Home Finanças Pessoais Brechós online: você já experimentou um deles?

Brechós online: você já experimentou um deles?

por Janaína Gimael
0 comentário

Quando eu era criança e ouvia falar sobre brechós, sempre me vinha à cabeça aquela ideia de coisa antiga, velha, que provavelmente estava com cheiro de naftalina. Com o passar dos anos, fui percebendo que os brechós poderiam ser uma alternativa muito legal para conseguir peças interessantes a preços mais baixos, bastava garimpar. E então veio a internet e toda a revolução provocada por ela.

Passaram a surgir os brechós online, cada vez mais sofisticados, diferenciados, apoiando-se nas muitas ferramentas e redes sociais para funcionar e trazendo uma alternativa fácil para quem quer fazer muita economia e ainda ganhar um dinheiro. E como obviamente sempre é bom economizar e ganhar um extra, a minha pergunta é: você já tentou experimentar um deles? Já se deu a oportunidade de encontrar aquela peça incrível gastando muito menos do que em um shopping?

Imperdível: 5 ações para comprar agora

Coisa usada, mas com qualidade

Vamos pensar em uma coisa: quando falamos de roupa de criança, é bem natural que aconteça aquela troca entre irmãos, sobrinhos, primos, amigos. Afinal, criança perde roupa super fácil, e geralmente as peças que não servem mais continuam novas e podem ser muito bem aproveitadas por outros pequenos, não é mesmo? Mas quando nos tornamos adultos parece que a coisa não acontece bem desta forma.

Eu costumo trocar muitas peças com minha irmã e até amigas que usam números semelhantes, mas vejo que muita gente ainda tem certo preconceiro de pensar em roupa usada. Será que não é uma bobagem?

Algo legal nos brechós que passaram a existir através da internet é que dá para ver as peças de forma rápida e fácil através da telinha, sem contar que os próprios usuários acabam contando se vale a recomendação do lugar ou não.

Ou seja, tudo virou um livro aberto, de forma que fica muito mais fácil comprar roupas e acessórios de segunda mão, com qualidade e a preços mais baixos. E é claro, vender também aquilo que está largado no guarda-roupa! É uma forma de ganhar um extra e movimentar a energia, já falamos sobre isso outras vezes, não é?

eBook gratuito recomendado: Como falar sobre dinheiro com o seu filho

O caso da TROC

Um brechó online muito interessante que conheci recentemente se chama TROC. Na verdade eles explicam que é um e-commerce que vende marcas premium nacionais e internacionais com um belo desconto, muitas vezes de até 70%!. Foi lançado em dezembro de 2016 pelos sócios Luanna e Henrique Domakoski e a ideia veio enquanto faziam suas especializações no exterior, ela em Harvard e ele no MIT.

Depois de um ano de pesquisas sobre comportamento de compra das brasileiras e desenvolvimento da plataforma, o TROC foi ao ar, e hoje cresce cerca de 100% ao mês e recebe em média 2 mil peças mensais para venda, várias de marcas como Channel, Animale, Mixed e Dior. As peças seminovas passam uma curadoria que não aceita itens manchados, incompletos ou com marcas de uso.

“Costumamos falar que é a chance de comprar um produto de luxo, em perfeito estado, até 80% mais barato que o preço original. Sem contar a economia, essa prática é sustentável. Asseguramos para todos os produtos que são vendidos no TROC 100% da qualidade e autenticidade”, explicam, afirmando que os itens mais procurados são bolsas, vestidos e sapatos.

Baixe grátis: Guia completo sobre investimentos

Blogueiras influenciam

O Henrique explica que as blogueiras e celebridades da moda acabam influenciando também as outras consumidoras, sinal dos novos tempos, claro. “É possível acompanhar o cotidiano dessas personalidades e usufruir dos mesmos produtos com práticas bem mais econômicas para as consumidoras”.

Sobre quem vende, ele lembra que, alguns anos atrás, com a economia extremamente aquecida, as pessoas consumiram muito, adquiriram vários produtos novos e compraram marcas que não compravam anteriormente. “Com o cenário econômico atual desafiador, esses itens “sem uso” passaram a ser uma alternativa de renda extra e, com isso, as pessoas passaram a vender mais em brechós. Por outro, as pessoas têm o desejo de sempre possuírem novas roupas e acessórios, sem deixar de lado as marcas premium e de luxo”, explica.

No caso de quem quer vender para a TROC, basta enviar as peças que se encaixam em uma lista de marcas que o site aceita para análise. O envio é sem custo. Se forem aceitas, o vendedor fica com lucro de até 70%. Ficou com vontade de conhecer melhor as possibilidades dos brechós online? Separei mais 5 sugestões para que você possa comprar e vender peças e acessórios. Lembre-se de perguntar as taxas cobradas antes de fazer negócio. E depois sinta-se à vontade para comentar os resultados!

Palestras gratuitas recomendadas: Conrado Navarro e convidados falam sobre finanças pessoais e empreendedorismo

Dicas de brechó online

  1. Repassa – Divide as roupas entre “gentilmente usadas” e “com etiqueta” e tem o projeto sacola do bem, onde parte do dinheiro das vendas pode ir para causas como Graac e Fundação Abrinq. Quem vende é que escolhe.
  2. Garimpário – Algo interessante é que o brechó produz editoriais fotográficos com sugestões de looks com peças que estão à venda. Dá para buscar inspiração antes de comprar.
  3. Fora do Closet  – Aqui dá para encontrar até joias, como correntes e pingentes Tiffany´s. Que tal comparar os preços na loja e no brechó antes de comprar? Certamente você fará uma boa economia.
  4. Capricho à toa – Este brechó cheio de peças interessantes tem até vídeos com dicas de looks legais com as peças à venda. Vale dar uma olhada.
  5. Brechó da Sté  – a Stéfanie resolveu abrir um brechó online quando se mudou e precisou abrir mão de 25% de suas coisas. A partir daí, passou a garimpar peças (desde outros brechós a peças de amigas e familiares) e oferece tudo pelo Facebook. Ela faz venda consignada também.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.