Brasil: Impossível não falar de CorrupçãoPrimeiro, calma, muita calma. Não aconteceu nada específico ou extraordinário que justificasse um título tão dramático como o usado neste artigo. Sou assim, gosto de chamar a atenção dos leitores, especialmente quando o assunto é sério. Corrupção é desses assuntos que me deixam bastante irritado. Chateado, até. Vejamos qual será sua reação depois de alguns importantes dados divulgados recentemente.

O André, leitor do Dinheirama, decidiu nos enviar um resumo de uma recente pesquisa realizada pelo Vox Populi/UFMG e publicada, com exclusividade pelo jornal Valor Econômico, que trata da corrupção desde o ponto de vista dos brasileiros. Ao todo, foram entrevistados 2421 cidadãos entre os dias 10 e 16 de maio de 2008, em todo o Brasil.

Uma conclusão óbvia, mas ao mesmo tempo chocante, me impressionou: os brasileiros consideram mais graves os efeitos colaterais e problemas causados pela corrupção[bb] quando esta é originada no governo ou nos empresários de nosso país. Por outro lado, quando atitudes cotidianas dos brasileiros são cercadas pelos “truques”, o brasileiro se sente mais vítima que bandido.

Quadro simplificado da corrupção
A corrupção no Brasil é muito grave: 77% dos entrevistados concordam com esta afirmação. Pois sabemos que ela existe, que ela prejudica o país e ainda assim não tratamos de combatê-la de forma mais entusiasmada? Ai começa minha indignação. Certo, 73% disseram ter percebido um aumento da corrupção nos últimos cinco anos. A indignação aumenta.

No entanto, um número interessante muda um pouco o foco da discussão: 75% dos participantes dizem que, na verdade, o que aumentou não foi a corrupção, mas a apuração de casos em que ela ocorre. A corrupção aumentou, mas os casos investigados e que se tornam públicos também. Será que a exposição é mesmo mostra de que os casos estão sendo levados mais a sério? A indignação dá lugar a uma reflexão.

Fico com a sensação de que este “conforto” é, além de passageiro, ilusório e perigoso. E, ufa, não estou sozinho: 82%, um dos maiores percentuais de concordância, acreditam que novas leis, com penas maiores e mais duras, devem ser criadas e aplicadas nos processos que envolvem a corrupção. Sinais de amadurecimento vêm acompanhados de dados intrigantes:

“Quanto mais próximos os atos corruptos estiverem do cidadão, mais inversamente proporcional é a lógica. Daí por que pagar propina para obter uma licença ou invadir uma terra pública são atos mais aceitáveis do que o achaque por parte de um policial ou o abuso do poder econômico de um empresário que financia ilicitamente uma campanha eleitoral.” (Maria Cristina Fernandes – Valor Econômico de 01/08/2008)

O que eu acho da corrupção?
Acreditar que atos cotidianos deliberados e associados à corrupção merecem menor destaque e importância que aqueles perpetrados pelas figuras públicas ou governo[bb] é a prova das distorções sociais, de valores e de educação vivida pela população brasileira. Sustento duas razões centrais para a questão da corrupção e seu quadro crônico no país:

1. O governo ainda faz pouco para fazer chegar ao cidadão a transparência necessária em suas decisões. Os inúmeros escândalos protagonizados pelo governo, as sabidas falcatruas políticas e a demora em se promover importantes reformas traduzem uma realidade cruel: a corrupção existe, assusta, mas não mobiliza nem o governo, nem a população. Há que se combater a impunidade, principal motor da corrupção.

2. Poucos brasileiros sabem explicar o que é o poder público, quais são suas responsabilidades e em que esferas ele atua. A educação incipiente contribui para formar superficiais indivíduos, cujos objetivos e interesses pessoais passam a se basear apenas nos princípios éticos transferidos pela nação durante sua formação. No país das filas duplas, das invasões de terra, do “está tudo certo” e dos assaltos aos cofres públicos, justificar sem ser punido ainda é mais fácil que trabalhar duro para conquistar algo. Ainda.

Odeio corrupção! A certeza da impunidade move muitas forças ocultas dentro de cada um de nós. As mesmas forças que, de repente, mostram-se alarmadas com informações como as publicadas pela pesquisa citada. Infelizmente, o sentimento passa rápido demais. Não deveria, mas passa. Mas, se dinheirama é uma palavra usada para representar todo o dinheiro desviado pela corrupção, Dinheirama é também esperança. Afinal, assim é o Brasil!

bb_bid = “74”;
bb_lang = “pt-BR”;
bb_name = “fixedlist”;
bb_keywords = “dinheiro,pai rico,mercado de ações,investir dinheiro,cerbasi”;
bb_width = “500px”;
bb_limit = “5”;

Crédito da foto para stock.xchng.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários