Caderneta de poupança em tempos de alta inflaçãoTodos já ouvimos algumas frases emblemáticas em nossas vidas, não é mesmo? Algumas, com um sentido super afinado, podem ser atribuídas e usadas amplamente no dia-a-dia. Ao ler um dado divulgado recentemente pelo Banco Central, de imediato lembrei-me de uma dessas frases e fiz um pequeno exercício de imaginação.

“Há males que vêm pra o bem”, conhece? E se pensarmos no contrario, como que imaginando algum bem que se mal empregado se torna mal? A informação do BC dá conta que a caderneta de poupança apresentou saldo positivo em sua captação líquida do mês de maio. Simplificando, entrou mais dinheiro na poupança do que saiu.

Então o brasileiro começou efetivamente a poupar? Sim! Certo, mas o que isso tem a ver com os males ou com algo interessante que mal empregado pode estragar? A notícia, se analisada no contexto geral, é boa, mas podemos também mostra como o brasileiro ainda desconhece o mercado financeiro[bb] e, assim, não busca oportunidades de investir melhor e ter rentabilidades mais atraentes.

A inflação aparece para complicar a equação.
Se você acompanhou o Dinheirama nas últimas semanas, provavelmente percebeu que um tema vem sendo amplamente discutido: a inflação. Para o investidor[bb], ela é um dificultador enorme, pois o obriga a batalhar sempre mais, de forma a vencer o custo de vida.

Com saldo positivo de R$ 1,096 bilhão em maio, e compensando déficit de R$ 1,848 bilhão apurado em abril, a poupança registrou rentabilidade de 0,54%, enquanto a inflação, aqui medida através do IGP-M, chegou a 1,61%.

No acumulado do ano a poupança sustenta uma rentabilidade de 2,9%, enquanto o IGP-M chega a 4,74%. Isso significa que o retorno real da poupança é negativo, já que sua rentabilidade não é suficiente para cobrir a elevação no custo de vida.

Então trata-se de um péssimo negócio?
Se por um lado o brasileiro começa a poupar, ele ainda não percebeu que caderneta de poupança não deve ser o investimento mais utilizado em épocas de alta de preços e inflação. Outras alternativas, como os títulos públicos atrelados à inflação, são mais interessantes.

Em seu recente artigo “Inflação versus investimentos pessoais”, o Navarro adiantou-se na análise sobre o efeito que a inflação causa ao retorno sobre os investimentos:

“Fica fácil notar que, em média, só as aplicações em ações venceram o IGP-M medido até o mês passado. Isso significa que todo o retorno médio de suas aplicações, até agora, não conseguiu garantir a manutenção de seu custo de vida ou poder de compra. Essa razão, sozinha, já é um grande incentivo para que análises como as usadas neste artigo passem a fazer parte do cotidiano de mais brasileiros”

A frase foi dita em um contexto geral de investimentos[bb]. Vale lembrar que mesmo alguns fundos e os CDBs tiveram rentabilidade inferior à escalada da inflação, mais ainda sim com perdas menores que as da poupança.

Poupança como uma opção de reserva
Trate a caderneta de poupança como uma boa opção para um fundo de reserva. Um local seguro e de alta liquidez, que pode ser seu porto seguro em momentos de necessidade, evitando empréstimos e o uso indiscriminado do crédito pessoal. No entanto, não considere-a como seu principal investimento.

Já é possível encontrar investimentos com rentabilidades mais atrativas, cujos aportes iniciais são inferiores aos de pouco tempo atrás. Com R$ 100,00 já é possível conseguir bons resultados, como mostra o ótimo exemplo dado pela corretora Geração Futuro, que se especializou em oferecer oportunidades para pequenos investidores.

Outra possibilidade é juntar alguns amigos, parentes e colegas e montar um clube de investimentos. Já escrevemos sobre isso também. Confira o artigo “Clubes de Investimento são uma boa”.

Opte sempre pelo conhecimento
Ao optar por lutar e buscar melhores oportunidades para o futuro, você estará também se qualificando, estudando e crescendo com seu patrimônio. Quem fica parado, imaginando o que aconteceria se isso ou aquilo fosse diferente, peca pela preguiça, pelo medo. Ganha pouco, vê seu patrimônio estagnar.

Atitudes vencedoras fazem a diferença, afinal ninguém nasceu sabendo. Mais frases típicas e que estão na boca do povo. Agora precisam passar ao bolso. Despeço-me com um provérbio chinês que retrata o quanto nossas escolhas são importantes:

“Podemos escolher o que semear, mas somos obrigados a colher aquilo de plantamos”

Abuse das frases de efeito, mas só se elas realmente tiverem efeito prático em sua vida. E em seu bolso. Bom final de semana!

——
Ricardo Pereira é Analista Financeiro Sênior da ABET Corretora de Seguros, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para stock.xchng.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários