Carreira de sucesso: 5 passos para vencer na profissãoO que é ser bem-sucedido para você? Como definir sucesso? Na busca por respostas que façam sentido para mim (isso é muito subjetivo), confesso que passo um bom tempo analisando a postura de pessoas de sucesso. Comprei vários livros e procurei inspiração na biografia de vencedores, aqueles que conseguiram prosperar e sobreviver a períodos de grande agitação e tiveram que superar adversidades como miséria, problemas de saúde e etc.

De todas as características das pessoas que passei a conhecer, algumas delas me chamaram a atenção: a força de vontade e a capacidade de não se abater com situações limites (onde o desespero naturalmente tomaria parte) tomam à frente em meus pensamentos.

Com o tempo, percebi que cada pessoa possui diferenciais que fazem dela alguém único. Percebi que toda história de superação merece ser observada e levada adiante, para servir de inspiração para outros que nem sempre percebem que é natural e até necessário lidar com problemas.

Os problemas nos mostram o quanto somos fortes e determinados para, em situações extremas, “tirar leite de pedra”.

Alguns amigos que acompanharam de perto minha jornada profissional sempre me perguntavam o que eu havia feito para chegar até aqui. Eu ainda não havia parado para pensar nos passos que segui e não me imaginava como um espelho. Para falar a verdade, ainda me considero alguém que está no começo e que quer conquistar muito.

Ainda assim, topei o desafio de questionar meu caminho. Percebi que sempre busquei seguir cinco passos, que juntos funcionam como um plano de carreira para mim. Veja se o que descobri faz sentido para você também.

1. Não se colocar como vítima

É muito comum perdermos muito tempo com autopiedade. Então, quando um colega consegue uma promoção ou mesmo consegue abrir o próprio negócio chegando a uma situação importante, nos colocarmos em um degrau abaixo. “Ele conseguiu isso porque ele pode estudar” ou “Porque a família dele deu um incentivo maior” é comum ouvir por ai.

Os vencedores nunca perdem tempo com pena de si próprios. Não, eles erguem os braços e observam o que precisa ser feito de diferente para o crescimento e para ir de encontro com seus objetivos. Se alguém foi lá e fez (e agora o caminho está “descoberto”), que ele sirva de inspiração, e não de fonte inveja.

2. Atitude de vencedor

Se sempre procurei fugir da autopiedade, ao mesmo tempo sempre valorizei muito a atitude de vencedor inteligente, que é aquele que olha ao seu redor e percebe exatamente o que o fez vencer. É imprescindível valorizar a equipe e ser o exemplo, o que chega antes e o último que sai do trabalho.

Um vencedor nato que sempre tive como grande exemplo foi Ayrton Senna e uma de suas frases que sempre me obrigo a reler e memorizar é essa: “Nas adversidades uns desistem, outros batem recordes”. Eu quero ir além. Sempre.

3. Se quiser algo bem feito, faça você mesmo

Valorizo muito o trabalho em equipe e sempre me vejo delegando atividades, entretanto, algumas questões precisam ser sempre tratadas de maneira pessoal. Jamais terceirize a outras pessoas a responsabilidade de prosperar, isto é, não fuja de oportunidades que surgem, durante todos os dias, de mostrar sua dedicação e competência.

Em alguns momentos, você terá que correr riscos e chamar para si a responsabilidade de decidir. É como no futebol, em que só perde o gol quem bota a bola debaixo do braço e bate o pênalti decisivo no último minuto. Quem se esconde não será valorizado nas vitórias e poderá ser sempre sinônimo de derrota.

4. Foco nas soluções e não nos problemas

É muito comum encontrarmos equipes inteiras preocupadas em solucionar problemas. Primeiro, se faz uma análise da situação e em seguida começa um processo de “buscar culpados”, afinal “alguém tem que ser penalizado”. Esse erro custa muito! Custa principalmente tempo, e tempo é certamente o ativo mais valioso em qualquer ramo de atividade.

Sempre optei por “pensar fora da caixa”, lembrando que os problemas precisam ser práticos e não abstratos. Meu sócio, Conrado Navarro, é muito feliz em uma frase que sempre fala em suas palestras que trata exatamente da dificuldade das pessoas em entender o que realmente querem e precisam fazer para problemas simples.

“Muitos dizem ‘Quero emagrecer’ e repetem isso constantemente, o que representa um objetivo abstrato, difícil de mensurar e quantificar. Seria muito mais fácil dizer ‘Vou caminhar 30 minutos diariamente’, em que a ação necessária está clara – o emagrecimento aconteceria de forma natural”, ele diz sempre.

Nesse exemplo, fica claro que pensamos errado. Pense que melhorando a qualidade de vida com a caminhada também contribuirá para o resultado mais desejado, que é o emagrecimento. Foco na solução, não no problema.

5. Valorizar boas companhias

Como todo mundo, eu também vivenciei alguns altos e baixos. Tive, durante os momentos ruins, a companhia de pessoas que me mostraram opções, mas nunca o caminho. Aprendi com isso que o verdadeiro amigo não é aquele que te entrega tudo pronto, de “mão beijada”, mas aquele que te ensina (não o que faz tudo para você).

Consegui indicações e conquistei simpatia através de meu trabalho e dedicação. Escolher bem os amigos é também um exercício de sorte, mas a sorte sorri para quem a procura. Por isso, mesmo sem contar com ela é muito provável que ela sempre estará também ao seu lado se você praticar o bom senso e as cultivar boas companhias.

Conclusão

Sempre vão existir alternativas e nem sempre você vai tomar as melhores decisões. Tudo bem, isso faz parte da vida. Reconhecer o erro também é algo fundamental e necessário. Convido você a seguir os cinco passos aqui descritos. Eles me trouxeram até aqui e espero que sirvam para aproximar você e sua família de seus sonhos. Acredite, você chegará lá. Até a próxima.

Foto de freedigitalphotos.net.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários