Caixa é acusada de venda casada em crédito imobiliárioVenda casada é quando um consumidor adquire um produto e leva conjuntamente outro, sendo que o fornecedor do produto condiciona que o consumidor só pode adquirir o primeiro se adquirir o segundo. No Brasil, a venda casada é crime, expressamente proibida pelo artigo 39 do Código do Direito do Consumidor.

Assim, a acusação de que a Caixa Econômica Federal está praticando venda casada é preocupante. Para o Ministério Público, o fato de uma empresa pública federal estar cometendo esse tipo de crime é ainda mais grave, visto que ela é selecionada pelo governo para funcionar como operadora do Sistema Financeiro de Habitação e contribuir para a implementação do direito fundamental à moradia.

O Ministério Público no Espírito Santo (MPF/ES) ajuizou uma ação civil pública para impedir a Caixa de desfrutar do mercado de crédito para vincular a liberação de financiamentos à obtenção de outros produtos e forçar os consumidores a contratarem serviços que a eles não interessam.

Punições

O banco informou que ainda não foi citado no processo, mas negou que pratica a ação. Dessa maneira, a Caixa poderá ser impedida de realizar qualquer exigência de aquisição de produtos ou serviços como condição de análise e concessão de financiamento imobiliário. O MPF/ES pede o pagamento de uma indenização por dano moral coletivo de, no mínimo, R$ 10 milhões mais uma multa de R$ 10 mil por consumidor lesado.

Além das multas, o MPF/ES também pede a inserção de informações sobre os atos que constituem venda casada nos contratos de financiamento firmados com o banco e que seja declarada como venda casada qualquer movimentação que indique a necessidade de compra de outro produto ou serviço, sob pena de tratamento menos vantajoso ao consumidor.

A distinção de tratamento entre consumidores correntistas e não correntistas também está entre as punições. A instituição financeira deve ser proibida de tal prática e obrigada a divulgar em suas agências e empresas terceirizadas as principais informações sobre os financiamentos imobiliários.

Em janeiro passado, a Caixa Econômica Federal também foi denunciada pelo MPF/ES por prática de venda casada nos financiamentos do programa habitacional “Minha Casa, Minha Vida”, do governo federal.

Por que essa notícia é importante?

Ela nos mostra que a prática de venda casada pode ser mais comum do que imaginamos. Se, como o próprio Ministério Público do Espírito Santo alertou, uma empresa pública federal está praticando tal ato, o que podemos pensar de tantas outras empresas que buscam aumentar seus rendimentos a todo custo?

Em orientação ao consumidor, o PROCON de Santa Catarina lembra o item “Seguro, Perda e Roubo” que aparece na fatura do cartão de crédito. Muitas vezes, esses seguros nem são ofertados ao consumidor, mas aparecem automaticamente na conta a ser paga.

Como o valor é relativamente baixo comparado ao total da fatura, muitos deixam passar e não se preocupam. No entanto, vale o raciocínio de que o valor é pequeno para um consumidor, mas multiplicado pelos milhões de clientes da instituição resulta em uma receita extra gerada de forma ilícita. Fique atento!

Fontes: G1 | InfoMoney | PROCON-SC. Foto de freedigitalphotos.net.

Willian Binder
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários