Brasil abre mais de 100 mil vagas com carteira assinada em marçoO Brasil marcou abertura de 112.450 vagas com carteira assinada em março, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado pelo Ministério do Trabalho na última quarta-feira (17). Analistas de mercado, sob consulta da Reuters, afirmam que a mediana das expectativas era de abertura de 110 mil vagas.

O resultado ligeiramente acima do esperado pelo mercado é o melhor para o mês nos últimos três anos. O desempenho de março foi inferior aos 123.446 empregos gerados em fevereiro e superior das 111.746 vagas abertas em março de 2012, nos dados sem ajustes.

O setor de serviços foi o principal gerador de empregos com carteira assinada no período analisado, com 61.349 vagas, já descontadas as demissões. O setor industrial registrou contratação líquida de 25.790 trabalhadores e a construção civil admitiu 19.709 operários. O setor da agricultura, por sua vez, fechou 4.434 vagas.

Para o Ministro do Trabalho, Manoel Dias, a melhora dos salários dos trabalhadores influenciou o avanço das oportunidades no setor de serviços e, consequentemente, o resultado de março.

Ele também argumentou sobre a indústria de transformação e o setor da agricultura. Segundo Dias, as oportunidades de trabalho na indústria mostram sinais de recuperação do setor e a seca no Nordeste e a entressafra influenciaram os dados negativos do emprego na agricultura.

Mercado de trabalho ajuda crescimento econômico

O governo prevê a criação de 2 milhões de vagas formais em 2013. Isso deve contribuir para manter o desemprego em mínimos históricos, em meio ao cenário de renda também forte.

A geração de empregos no mercado de trabalho é uma das principais variáveis que sustentam o crescimento econômico neste momento em que a retomada da economia ainda não deu sinais consistentes.

Segundo informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de desemprego no Brasil ficou em 5,6% (praticamente estável em relação a janeiro, quando marcou 5,4%) em fevereiro. Foi o melhor resultado para o mês desde 2002.

Dessa maneira, o brasileiro sente menos medo do desemprego e o Brasil vira destino para desempregados europeus que estão enfrentando uma forte crise no mercado de trabalho de seus países. O crescimento do mercado de trabalho também é uma forma de sustentar a popularização do governo.

A popularidade da presidente Dilma Rousseff está em níveis elevados. De acordo com levantamento feito pelo Ibope em março, sob encomenda da Confederação Nacional da Indústria (CNI), 63% avaliam o governo como ótimo ou bom, ante 62% em dezembro. A aprovação pessoal da presidente também oscilou 1 ponto para cima, passando a 79%.

Fontes: UOL | Terra. Foto de freedigitalphotos.net.

Willian Binder
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários