Bovespa - AçõesLaura comenta: “Navarro, estou etudando um pouco mais sobre ações e Bovespa, especialmente depois deste ‘mini-crash’ das semanas anteriores e estou com algumas dúvidas. Você me ajuda? Vejo em alguns anúncios de ofertas de ações que as empresas publicam logotipos da Bovespa e do chamado Novo Mercado. O que é isso? Vejo também algumas empresas com o ‘selo’ Nível 1 e Nível 2. Poderia por gentileza explicar o que isso significa? Obrigada”.

Laura, que bom que está estudando mais sobre o mercado de capitais. Isso com certeza fará muita diferença no seu cotidiano financeiro. O interesse é a porta de entrada para o sucesso quando o assunto é dinheiro. Essa dúvida é bastante comum e outros leitores também já me questionaram de forma semelhante. Tentarei ser breve e bastante prático para evitar que o “economês” deixe a leitura entediante e lenta (nesse post isso é um pouco difícil, confesso). Em resumo, estes termos são indicadores de maturidade organizacional das empresas, facilitando sua classificação diante dos requisitos da Bovespa e de seus investidores.

Novo Mercado
As empresas que compõem a lista do Novo Mercado se comprometem, voluntariamente, a praticar uma boa governança corporativa, mantendo transparentes suas informações financeiras e estratégicas. Na prática, isso significa que essas empresas oferecem maior comprometimento e respeito ao acionista em comparação ao que é exigido por lei. São várias as regras para que uma empresa seja listada no Novo Mercado. Destaco as seguintes:

  • Seu capital social deve ser, obrigatoriamente, composto por ações ordinárias (ON), que dão direito a voto nas assembléias;
  • Divulgação de demonstrações financeiras de acordo com padrões internacionais IFRS ou US GAAP;
  • Realização de reuniões públicas com analistas e investidores, ao menos uma vez por ano;
  • Manutenção em circulação de uma parcela mínima de ações, representando 25% (vinte e cinco por cento) do capital social da companhia;
  • Adesão à Câmara de Arbitragem do Mercado para resolução de conflitos societários;

O Novo Mercado é o topo na cadeia de classificações e confere destaque às empresas diante da escolha por parte de fundos internacionais.
O Nível 1 na Bovespa
Este é considerado o primeiro nível de respeito às exigências de boa governança corporativa exigidas pela Bovespa. A adesão é voluntária e determina que a empresa deve comprometer-se a manter em circulação ao menos 25% de seu capital total, divulgar trimestralmente suas informações contábeis e adotar um calendário anual de eventos corporativos (datas definidas para reuniões com acionistas, assembléias etc). Confira aqui outros requisitos que fazem parte da lista.

Nível 2 da Bovespa
As empresas que desejam figurar nesta lista precisam, obrigatoriamente, cumprir com todos os requisitos do Nível 1 e ainda adotar características de controle administrativo mais rígidas. O Nível 2 é um preparatório para o Novo Mercado, sendo este o passo final normalmente desejado. O Nível 2 é um importante degrau de transparência e deve também ser levado em conta pelo investidor. Confira aqui outros requisitos que fazem parte da lista.

Quais as diferenças práticas entre Novo Mercado, Nível 1 e Nível 2?
Essa pergunta resume tudo o que escrevi até aqui e para facilitar, vejam o quadro comparativo criado pela própria Bovespa e poderão entender melhor cada um dos requisitos. Minha intenção é permitir que os termos sejam desmistificados. A missão da Bovespa é convencê-los de que eles funcionam, por isso prefiro que vejam o quadro lá mesmo.

Qual a razão para tantas exigências?
As exigências são ótimas para o investidor porque assim eles podem escolher as empresas melhor classificadas dentro de seu setor, evitando as eventuais possibilidades de fraudes contábeis e problemas administrativos. A Bovespa esclarece bem o papel da regulamentação apresentada:

Empresas listadas nesses segmentos oferecem aos seus acionistas investidores melhorias nas práticas de governança corporativa que ampliam os direitos societários dos acionistas minoritários e aumentam a transparência das companhias, com divulgação de maior volume de informações e de melhor qualidade, facilitando o acompanhamento de sua performance.

Com isso entendemos um pouco melhor a estrutura funcional da Bovespa diante das muitas empresas que compõem seu cadastro. O assunto é bastante técnico e complexo, mas a mensagem do artigo é clara e útil: quanto melhor a classificação nos indicadores exigidos, maior é a chance de bons resultados no médio e longo prazo. Antes que algum investidor atire um tomate em minha direção, não leve a afirmação anterior como verdade absoluta. Use as categorias de maturidade como mais um fator de decisão.

Aproveitem e adicionem o widget do iGoogle que mostra as maiores altas e baixas da Bovespa, gentilmente criado pelo Marcelo. Obrigado colega.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários