Ações - Gráficos

Artigo escrito por Christian, do blog CHR Investor.

Nos últimos anos, o mercado de capitais vem atraindo um grande número de novos investidores, que atraídos por reportagens superficiais da mídia sobre o assunto, estão cada vez mais ávidos por estrondosos retornos, com lucratividade bem maior que das aplicações tradicionais, como a poupança e os fundos DI

É verdade que os últimos 4/5 anos têm se mostrado excepcionais, não só para a bolsa brasileira, mas para principais bolsas do mundo. Todavia, isso não significa certeza de ganhos futuros. Neste cenário, o novo investidor tem sede de informações e fica ansioso para começar rapidamente a operar. E isso é ótimo, desde que alguns conceitos fiquem claros desde o início.

Hoje em dia, com o boom dos homebrokers, ficou muito mais fácil comprar ou vender um papel. A maioria das corretoras já oferece essa plataforma para os clientes, através de seus sites e sistemas web. Em questão de minutos, hoje é possível tornar-se sócio de uma grande empresa, como Petrobras, Vale, Bradesco, etc.

Ao decidir comprar uma ação o novo investidor deve saber que as ações podem ser:

  • ordinárias (ON), que concedem, àqueles que as possuem, o poder de voto nas assembléias deliberativas da companhia; ou
  • preferenciais (PN), que oferecem preferência na distribuição de resultados ou no reembolso do capital em caso de liquidação da companhia, não concedendo o direito de voto, ou restringindo-o.

Algumas empresas possuem os dois tipos de ações, mas isso não é regra. As empresas listadas no Novo Mercado, por exemplo, possuem somente ações ordinárias. Mas como escolher as ações que comprar? Essa é de fato, a questão fundamental. Isso vai depender de vários fatores, mas acho importante que o novo investidor conheça as duas escolas, fundamentalista e técnica (grafista), que o ajudarão na tomada de decisão.

A fundamentalista concentra seu estudo em determinar qual empresa comprar, analisando os balanços e os números da companhia. Através de algumas formulas (P/L, P/VPA,etc), é possível descobrir e determinar o preço justo do papel e concluir se é um bom momento de compra ou venda. Já a escola de análise técnica, utiliza os gráficos para determinar o melhor momento de compra ou venda. Através de indicadores, médias móveis, resistências, suportes e outros modelos, o analista avalia os pontos de entrada e saída e toma sua decisão.

As duas escolas possuem defensores fervorosos e não cabe aqui uma discussão sobre qual é a melhor. O importante é que o novato busque o máximo de informação para embasar suas operações e que principalmente tenha disciplina e paciência, visando rendimento sempre no longo prazo. Deixe a operação diária, a loucura do sobe e desce constante para os operadores e profissionais do ramo. Mas lembre-se de sempre conferir suas perdas, estipulando um máximo. Chegando lá, saia fora. No mercado, existe a hora de entrar, a hora de sair e a hora de não fazer nada. Na dúvida, fique de fora.

IMPORTANTE: Este artigo foi escrito pelo meu amigo Christian, do blog CHR Investor. Grande especialista do mercado financeiro, ele nos brinda com um artigo introdutório, porém enriquecedor sobre o mercado de ações e as particularidades para quem deseja nele se aventurar. Visitem o CHR Investor! É informação de qualidade com credibilidade. Valeu Christian. Parabéns pelo sucesso!

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários