Finanças pessoais, investimentos e moeda forteOntem, a Bovespa (BOVH3) e a BM&F (BMEF3) anunciaram consenso quanto a um acordo para a realização da integração de suas atividades. No dia 19 de fevereiro, as duas companhias informaram, através de um comunicado caracterizado por meio de fato relevante, que estavam conversando. A partir daí estipularam um prazo máximo de 60 dias para montar a estratégia da Nova Bolsa.

Já sob a perspectiva do novo negócio, as ações da BM&F encerraram a última sessão com alta de 6,66%, cotadas a R$ 16,80. Os papéis da Bovespa Holding avançaram 3,97%, negociadas a R$ 24,85. A integração das operações criará uma grande nova companhia, com um ativo mais atraente em termos de valuation e com projeções de crescimentos mais sustentáveis. Ganha nosso mercado de ações[bb]. Leia um trecho da nota divulgada ontem pelas bolsas:

“Estima-se preliminarmente que esta reorganização societária poderá, até 2010, atingir um potencial de economia de até 25% das despesas operacionais anuais da organização combinada, em função das sinergias existentes”

A Nova Bolsa (nome provisório), companhia aberta e com ações negociadas no Novo Mercado da Bovespa, terá uma reorganização societária que levará a uma emissão de ações ordinárias da nova empresa, para os acionistas da BM&F e da Bovespa, na proporção de 50% para cada um. Os acionistas da Bovespa Holding receberão ainda pagamento adicional de R$ 1,24 bilhão.

Presença e fortalecimento Global
Existia a possibilidade da CME (Chicago Mercantil Exchange) aumentar sua participação na BM&F com a idéia de tomar o controle da companhia. Tudo indica que esse temor ajudou na aceleração do processo de integração, com a finalidade de fazer frente a possíveis ofertas indesejadas, já que a união fortalece as bolsas brasileiras e mercado[bb] como um todo.

Bolsas no mundo todo estão se tornando companhias de capital aberto, com o objetivo de se tornarem mais agressivas e claro, atrás de maiores lucros. A primeira a entrar nessa onda foi a Bolsa de Valores Australiana (ASX), que emitiu ações e passou a operar seus próprios papéis.

Nesse cenário agressivo e em busca de oportunidades, passaram a surgir parcerias, fusões e muito confronto. Em 2007 se consolidou a união da Bolsa de Nova York (NYSE) com a Euronext, sediada em Paris. As bolsas de Frankfurt (FWB, da Deutsche Boerse) e Zurique (SWX) compraram a Bolsa internacional de Securitizações (ISE), nos Estados Unidos.

O quadro abaixo, criado pelo Grupo Estado, mostra o universo de fusões e aquisições no setor:

Bolsas de Valores pelo mundo

Bovespa e BM&F saíram na frente de outras bolsas importantes, como a Indiana BSE. As brasileiras responderam, já em 2007, por 70% da movimentação na América Latina, segundo dados da Economática. A nova companhia nasce como a terceira maior bolsa do mundo, com um valor de mercado de R$ 34,5 bilhões, considerados os preços de fechamento das ações na sessão de ontem (25/03).

Abaixo da Estréia
A fusão chegou ao mercado como boa notícia para os ativos Bovespa e BM&F. Entretanto, vale ressaltar que sua precificação ainda não é o suficiente para compensar a frustração de investidores que, após a IPO – Oferta Inicial – ainda acumulam perdas.

O prazo estipulado para a definição do comando da nova empresa é de 60 dias, com número de representantes iguais de cada uma. O negócio ainda está sujeito à autorização da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), bem como do BC (Banco Central) e do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

O Brasil se torna referência no mercado financeiro e de capitais
O lucro líquido da Bovespa Holding cresceu 139,9% em 2007, um ano marcado por um grande volume de IPOs (dentre os quais o da própria empresa). O montante chegou a R$ 478,5 milhões, sendo que em 2006 o lucro líquido foi de R$ 199,4 milhões.

O Brasil aos poucos descobre que o mercado de capitais e ações, mais que um mercado cheio de incógnitas e perdas, pode ser um instrumento confiável de captação de capital e de bons investimentos[bb], tanto para grandes quanto para pequenos investidores.

Todo esse sucesso também é fruto da organização e dos bons fundamentos da economia brasileira, que nos brindou com excelentes surpresas no ano passado. Fique de olho nas oportunidades! Até sexta.

O artigo foi construido com informações do Grupo Estado, Folha de S. Paulo, Infomoney e Portal Exame.

——
Ricardo Pereira é Analista Financeiro Sênior da ABET Corretora de Seguros, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para Marcio Eugenio.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários