O fator segurança merece prioridade na hora de avaliar se você precisa trocar de carro e, principalmente, no momento de escolher qual carro comprar. No último artigo publicado aqui, em que falei da segurança dos carros (clique), foi discutida com mais detalhes essa importância.

Ao observar algumas opiniões e dúvidas dos leitores, que coincidem com a visão ainda mantida por muitas pessoas, é preciso fazer um esclarecimento: para assegurar um padrão bastante aceitável de segurança, não é necessário gastar uma fortuna para comprar um sofisticado carro importado sueco ou alemão.

No passado, realmente a oferta de carros seguros era bem restrita no Brasil. Mas essa realidade, ainda que timidamente, tem melhorado. É claro que ainda temos uma série de desafios e disparidades (sobretudo quando falamos em segurança automotiva), quando comparamos os carros e seus preços com os similares vendidos em países de Primeiro Mundo.

Aliás, como já comentamos, existem entendimentos de que muitos dos nossos carros apresentam uma defasagem de cerca de 20 anos em relação aos europeus.

Mas o nosso foco aqui é buscar meios de superar, da melhor forma possível, essas dificuldades, pensando no seguinte: o que, você, como consumidor pode fazer para comprar carros seguros sem precisar gastar uma quantia muito grande?

Para procurar responder, de modo mais aprofundado, eu gravei um vídeo explicando o essencial que você precisa saber sobre o tema. Assista agora e descubra uma série de dicas e exemplos que dificilmente você encontrará em outro lugar:

1. Alguns exemplos baseados em casos reais

Antes de falar sobre os critérios e caminhos possíveis, acho interessante ilustrar o cenário com algumas histórias reais.

Recentemente, na minha consultoria automotiva pessoal, a Carro e Dinheiro (clique para conhecer), recebi o contato de uma cliente de Curitiba que tinha um foco acentuado na compra de um carro seguro, pensando na proteção à sua filha pequena.

Quando começamos a conversar, ela imaginava que teria condições de comprar um bom SUV usado, na faixa dos R$ 60 mil. Contudo, ao reavaliar o andamento financeiro da reforma de sua casa, verificou que teria que gastar bem menos na compra, que passaria a ser limitada na faixa dos R$ 35 mil a 40 mil.

Num primeiro momento, ela ficou bastante triste, achando que teria que se contentar com um “carro qualquer”. No entanto, após minhas explicações e informações, pudemos chegar a três bons carros sugeridos, que já seriam bastante adequados em termos de segurança.

Para citar outro exemplo, acho interessante comentar um caso pessoal. Em 2009, eu precisava comprar um segundo carro e eu já possuía um sedan médio de boa qualidade e seguro (curiosamente, no dia em que fui concretizar a negociação na concessionária, visitando o pátio, vi uma sucata de um modelo semelhante coberta por plásticos. Aparentemente, tudo indicava que havia sido um acidente muito grave para os ocupantes. Mas, para minha surpresa, fiquei sabendo que o motorista não sofreu quase nada e até acompanhou o guincho, mesmo depois de ter capotado o carro na região da Serra Gaúcha).

Na compra desse carro adicional para minha esposa trabalhar em outra cidade, passando inclusive por estradas de terra, eu precisava de um SUV que contemplasse uma longa lista de requisitos, mas que fosse muito seguro.

Foi algo bastante desafiador, mas sem gastar muito, eu pude comprar um que teve 4 estrelas (das cinco possíveis) nos testes de colisão internacionais. Essa história foi tão inusitada que resolvi contar em detalhes no primeiro capítulo do meu livro digital, o “Como Escolher o Seu Carro Ideal”. Aliás, você pode ler agora mesmo a história baixando a amostra grátis no site do livro (clique aqui).

2. O que fazer para comprar um carro seguro sem gastar tanto?

Como você já sabe, temos carros caríssimos no Brasil. Mais do que isso, por estarmos em um mercado emergente, há muitos projetos simplificados ou defasados que acabam pecando no fator segurança.

Inicialmente, somente é possível pensar na compra de um carro seguro se soubermos avaliar quais são aqueles que apresentam um bom padrão de segurança. Para tanto, recomenda-se verificar aspectos relacionados com o projeto (como o ano da geração, a estrutura de absorção de impactos, o histórico da fabricante e principalmente os resultados em crash-tests etc), bem como os itens de segurança ativa e passiva.

Evidentemente, para que a escolha ocorra de forma consciente, é essencial que esteja de acordo com sua capacidade financeira, levando em conta todos os custos e impactos financeiros gerados pelo veículo ao longo do tempo.

Para as pessoas que não podem gastar muito no preço de compra, existe a opção de comprar carros usados (ou seminovos) que podem oferecer muito mais em termos de segurança do que os 0km que seriam comprados pelo mesmo montante.

Aliás, quanto mais restrições houver em relação ao orçamento ou maior for o nível de exigência com recursos financeiros limitados, o caminho será buscar veículos com mais anos de uso. Dessa forma, devido à maior depreciação, será possível comprar “mais valor por menos preço”.

É claro que a compra de um carro usado merece uma série de cuidados para que possa valer a pena, sendo necessária atenção redobrada com carros importados, mais antigos ou de segmentos mais sofisticados.

Para aqueles que preferem ou não abrem mão da compra de um zero quilômetro, é importante atentar para vários fatores.

No segmento dos populares, estão correndo algumas evoluções, embora ainda lentas e restritas a raros modelos. Mas, sem dúvida, a obrigatoriedade do airbag duplo e dos freios ABS ajudou a melhorar o cenário, sempre lembrando que a simples presença desses itens não garante a segurança do automóvel. Nesse segmento, mesmo os carros teoricamente seguros acabam apresentando outros tipos de limitações (principalmente relativas a seus projetos e equipamentos) e podem custar acima do que deveriam, o que requer atenção e seletividade.

Quando passamos para faixas superiores do mercado, deve ser esperada e valorizada pelos consumidores a adição de mais itens de segurança. Por exemplo, em determinados patamares, já é recomendável não abrir mão de airbags laterais e de cortina e principalmente do controle de estabilidade.

Por exemplo, um outro cliente da consultoria, que comprou um SUV indicado, relatou que, ao trafegar por uma rodovia em São Paulo, foi obrigado a fazer uma manobra bastante brusca para desviar de um caminhão que havia feito uma manobra imprudente. Ele quase foi parar no canteiro central, mas o controle de estabilidade permitiu que ele mantivesse o controle, escapando ileso.

Conclusão

As mudanças no mercado dependem de mudanças no comportamento de compra dos consumidores. Ao priorizar o fator segurança cada vez mais, ainda que de forma gradual, é possível que melhorem as alternativas de carros à venda.

A partir do momento em que você passa a ter consciência da importância de ter um carro seguro, negociando o seu atual se for necessário, é aconselhável avaliar as melhores opções de compra de acordo com a sua condição financeira.

Mesmo se você não puder gastar muito no preço de compra, na maior parte das vezes ainda é possível selecionar bem e encontrar uma opção adequada ao seu perfil. Considerar um bom carro usado é algo importante.

Desde que comecei meu trabalho nesta área, como consultor e depois como autor de artigos e de um livro, o meu objetivo tem sido esclarecer o quanto deve ser prioritária a segurança dos carros, ainda mais no Brasil.

No livro digital “Como Escolher o seu Carro Ideal”, que convido você a conhecer em mais detalhes clicando aqui, eu procurei estruturar um método com os 05 passos que contemplam tudo que importa na hora de definir qual carro comprar. E o fator segurança mereceu um capítulo inteiro de destaque justamente por conta da sua relevância.

Finalmente, pela experiência de muitos anos acompanhando o setor, realmente sugiro que você planeje, pesquise e analise com muita atenção a escolha do seu carro.

Esse processo pode até demorar um pouco mais, porém o resultado que você obterá provavelmente vai fazer tudo valer a pena, trazendo mais paz e tranquilidade se você souber que realizou uma boa escolha. Afinal, imagine o quanto será positiva a sensação de ter um carro seguro para você e sua família.

PS: Para facilitar o controle dos gastos com o seu carro, eu elaborei uma planilha completa e de fácil preenchimento. Ela permitirá cuidar melhor do seu orçamento e você pode baixá-la agora, gratuitamente, no seguinte link: →  http://bit.ly/PlanilhaCarro

Obrigado pela atenção, um forte abraço e até a próxima!

Foto “Paper money and car shape”, Shutterstock.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários