Cartão de CréditoMocinho ou vilão? Os dois! Se você não souber usar o “dinheiro de plástico” vai acabar ficando sem nenhum tostão (este não é de plástico). Como você usa seu cartão de crédito? Você sabe a data exata em que a fatura é encerrada? Paga frequentemente a parcela mínima ou financia sua fatura? Usa seu crédito com consciência? Por incrível que pareça, quanto mais recursos as pessoas têm para comprar algo, menos consciência do seu orçamento elas apresentam. É um paradoxo inexplicável, concordo.

O que você compra no cartão vai ter que ser pago integralmente, e por você. Que absurdo ter que escrever isso em negrito. Parece que as pessoas se esquecem deste “detalhe” e quando a fatura chega, fazem um extenso drama. E a culpa por não conseguir pagar a fatura inteira ainda fica sendo do trabalho do mês ou do patrão, que havia prometido um aumento ou um bônus, que não saiu. Que dó! Você sabia que os juros do cartão só perdem para os do cheque especial?

Usar o cartão de crédito significa usar seu dinheiro antes de recebê-lo. De novo, fico envergonhado ao escrever isso. Aqui o problema é que enquanto o cartão estiver “passando”, as pessoas estão comprando. Ora, não é pra isso que serve o limite? Não! Em termos de orçamento e saúde financeira, quanto menos você usar o cartão mais vai poder desfrutar de seus benefícios. Se administrar o dinheiro que está na mão já é difícil, então o que dizer do dinheiro virtual do cartão? Se você não sabe se controlar, evite ao máximo o cartão de crédito. O dinheiro só é virtual até a fatura chegar.

Cartão de crédito precisa ser parte do orçamento mensal, do planejamento financeiro do mês. Ponto. Defina um limite para os gastos dentro do mês e respeite esta faixa. Saia de casa com uma agenda ou papel, que deve conter o valor deste limite e ao usar o cartão, anote imediatamente o valor da compra e o subtraia do limite. O resultado será seu novo limite. Você não faz isso por que é difícil né? Tá.

A data de fechamento da fatura é tão importante quanto o limite do parágrafo anterior. Se agora você sabe o quanto pode gastar, precisa saber qual o prazo de validade deste novo limite. Quase a totalidade das pessoas não sabe quando a fatura é encerrada para efeitos de comprovação dos gastos do mês. A data de fechamento não é a data de recebimento da carta, nem sua data de vencimento. Para que a fatura esteja na sua mão, dias antes ela precisou ser consolidada, certo? Descubra qual é o dia em que a operadora encerra a fatura. Este dia é importante para seu planejamento. Bom, deveria ser.

Preste atenção às tarifas e ofertas das empresas administradores destes produtos. Nunca pague anuidade. Se você chorar, dizer que vai cancelar o cartão, que está trocando de bandeira, que não quer mais cartão de crédito ou usar outras desculpas similares, eles cedem. Cedem porque você dá dinheiro. Portanto não seja tão generoso, fuja da anuidade. Para algumas cidades, as operadoras ainda cobram tarifas de seguro. Será este o seu caso? Você deveria saber. Procure se informar, negocie.

Por último, deixe de lado a ilusão criada pelas propagandas de TV. O mundo real é bem mais cruel, sério e problemático. Sair por ai gastando é fácil, o difícil é ter dinheiro para pagar por tudo isso depois. Mas como isso é o depois, a propaganda não mostra nada. Afinal, são só 30 segundos né? Lembre-se que a parte ruim também é necessária. Estar em dia com suas contas e seu orçamento é mais importante do que querer exibir seus 30 cartões por ai. Por que alguém investiria tempo e esforço em uma coleção de faturas de cartão? Status? Alguém me explica?

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários