O relatório 2016/17 do Fórum Econômico Mundial sobre a competitividade global acaba sendo um retrato acabado do fracasso da gestão da então presidente Dilma Rousseff desde o fim de seu primeiro período (2011/2015).

O Brasil caiu da 48ª posição no ranking global, em 2012/2013 —entre 144 países—, para a 81ª agora —mas apenas entre 138 países. Ou seja, está abaixo da metade da tabela.

Foi o pior resultado desde 2007, quando o Fórum mudou a metodologia do levantamento, informa o relatório divulgado nesta terça-feira (27).

A queda brasileira foi tão impactante que o país deixou de figurar no “top 10” de competitividade entre os países da América Latina e do Caribe. Fica atrás não só de um clássico entre os países da região, em termos de desempenho, como é o caso do Chile, mas também de um país tremendamente pobre, a Guatemala.

Greve dos bancários se arrasta e já é uma das maiores desde 2004

A greve dos bancários, que entrou nesta quarta-feira (28), em seu 23º dia, já é a terceira mais longa desde 2004, quando a paralisação chegou a 30 dias.  Em 2013, a segunda maior do período, a greve teve 24 dias.

Ontem, após reunião com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), o Comando Nacional dos Bancários disse que os representantes dos bancos sinalizaram com um novo modelo de acordo, que passará a ter validade de dois anos, em vez de um, como ocorreu nos últimos anos.

“O acordo de dois anos pode ser uma boa alternativa, desde que traga ganho para os bancários”, disse Juvandia Moreira, presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região e uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários.

Em nota, a Fenaban disse que a negociação continuará hoje. Segundo os bancários, uma reunião está marcada para as 15h. Os trabalhadores reivindicam:

  • Reajuste de 14,78%, sendo 5% de aumento real, considerando inflação de 9,31%;
  • Participação nos lucros e resultados (PLR) de três salários acrescidos de R$ 8.317,90;
  • Piso no valor do salário mínimo do Dieese (R$ 3.940,24), e
  • Vales alimentação, refeição, e auxílio-creche no valor do salário mínimo nacional (R$ 880).
  • Também é pedido décimo quarto salário, fim das metas abusivas e do assédio moral.

eBook gratuito recomendado: Pai, Dinheiro!

Concorrente chinês do Google investirá até US$ 60 milhões em startups brasileiras

A multinacional chinesa Baidu, que domina o mercado de buscas pela internet em seu país, lançou um fundo para aplicar até US$ 60 milhões (aproximadamente R$ 194 milhões) em startups brasileiras.

A companhia pretende investir em 10 a 15 empresas nos próximos quatro anos. O alvo do fundo serão empresas que conectam serviços locais e off-line com a internet.

Entre as ferramentas que se enquadram na definição estão aplicativos para pedir comida, chamar táxis ou motoboys e agendar horários em salões de beleza. Dependendo das condições do mercado, o valor dedicado ao fundo pode dobrar no curto prazo, diz Yan Di, diretor da empresa no Brasil.

Esse é o primeiro fundo de capital de risco da Baidu lançado fora da China. A empresa informa que, em seu país de origem, investe em mais de 20 empresas de internet.

Mercado Financeiro

O mercado financeiro continua aguardando o desenrolar do cenário político nacional, com a reta final das eleições municipais.

No cenário externo as atenções estão voltadas para o Fórum Internacional de Energia com os membros da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) que estudam uma possível estagnação na produção de petróleo.

O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, operava às 11h30 em alta de +0,66%, com 58.768 pontos, enquanto o dólar subia +0,28%, sendo negociado por R$ 3,24.

 

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários