paulo. Vou fazer de tudo para ser correto com o povo que me elegeu”, disse o chefe do Executivo.

França exibiu, em sua participação, uma gravação de um evento no qual Doria fazia elogios e afirmava que o agora adversário é “uma liderança extraordinária”. No áudio, ele comentava a participação do socialista na articulação de sua campanha para a prefeitura, em 2016.

Supremo define data para julgamento de foro privilegiado

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, marcou para o mês de maio a retomada do julgamento sobre a restrição do alcance do foro privilegiado para parlamentares federais. A ação é o primeiro item da pauta da sessão plenária do dia 2 de maio.

No último dia 27 de março, o ministro Dias Toffoli devolveu à vista e liberou para julgamento a questão de ordem que discute a limitação da prerrogativa.

Em 23 de novembro do ano passado, Toffoli pediu vista (mais tempo para análise) no julgamento, depois de ter sido formada maioria no STF para reduzir o alcance do foro privilegiado para deputados federais e senadores.

À época, Toffoli disse que precisava refletir melhor sobre o assunto e esclarecer eventuais dúvidas sobre as consequências da tese defendida pelo ministro Luís Roberto Barroso, relator do processo.

Sete ministros já deram votos favoráveis ao entendimento de que o foro privilegiado para políticos só vale se o crime do qual forem acusados tiver sido cometido no exercício do mandato e se for relacionado ao cargo que ocupam. Acompanharam o entendimento de Barroso os ministros Luiz Fux, Rosa Weber, Edson Fachin, Marco Aurélio Mello, Celso de Mello e Cármen Lúcia.

O voto parcialmente divergente, do ministro Alexandre de Moraes, também defende a limitação do foro apenas para crimes cometidos no mandato, mas propõe que nestes casos as infrações penais, independentemente de terem relação ou não com o cargo, sejam analisadas no STF de qualquer forma.

BC avalia fixar teto para tarifa no uso do cartão de crédito

Depois de fixar um limite para cobrança de tarifas em transações que usem cartão de débito, o Banco Central avalia estabelecer uma medida semelhante para os cartões de crédito, como forma de reduzir custos no sistema de pagamento brasileiro, afirmou nesta sexta-feira (13) o presidente do BC, Ilan Goldfajn.

Ele não deu mais detalhes sobre qual seria esse teto, mas a medida seria semelhante à estabelecida em março para tarifas de intermediação nos cartões de débito e que vai vigorar a partir de outubro deste ano.

Nas transações com cartão de débito, a taxa média de intercâmbio (que o credenciador paga ao emissor do cartão) foi estabelecida em 0,5% do valor da transação e limitada a 0,8%.

O objetivo é, segundo o presidente do Banco Central, que essa redução seja repassada ao credenciador (empresa que credencia os estabelecimentos aptos a usar cartões), ao lojista e ao consumidor por meio da concorrência.

“Obviamente nós vamos continuar avaliando se esse teto está correto, se tem que reduzir mais, vamos avaliar também se precisamos colocar um teto em outros tipos de instrumento, como o cartão de crédito”, dise. “Tudo isso faz parte da nossa agenda neste ano.”

Em evento do FGC (Fundo Garantidor de Créditos) em São Paulo, Ilan falou também sobre a regulação de fintechs.

“Não pretendemos regular em demasia, apenas regular em momento em que o sistema nos pede para fazer isso, como é com fintechs de crédito”, afirmou. O tema está sendo debatido em audiência pública.

Trump diz que ex-diretor do FBI deveria ser processado por mentir sob juramento

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acusou nesta sexta-feira (13), o ex-diretor do FBI James Comeu de vazar informações secretas e afirmou que ele deveria ser processado por mentir ao Congresso quando depunha sob juramento.

“James Comey é um VAZADOR e MENTIROSO comprovado. Virtualmente todos em Washington pensavam que ele deveria ser demitido pelo péssimo trabalho que fazia até que foi, de fato, despedido”, escreveu o presidente em sua conta no Twitter.

“Ele vazou informações SECRETAS, motivo pelo qual deveria ser processado. Ele mentiu ao congresso sob JURAMENTO. Ele é fraco e… desprazerozamente falso, como o tempo provou, era um terrível diretor do FBI. Seu manejo do caso da desonesta Hillary Clinton, e os eventos em torno dele, entrarão para a história como um dos priores “trabalhos mal feitos”. Foi uma grande honra demitir James Comey!”, completou o republicano.

A mensagem furiosa do presidente americano coincidiu com a exibição pela emissora americana ABC do trecho de uma entrevista com Comey em que o ex-diretor fala sobre várias questões ocorridas nos quatro meses em que esteve à frente do FBI depois da posse de Trump.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários