Quando foi divulgado pelo governo que os brasileiros teriam acesso ao saldo das contas inativas do FGTS, a expectativa geral era de que o dinheiro se tornasse um combustível para que a economia do país voltasse a crescer.

A Lendico, plataforma online de crédito pessoal, fez um levantamento com quase mil brasileiros para descobrir como eles usaram o dinheiro resgatado das contas inativas do FGTS.

Como era de se esperar (pelo menos sempre imaginamos isso aqui no Dinheirama) a maioria, 64%, tentou pagar suas dívidas, porém destes somente 31% das pessoas que responderam à pesquisa conseguiram quitá-las integralmente.

Além disso, 10% usaram o dinheiro para reformar ou construir um imóvel; 7% para compra de um bem; 7% para investimento; 2% para abrir ou investir em um negócio; 2% para viajar; e outros 8% para outros motivos.

Dos que usaram o dinheiro para pagar dívidas, 32% pagaram o cartão de crédito, 23% despesas da casa, 15% cheque especial, 14% empréstimos, 5% financiamentos e 10% outras dívidas. E destes 31% pagou toda a dívida, 27% pagou menos de 25% do que devia e 5% pagou mais de 75% das contas em débito.

“A maioria fez bem em usar o dinheiro para pagar dívidas com juros altos, como o cartão de crédito ou cheque especial, mas quem não conseguiu pagar na totalidade deve se livrar o quanto antes da dívida, para que ela não volte a crescer”, ressaltou Marcelo Ciampolini, CEO da Lendico.

eBook gratuito recomendado: Riqueza pessoal é possível

Crise política e desemprego

A crise política fez com que muitos brasileiros mudassem os planos e, neste sentido, pagar as contas e tentar guardar um pouco de dinheiro se tornaram objetivos importantes.

Os números apontados na pesquisa da Lendico corroboram com a expectativa de uma pesquisa do início doa ano, realizada pelo site Reclame Aqui, que apontava naquele momento a tendência de os brasileiros priorizarem o pagamento de contas.

 

A falta de perspectiva com o final da crise política e os números preocupantes do desemprego também são determinantes para que o brasileiro continue cauteloso.

eBook gratuito recomendado: Invista sem medo em títulos públicos

Essa deve ser a tendência até pelo menos o final do ano, quanto o clima de festa tende a proporcionar um alívio ao comércio de uma forma geral. Mas ainda é cedo para apostarmos em uma recuperação efetiva (e rápida) da economia.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários