Bolsa de valores: o fator contaminação e os preços reprimidosÉ evidente que a má performance do Ibovespa é resultado de vários fatores, dentre eles: incertezas quanto à crise das dívidas soberanas na Europa, uma recuperação lenta nos Estados Unidos e prospectos desanimadores no front interno quanto ao controle da inflação e o crescimento da economia.

Tudo isso leva a um cenário de indefinições que assusta os investidores e traz bastante volatilidade aos mercados acionários. Estamos falando do risco sistêmico cujos efeitos podem ser sentidos por todos ou quase todos os setores.

Por outro lado, existe o risco não sistêmico, que atinge segmentos específicos do índice e, dependendo de suas participações, pode levar os mercados a quedas injustificadas ou exageradas.

E é nesse aspecto que quero me aprofundar hoje, por julgar que ele seja a semente para os grandes rallies futuros que serão vistos na bolsa de valores brasileira. Não estou aqui fazendo previsões de nenhuma sorte quanto à intensidade de movimentos de alta e de quando e por quanto tempo eles se sustentarão; apenas pontuarei algumas características das quedas mais recentes.

Apesar da contribuição significativa dos dois maiores pesos pesados do Ibovespa, que são as ações da Petrobrás e da Vale do Rio Doce, é um equívoco não observar o quanto o derretimento dos ativos do empresário Eike Batista foi determinante para o estado atual da bolsa de valores brasileira.

Não apenas pela participação dos títulos “X” na composição do índice – a OGX, conforme a carteira teórica divulgada pela BM&F Bovespa, em junho desse ano, representa 3,608% de todo o volume negociado -, mas principalmente pelo fator contaminação.

Com quedas homéricas, a OGX em várias ocasiões acabou reduzindo ganhos ou ampliando perdas do índice principal, já que os investidores decidem por se desfazer de ativos considerados promissores ou simplesmente a evitar compras muito substanciais.

Quando se tem uma sangria constante, por mais que os prospectos de determinados setores sejam positivos, muitos relutarão em adquirir títulos porque a contaminação é inevitável. Essa mistura de boas perspectivas e receio da imprevisível volatilidade é, em minha opinião, a semente plantada para repiques fantásticos nos próximos anos.

Em um mercado barato e na ausência de um evento catastrófico prestes a acontecer, os investidores avaliam que não há motivos para os ativos estarem naqueles patamares de preços.

Uma ajudinha do Federal Reserve – sem dúvida o grande player do momento – se comprometendo a manter os estímulos nos Estados Unidos somada a já conhecida fase das boas recomendações para as ações brasileiras e, de repente, o Ibovespa estará atropelando várias resistências importantes. Será algo semelhante a libertar os sentimentos reprimidos que estão levando muitos à hesitação.

Alguns anos depois, como sempre acontece, a agulha aparecerá para estourar a bolha e levar os mercados para patamares mais baixos novamente. Quem não se lembra do Investment Grade? O que está difícil mesmo de lembrar é como é a sensação de investir na BM&F Bovespa no território dos 70.000 pontos.

Foto de freedigitalphotos.net.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários