Agora você confere as principais notícias de 12/01/2019, sábado.

Bolsonaro chama ex-gerente da Petrobras de petista e defende indicação de amigo

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) voltou a defender, na noite desta sexta-feira (11), a indicação do capitão Carlos Victor Guerra Nagem para a gerência executiva de Inteligência e Segurança Corporativa da Petrobras.

” O capitão Nagem, funcionário da Petrobrás, ocupará a vaga da petista Regina Miki (foto) na Chefia de Segurança.”

Nagem já se candidatou a cargos públicos pelo PSC, em 2002 e 2016. Durante última campanha a vereador da capital paranaense, ele contou com o apoio do atual presidente, que aparece em vídeo pedindo votos para aquele que chama de “amigo particular”.

Na postagem, Bolsonaro publica uma foto de Regina Miki com pessoas atrás dela segurando cartazes de Dilma Rousseff.

Amiga do ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, a advogada Regina Maria Filomena de Luca Miki esteve por quase seis anos à frente da Secretaria de Segurança do Ministério da Justiça.

Foi exonerada em junho de 2016, na interinidade de Temer. A convite do ex-chefe da Petrobras, Pedro Parente, ela assumiu a Gerência Executiva de Inteligência da Petrobras em dezembro do mesmo ano, um mês depois de solicitar sua desfiliação do PT.

Antes de chegar ao governo federal, ela foi secretária da Prefeitura de Diadema, na gestão de José De Filippi —tesoureiro de duas campanhas presidenciais do PT.

A advogada também foi uma das estrelas dos comerciais da estatal veiculados em 2018, que falavam sobre as medidas anticorrupção adotadas após a Lava Jato. O vídeo em que ela dá o depoimento não está mais disponível no canal da estatal no YouTube.

Dólar fecha a R$ 3,7140 e termina semana estável

O dólar terminou a sexta-feira com pequena alta ante o real, após uma sessão de muito vaivém, sem se afastar no nível de R$ 3,70, com os investidores monitorando de perto o mercado externo e o noticiário à espera de novidades para tomar decisões de investimentos. A Bolsa brasileira recuou, mas termina a semana com alta de quase 2%.

A moeda americana encerrou com ganho de 0,10%, a R$ 3,7140, fechando a semana praticamente estável (-0,05%).

Um diretor de tesouraria de um banco estrangeiro afirmou que é preciso mais combustível, ou seja, noticiário favorável, para que o dólar continue em queda.

O Ibovespa, principal índice acionário do país, seguiu o tom majoritariamente negativo do exterior e fechou em leve baixa. O índice cedeu 0,15%, a 93.658 pontos nesta sexta.

As pressões de baixa vieram da queda nos papéis de Petrobras, Vale e do setor bancário.

Líder opositor se declara presidente interino da Venezuela e pede apoio dos militares

Juan Guaidó, chefe da Assembleia Nacional, o Parlamento venezuelano, controlado pela oposição, se declarou na sexta-feira (11), presidente do país e pediu ajuda dos militares para derrubar o presidente Nicolás Maduro.

O secretário-geral da OEA, Luis Almagro, um crítico de Maduro, chamou Guaidó de “presidente interino” da Venezuela no Twitter.

Em discurso diante de centenas de manifestantes em Caracas, Guaidó citou vários artigos da Constituição para reivindicar o poder. “A Constituição me dá legitimidade para exercer o cargo de presidente, para convocar eleições, mas preciso do apoio dos cidadãos para tornar isso uma realidade”, disse. “Devem ser o povo da Venezuela, as Forças Armadas, a comunidade internacional que nos levam a assumir o mandato.”

O líder opositor ganhou apoio internacional. “Parabenizamos a ascensão de Guaidó como presidente interino da Venezuela”, tuitou Almagro.

Em nota, a diplomacia brasileira também elogiou o presidente da Assembleia Nacional. “Saudamos a manifestação do presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, de estar disposto a assumir constitucionalmente a presidência da Venezuela, diante da ilegitimidade da posse de Nicolás Maduro.”

Imediatamente, Maduro fez um pronunciamento para mostrar que ainda tem o controle do governo. “Isso (a declaração de Guaidó) foi um show para desestabilizar o país”, disse o chavista. “De agora em diante, todos os dias eles vão montar um espetáculo. Se reúnem à noite para decidir qual será o show do dia seguinte.”

A ministra dos serviços penitenciários da Venezuela, Iris Varela, disse que já montou uma cela especial para colocar o presidente da Assembleia Nacional. “Guaidó, arrumei a cela para você, com seu uniforme. Espero que você rapidamente nomeie seu gabinete para descobrir quem vai te acompanhar”, escreveu Varela em sua conta em uma rede social.

Guaidó se tornou presidente da Assembleia Nacional no dia (5), em substituição ao opositor Julio Borges. O Parlamento foi eleito em 2016 com dois terços de maioria opositora. No ano seguinte, porém, o órgão perdeu completamente suas funções quando Maduro convocou uma Assembleia Constituinte, boicotada pela oposição, que assumiu os trabalhos legislativos.

Maduro tomou posse para um segundo mandato na quinta-feira (10). Diante do prédio da Suprema Corte, onde ele prestou juramento, havia apenas alguns apoiadores, uma situação diferente da multidão que o aplaudiu na estreia de seu primeiro mandato, em abril de 2013.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários