Se você tem ou pretende ter um carro, é provável que valorize conforto, economia e a segurança, sua e da sua família.

Para quem dá valor a esses temas, é fundamental ter consciência a respeito da enorme (e muitas vezes esquecida) importância dos pneus do seu carro. Lembre-se do seguinte: eles são os únicos pontos de contato do veículo com o solo.

Por isso, merecem bastante atenção, ainda mais no Brasil, por conta das condições de rodagem e dos altos custos envolvidos.

1. A Importância dos pneus e a realidade brasileira

Os pneus são o item mais importante de segurança do carro, até porque são diretamente responsáveis por fatores como aderência (inclusive em piso molhado e na terra) e distância de frenagem. Também interferem no comportamento dinâmico e dirigibilidade do veículo e na sua estabilidade.

Em relação ao conforto, eles são os principais responsáveis pela absorção dos impactos e também apresentam diferentes níveis de ruído. Além disso, podem influenciar no consumo de combustível.

Pensando nas condições de tráfego dos carros no Brasil, vale lembrar que, de acordo com o DNIT, somente 12% (!) das nossas vias são asfaltadas e, apenas 50% delas estão em boas condições. Você, motorista, certamente sente isso no seu dia a dia, tendo que desviar de tantos buracos e superar vias precárias. Por isso, o foco nos pneus deve ser ainda maior no nosso país.

2. A séria questão dos pneus com perfil baixo

Quanto mais alto o perfil (a altura lateral) dos pneus, maior é sua capacidade de absorção dos impactos. Se você se lembrar dos carros mais antigos, notará que a maioria adotava pneus com essa característica.

No entanto, como sabemos, a maioria dos brasileiros valoriza excessivamente o design e aparência dos carros, não priorizando itens que realmente são importantes. Sobre este assunto, publiquei inclusive um artigo no meu Blog no Infomoney: Carros: o fundamental papel do Consumidor.

Em função dessas preferências estéticas dos consumidores, muitas marcas acabam optando por equipar seus carros com pneus de perfil baixo. Contribui para essa tendência também a falta das adaptações, que seriam aconselháveis para os carros projetados para o Primeiro Mundo, rodarem no Brasil.

O grande problema é que, além de mais caros, em muitos casos esses pneus são incompatíveis com as condições das ruas e estradas brasileiras, causando uma série de desconfortos (por deixarem as suspensões dos carros mais “duras”) e transtornos.

Para ilustrar isso na prática, cito dois exemplos observados na revista Quatro Rodas. No primeiro caso, dois carros que estão no teste de longa duração (de apenas 60 mil km) tiveram os seus quatro pneus (atenção, foram os quatro de cada um) trocados em função de danos.

Os veículos envolvidos foram os novos Golf e Classe A. Além dos evidentes contratempos, os pneus do primeiro custaram cerca de R$ 470, enquanto os do Mercedes ficaram perto de R$ 1.460. Há uma explicação para essa diferença: os mais caros são do tipo Runflat (com reforços para rodarem mesmo furados).

Por falar em Runflat, que tendem a ser ainda mais desconfortáveis, é válido lembrar de outro caso citado na mesma revista. Uma consumidora, que comprou um Mini Cooper, teve um pneu rasgado e enfrentou dificuldades de encontrar um novo pneu na rede de concessionárias.

Depois de reclamar e pesquisar, ela recebeu a proposta de venda de apenas um pneu pelo preço de R$ 5.200. Após a proposta, ela decidiu trocar todos os pneus por convencionais, mas passou a se expor a riscos pelo fato do carro não ser projetado para ter estepe.

Esses exemplos mostram um pouco dos problemas ocasionados pelos pneus com perfil baixo demais. Aliás, é bom lembrar que essa tendência está presente em todos segmentos do mercado, inclusive considerando carros mais acessíveis. Ilustrativamente, há carros na faixa dos R$ 40 mil que têm pneus que custam cerca de R$ 500.

3. Cuidados e dicas importantes

A principal dica é a seguinte: na hora de definir qual carro comprar, avalie com atenção quais são os pneus (incluindo marcas e medidas) que equipam o veículo pretendido. Além disso, verifique qual é o custo médio e a disponibilidade deles, considerando que, às vezes, podem haver poucas opções de marcas com determinadas medidas.

Aliás, quando atendo os clientes que me procuram na consultoria automotiva pessoal Carro e Dinheiro, procuro dar atenção a este ponto, considerando o perfil de cada pessoa e as condições de uso, que variam bastante num país como o Brasil.

Outra dica fundamental na hora de trocar pneus é priorizar marcas que ofereçam qualidade efetiva. Também é interessante pesquisar em lojas e sites que costumam oferecer melhores condições de preço.

Além disso, a manutenção dos pneus é extremamente importante. Por isso, sempre verifique se não há danos, mantenha a calibragem, o balanceamento e o alinhamento adequados e lembre-se de realizar o rodízio. Também observe e respeite o momento da troca, principalmente quando for atingido o TWI (Tire Wear Indicator) – uma pequena saliência de borracha no interior do sulco do pneu, que mostra se o sulco está abaixo de 1,6 mm.

Por fim, se houver a intenção de trocar as rodas, observe os cuidados para manter o mesmo diâmetro do pneu original. Caso contrário poderá haver diferenças em termos de consumo e alterações na aferição da velocidade e distância percorrida, e essas mudanças podem ser mais graves no caso de carros automáticos.

Antes de concluir, para quem também gosta de conteúdos em vídeo, comentei o assunto de uma forma um pouco diferente e mais descontraída.

Conclusão

Por estarem em contato com o solo, os pneus demandam bastante atenção e cuidados, principalmente pelas condições que enfrentamos ao rodar no Brasil.

Considerando as diferentes características dos carros e seus projetos, é muito importante levar em conta os aspectos relacionados aos pneus e os custos envolvidos, inclusive pensando na durabilidade média.

Finalmente, os pneus são apenas um dos itens importantes que normalmente são esquecidos na hora da compra. Aliás, você nota pessoas avaliando isso quando fecham o negócio?

Particularmente, por me interessar por carros desde criança, eu sempre fiquei intrigado e preocupado observando como as pessoas deixavam de prestar atenção a diversos itens fundamentais.

Por conta disso, por muitos anos coletei informações e experiências, pessoais e de outras pessoas, decorrentes de uma série de erros e acertos, para ajudar as pessoas, que dão valor ao seu dinheiro, na hora de escolherem seus carros.

O resultado foi a publicação do livro digital “Como Escolher o seu Carro Ideal” (clique para detalhes). Ele apresenta um roteiro completo para quem busca compras inteligentes e convido você a conhecê-lo.

PS: Para facilitar o controle dos gastos com o seu carro, eu elaborei uma planilha completa e de fácil preenchimento. Ela permitirá cuidar melhor do seu orçamento e você pode baixá-la agora, gratuitamente, no seguinte link: →  http://bit.ly/PlanilhaCarro

Obrigado pela atenção, um grande abraço e até a próxima!

Foto “Tire stack”, Shutterstock.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários