Por Gustavo Chierighini (@GustavoChierigh), fundador da Plataforma Brasil Editorial.

dinheirama-post-brasil-votos-futuro-distanteCaro leitor, geralmente venho com essa conversa de “votos” ao final do ano, sempre discorrendo pelos anseios de sempre, com poucas alterações aqui e ali. Algo cansativo, confesso, mas dizem que agua morna em pedra dura… Vocês sabem, a esperança é a última que tomba. E é sobre isso que escrevo hoje, esperança, mas sem pieguice, claro.

Antes dos votos propriamente ditos, algumas considerações. Em todos os cantos onde há algum tempo sentia euforia e ufanismo, hoje vejo apreensão. Os céticos que acreditavam apenas que uma parcela das promessas governamentais a cerca dos projetos de infraestrutura hoje amargam a constatação de que deveriam ter sido ainda mais céticos do que foram.

Para muitos que viam nas manifestações pacíficas e de grande vulto, de junho deste ano, o embrião de uma sociedade que se renovava em direção a um maior ativismo e com isso projetar uma democracia mais rica e sustentável, restou a solidão.

Até mesmo os grandes grupos empresariais de varejo, ligadíssimos na “nova classe média”, migraram do ânimo ainda persistente para o estado de receio e decepção.

Quanto aos desonerados, agraciados pelo rolo compressor do intervencionismo estatal, estes nunca se sentiram necessariamente beneficiados, eles sabem que a caneta que aprova, também liquida (ao sabor do humor e do “bom senso”).

Mas não cortemos os pulsos. Aqui, sem saída, sou obrigado a recorrer ao lugar comum dos lugares comuns, concluindo com a sentença de que toda ação (ou inação) sempre precede alguma reação.

Então, torcendo aos astros e no mais puro espírito de jogador (coisa que não sou), onde uma maré de azar pode sempre ser substituída pela onda da sorte, torço.

E essa torcida, que se traduz em alguns votos que compartilho com vocês, não me ocorre por acaso e nem tão pouco por simples aposta, mas muito mais pela crença de que realmente vivenciamos um ponto de inflexão histórico – no qual antigas e desgastadas convicções ideológicas cedem espaço à força inexorável da realidade.

Precisamos urgentemente de uma transformação cultural (a expressão “revolução” deixo aos autoritários de plantão, de esquerda e direita) que nos torne uma sociedade que estimule e valorize, no lugar de penalizar ou demonizar, os que produzem bens e serviços correndo riscos de verdade.

Precisamos, sim, de boa regulamentação, mas isso não estabelece nenhuma relação com excessos ou aporrinhações cotidianas e recorrentes. Remete, isso sim, ao ordenamento necessário para garantir eficiência, segurança e a necessária blindagem de eventuais abusos.

Não podemos mais ser lenientes com a ineficiência estatal, e nem tolerar mais o ambiente de insegurança jurídica no qual operamos.

No aspecto socioambiental, precisamos, de uma vez por todas, entender que não há ativismo mais sustentável e de maior resultado do que aquele que cobra do Estado que este cumpra com suas obrigações, investindo o orçado de forma completa e com eficiência.

É urgente recuperarmos a confiança interna e externa, mas baseada em realidade, fatos, atos construtivos, posicionamentos sólidos e conceitos confiáveis, no lugar de bravatas, euforias nacionalistas e outras bobagens do gênero. Sem isso, não há infraestrutura (criada na década de 70) que nos aguente.

No fundo, em meio à modorrenta dinâmica político-econômica que hoje nos aflige, penso que um embrião de dias melhores pode estar nascendo – e esta gestação, mesmo sem contar com alternativas eleitorais estruturadas, pode muito bem ser acelerada. Dependerá do nosso ímpeto por dias melhores. Até o próximo.

Foto handshake in Brazil, Shutterstock.

Plataforma Brasil
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários