Vamos imaginar grandes lojas de varejo e comerciantes que vendem brinquedos durante o ano todo. A época de final de ano é especial e reconhecida por ter suas vendas aquecidas pelos desejos das crianças e pela maior insistência das fabricantes através de campanhas publicitárias em decorrência das compras de Natal.

Pense como um empresário do ramo. Vamos vender o máximo possível agora e simplesmente fechar a loja em janeiro e fevereiro, ainda mais no Brasil, em que “as coisas só voltam a funcionar depois do Carnaval?” ou, se falamos do fabricante, vamos fechar a fábrica depois do período das compras de Natal? Claro que não, afinal de contas é preciso vender, faturar e “girar” o estoque (e a produção) todos os meses.

Somos programados para comprar?

Sabe o que acontece? Os pais são programados para comprar presentes no Natal e também depois da passagem do ano, ainda que estejam em condições financeiras mais frágeis ou mesmo sem dinheiro. Isso mesmo! Estes pais são induzidos, por uma norma social, a comprar nas duas ocasiões.

Como assim? É simples: as fabricantes de brinquedos lançam novidades fantásticas nesta época e “bombardeiam” as crianças com propagandas sobre elas. Provocam os pequenos a ponto de eles desejarem incondicionalmente tais brinquedos e pedirem aos pais que eles sejam dados no Natal.

Eis que os mesmos fabricantes começam a entregar os brinquedos para as lojas, mas em quantidades menores do que a demanda. As novidades se esgotam rapidamente, mas muitas outras opções (não aquelas que as crianças desejam) permanecem disponíveis. A esta altura os pais já prometeram aos seus filhos fazer de tudo para que o Papai Noel traga a grande novidade – e quebrar essa promessa não parece uma boa ideia.

O compromisso é confrontado com a escassez. O resultado?

Os pais ouvem o discurso padrão de que “a novidade vendeu tanto que se esgotou”, mas não podem ir para casa de mãos vazias. Eles acabam comprando outros presentes para o Natal, quase sempre gastando um valor semelhante ao que gostariam de ter dado (de uma certa forma, querem “compensar” o filho pela “falha”).

Chega o Natal, os filhos ganham muitos presentes, se divertem, mas fazem questão de lembrar os pais de que aquele não foi o “acordo”. Cobram a grande novidade e carregam os pais de culpa em um momento recheado de fortes cargas emocionais. Aquilo fica na cabeça desses pais por algum tempo.

O que acontece em janeiro e fevereiro? A novidade prometida para o Natal volta às lojas, com um preço mais interessante, oferecido quase que como um “achado”. Os pais vão imediatamente comprar o brinquedo e o levam para casa felizes por poder honrar o combinado com os filhos semanas atrás. E gastam dinheiro para isso – por vezes, um dinheiro que eles não têm. Em pouco tempo, os pais gastaram muito dinheiro (e garantiram o Natal e o início de ano das lojas e fabricantes de brinquedos).

Compromissos exigem coerência

Vamos recapitular? Logo que a novidade foi lançada, os filhos bombardearam os pais com seus pedidos para as compras de Natal. Cena comum, os pais tomaram nota do desejo dos filhos e prometeram correr atrás de seu desejo. Neste momento, pais e filhos firmaram um compromisso, selaram um acordo.

Vocês notaram o que aconteceu nesta história? Os pais simplesmente agiram com coerência! Ao se comprometerem com seus filhos, os pais simplesmente buscaram honrar o acordo, o que é um ato social comum e desejável na nossa sociedade – cumprir uma promessa é ser coerente e considerado de bom grado.

Conclusões

Calma! Antes de sentir-se lesado e enganado, entenda que as normas sociais usadas para nos fazer consumir mais são também responsáveis por relacionamentos melhores e maior sinceridade na relação familiar. Compromisso e coerência são aspectos muito importantes e positivos do caráter de uma pessoa. Ponto.

O aspecto central da história contada hoje é outro: nosso processo de tomada de decisões envolve aspectos subjetivos e emocionais em cargas muito elevadas. Basta se lembrar de que muitas vezes nos endividamos além da conta para satisfazer promessas e compromissos, quando o correto seria respeitar os limites e lidar com a frustração.

Daí que o problema não é comprar agora e comprar de novo, mas sim definir prioridades em conjunto com a família – de modo que consumir será sempre natural e desejável desde que os objetivos principais da família sejam respeitados antes, durante e depois dos apelos de consumo. Não é fácil, mas isso você já entendeu. Boa sorte.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários