Por Gustavo Chierighini, publisher da Plataforma Brasil Editorial.

Caro leitor, começo este artigo com um questionamento: você sabe me dizer o que está acontecendo com a classe produtiva do Brasil (entenda-se: empresariado estabelecido, empresariado nascendo, empresários em geral e profissionais corporativos)? O que aconteceu com os brasileiros?

Claro, eu poderia escutar como resposta que eles estão apreensivos, aflitos com os destinos da economia (com o êxito ou não do ajuste fiscal) e/ou que estão enfrentando mais uma crise relevante. São respostas verdadeiras e coerentes. Contudo, qual seria a resposta se eu ainda perguntasse: mas por que tanta passividade?

Ou melhor, por que nos tornamos assim, tão “fofinhos” e fáceis de levar por um estado, independentemente da legenda de plantão, que adora aportar nas nossas costas mais e mais responsabilidades, mas que detesta fazer o dever de casa? Não seríamos nós mesmos os culpados?

O fato é que, independentemente do latido forte (de cachorro grande) que representa o nosso peso econômico, as divisas que trazemos e a arrecadação que geramos com suor e noites mal dormidas, atuamos tal qual um poodle miniatura em meio a pitbulls bravos, pesados e manipuladores.

(É importante o leitor não confundir voz ativa e protagonismo empresarial com cooptação para negociatas, adesão financeira a projetos e poder ou acordos para a manipulação de contratações públicas).

Nossas entidades empresariais até mesmo são consultadas, colocam seus pontos de vista, argumentam, concedem entrevistas para a imprensa procurando com isso alguma ressonância na sociedade, mas o que se sabe é que o seu poder para influir e sensibilizar a máquina pública é absolutamente diminuto.

O nosso mundo produtivo se lança, altivo, assumindo cada vez mais intermináveis responsabilidades sociais (resignando-se ao aceitar que vencer uma causa trabalhista é caso raríssimo) e cuida das questões ambientais (enquanto estatais responsáveis pelos recursos hídricos convivem com desperdícios inexplicáveis).

Executivos de diversas empresas (uma maioria, felizmente) promovem o voluntariado nas suas fileiras, mas na hora de defender os interesses da produtividade (que em última análise beneficiam toda cadeia econômica), escondem-se embaixo da cadeira.

Isso é compreensível, até certo ponto. O nosso mundo corporativo não foi feito para reclamar, para lutar por direitos, foi feito para produzir. Nos corredores corporativos, quem reclama ou se impõe contra a boiada logo recebe um estigma.

Quem reclama ouve coisas tipo “Ah, ele não é proativo” (quem inventou essa expressão?) ou ainda recomendações do tipo “Não me venha com problemas, eu quero soluções” – e nessa dinâmica vamos levando a vida, arrecadando impostos escandinavos e buscando a “meta-competência” no mundo de Antártida.

Não é incomum escutarmos na narrativa de eventos empresariais e de especialistas em gestão sentenças recheadas de assertividade, tais como: “As vendas caíram? Trabalhe mais” ou “A situação está ruim, então acorde mais cedo e trabalhe dobrado”.

É obvio que apenas reclamar não resolve muita coisa, mas a nossa timidez institucional acarreta consequências muito penosas para quem toma risco (seja o risco do emprego que pode ser perdido ou do investimento feito) e gosta de trabalhar.

É uma questão de produtividade e eficiência do capital investido, uma questão de resultados mais robustos e menos sustos econômicos, que por sua vez prejudicam toda a cadeia econômica e social.

Precisamos de uma mudança de atitude e postura, de uma vez por todas, ou passaremos a existência vendo segmentos de imenso potencial naufragando. Neste sentido, recomendo uma leitura panorâmica sobre o setor sucroalcooleiro, bastante emblemático no Brasil.

Há também o setor de defesa, tradicionalmente responsável pela grande carga de tecnologia sensível para aplicação civil e emprego estratégico, que convive com uma mortalidade empresarial elevadíssima e ciclos econômicos de crescimento que não se sustentam e pousam na pista poucos anos depois da decolagem.

Necessitamos urgentemente de protagonismo em alto nível, reconquistando o respeito e os ouvidos das lideranças públicas! Hoje pagamos um preço altíssimo pela nossa voz fraquinha e a nossa vontade doentia de nos adequarmos ao que dita a bota do “politicamente correto”. Brasileiros, precisamos de vocês!

Permitir as derrotas econômicas por pura timidez, sem falarmos grosso, avisando a proximidade do abismo que resultará invariavelmente em falências, desemprego e miséria é talvez o melhor exemplo de um comportamento bastante politicamente incorreto. Até quando? Até o próximo.

Foto “Heavy bag”, Shutterstock.

Plataforma Brasil
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários